Burocracia caxias e/ou perversão malandra? Trabalho imaterial e subjetividade contemporânea numa instituição burocrática

Eduardo José Diniz

Resumo


Muito da filosofia contemporânea pode ser visto como uma série de tentativas de livrar-se da influência dos dualismos metafísicos, tais como entre essência e acidente, substância e propriedade, aparência e realidade, que o pensamento ocidental herdou dos gregos. Da sociologia à administração, da economia à psicanálise todas as áreas do pensamento social foram mais ou menos atingidas por essa démarche. Delas é talvez a antropologia que vai sentir os maiores impactos desses desdobramentos, posto que das ciências sociais é a mais engajada com o estudo da linguagem. Nesse ensaio tratar-se-á de abordar as análises produzidas contemporaneamente sobre o trabalho, em particular, sobre a emergência de uma nova hegemonia, a do trabalho imaterial, assim como, as novas abordagens sobre as formatações da subjetividade, da rigidez e exclusividade da identidade na sociedade disciplinar para fluidez e aditividade das identificações da sociedade de controle, como marco teórico para uma tentativa de elaborar uma etnografia dos funcionários recém contratados por uma empresa pública, o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Palavras-chave


Trabalho imaterial;Subjetividade;Burocracia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2009.v2i1.2190

Direitos autorais 2009 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
GT Trabalho e Trabalhadores Departamento Sociologia Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP