Administração em Cooperativas Agroindustriais: uma análise das ferramentas organizacionais da Copersucar e da Coamo

Diego José Casagrande, Martin Mundo Neto

Resumo


A necessidade de concorrer num mercado cada vez mais dinâmico e globalizado impôs aos empreendimentos cooperativos a aplicação de modelos administrativos avançados. Deste modo, a profissionalização da gestão tornou-se o principal pilar para a manutenção das cooperativas no agronegócio. Dentro deste contexto, o objetivo do presente artigo é apresentar um panorama do funcionamento das cooperativas em seu âmbito administrativo, tendo como referência uma análise das ferramentas organizacionais adotadas pela COPERSUCAR e a COAMO, dois grandes empreendimentos cooperativos do Brasil. Como centro de discussão da pesquisa, é enfatizado o embate entre as vertentes da economia solidária (autogestão) e da visão capitalista (heterogestão). Em linhas gerais, pretende-se expor as estratégias assumidas pelas cooperativas e as formas como a COPERSUCAR e a COAMO comportam-se diante do competitivo ambiente do agronegócio. Neste sentido, a Governança Corporativa (GC) se destaca como uma das principais ferramentas organizacionais que representam o processo de modernização gerencial das cooperativas, por meio de um desdobramento das idéias relacionadas à Nova Geração de Cooperativas (NGC).

Palavras-chave


Cooperativas agroindustriais; Profissionalização da gestão; Ferramentas organizacionais; Governança Corporativa; Nova Geração de Cooperativas;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2012.v4i2.5188

Direitos autorais 2012 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
GT Trabalho e Trabalhadores Departamento Sociologia Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP