O imaginário revolucionário dos anos 1960 em Tigre en Papier, de Olivier Rolin, e em A Casa, de Pepetela

Autores

  • Pablo Emanuel Romero Almada Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Faculdade de Ciências e Letras, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Araraquara, São Paulo, Brasil http://orcid.org/0000-0002-3729-8360

Palavras-chave:

1968, Memória, Literatura Comparada, Imaginário, Pós-Colonialismo

Resumo

As ideologias e utopias revolucionárias dos anos 1960 são um importante elemento para a compreensão da história do tempo presente e das memórias de ex-participantes e suas repercussões. O artigo debate duas narrativas memorialísticas e ficcionais acerca daqueles momentos: Tigre en Papier, de Olivier Rolin, e, o excerto A Casa, em A Geração da Utopia, de Pepetela. A partir de uma metodologia de análise qualitativa e da literatura comparada, é debatido o deslocamento do imaginário revolucionário dos anos 1960, de França e Portugal para o Sul global, de modo a compor uma imagem terceiro-mundista de suas aspirações e utopias. Conclui-se que, para além do cenário do protesto jovem realizado naqueles países centrais, haveria uma memória pouco revelada, que construiria e idealizaria os lugares revolucionários com distanciamento da Europa.

Biografia do Autor

Pablo Emanuel Romero Almada, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Faculdade de Ciências e Letras, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Araraquara, São Paulo, Brasil

Pós-Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, UNESP.

Downloads

Publicado

21/10/2020

Edição

Seção

Varia