O surgimento do moderno príncipe neopentecostal a partir da defasagem dos partidos políticos como forma de organização coletiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v10i00.14006

Palavras-chave:

Partidos políticos, Vontade coletiva, Moderno príncipe, Neopentecostalismo

Resumo

As experiências exitosas no século XX de combinação entre capitalismo e democraia permitia confirmar o diagnóstico de Gramsci a partir da releitura de Maquiavel: os partidos políticos seriam capazes de realizar uma determinada organização cultural e societária. No entanto, no caso brasileiro, tais organizações aparecem com maior vigor na vida pública pós abertura democrática, situado em um ambiente global de uma diminuta atuação destas associações. Tendo em vista a perda desse espaço de atuação, o presente trabalho aborda a ação do neopentecostalismo na reconfiguração do moderno príncipe, realizando uma determinada vontade coletiva e reatualizando o cenário político institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Augusto Carvalho, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Graduando em Ciências Sociais.

Referências

BURNATELLI, G.; LAHUERTA, M. O neopentecostalismo e os dilemas da modernidade periférica sob o signo do novo desenvolvimentismo brasileiro. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília (DF), n. 14, p. 57-82, 2014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/issue/view/144. Acesso em: 27 jul. 2020.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOWNS, A. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: EDUSP, 1999.

FRESTON, P. Protestantes e política no Brasil: da constituinte ao impeachment. 1993. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1993.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MARIZ, C. Perspectivas sociológicas sobre o pentecostalismo e o neopentecostalismo. Revista de Cultura Teológica, São Paulo (SP), n. 13, p. 37-52, 1995. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/culturateo/issue/view/972. Acesso em: 27 jul. 2020.

OFFE, C. A democracia partidária competitiva e o “welfare state” keynesiano: fatores de estabilidade e desorganização. In: Problemas estruturais do estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

ORO, A. P. O “neopentecostalismo macumbeiro”. Revista USP, São Paulo (SP), n. 68, p. 319-332, 2006. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/issue/view/1069. Acesso em: 27 jul. 2020.

Publicado

30/06/2021

Como Citar

CARVALHO, R. A. O surgimento do moderno príncipe neopentecostal a partir da defasagem dos partidos políticos como forma de organização coletiva. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 10, n. 00, p. e021009, 2021. DOI: 10.29373/sas.v10i00.14006. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/14006. Acesso em: 19 set. 2021.