Dinastias políticas no parlamento brasileiro e o seu perfil ideológico: uma análise da 55ª legislatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v9i2.14634

Palavras-chave:

Famílias políticas, Parlamento brasileiro, Ideologias políticas, Sociologia política

Resumo

O Brasil é uma República de dinastias políticas, visto que se constata a presença dessas famílias em todas as esferas do poder público dos períodos da Colônia, Império, República e na contemporaneidade. A pesquisa procurou investigar a relação direta entre a ascensão do conservadorismo brasileiro e o aumento das dinastias políticas na Câmara dos Deputados. Para isto, foi necessário traçar a trajetória biográfica de todos os 513 deputados e compreender a lógica específica da ação dos deputados pertencentes a dinastias políticas. O propósito foi verificar em qual espectro político se encontram estes referidos parlamentares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Roberto dos Reis de Souza, Universidade de Brasília (UNB), Brasília – DF

Graduando em Ciências Sociais com habilitação em Sociologia.

Referências

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Unesp, 1995.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CANEDO, L. As metáforas do parentesco e a duração em política. Cadernos Cedes, n. 42, 1997.

FAORO, R. Os donos do poder. São Paulo: Globo, 2008

FILHO, J. A. Flexibilizando para não quebrar: famílias políticas tradicionais e suas estratégias de permanências no poder. Revista Campo da História, v. 2, p. 01-15, 2017.

GOULART, M. H. H. S. Entre famílias e secreta-rias: análise do arranjo político administrativo da Paraná (1889-1930). In: OLIVEIRA, R. C. (Org.). Estado, Classe Dominante e Parentesco no Paraná. Blumenau: Nova Letra, 2015. p. 247-300.

GRILL, I. G. Parentesco, redes e partidos: as bases das heranças políticas no Rio Grande do Sul. 2003. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MESSENBERG, D. O alto e o baixo clero do parlamento brasileiro. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 33., 2009, Caxambu. Anais [...]. Minas Gerais, 2009.

MIGUEL, L. F. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o congresso brasileiro. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, n. 20, p. 115-134, jun. 2003.

MIGUEL, L. F.; MARQUES, D.; MACHADO, C. Capital familiar e carreira política no brasil: gênero, partido e região nas trajetórias para a câmara dos deputados. Dados, v. 58, p. 721-747, 2015.

OLIVEIRA VIANNA, J. J. Instituições políticas brasileiras. Brasília, DF: Coleção Biblioteca Básica Brasileira, Senado Federal, 1999.

PIMENTEL, V. M. A primazia dos clãs: a família na política nordestina. 2014. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

SCHEEFFER, F. A alocação dos partidos no espectro ideológico a partir da atuação parlamentar. 2018.

TAROUCO, G. S.; MADEIRA, R. M. Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 45, p. 149-165, 2013.

ZUCCO, C.; TIMOTHY, J. (Orgs.). O Congresso por ele mesmo: autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

Publicado

01/03/2021

Como Citar

SOUZA, J. R. dos R. de. Dinastias políticas no parlamento brasileiro e o seu perfil ideológico: uma análise da 55ª legislatura. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 9, n. 2, p. 261–274, 2021. DOI: 10.29373/sas.v9i2.14634. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/14634. Acesso em: 6 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos