Itinerários terapêuticos de mães de crianças com microcefalia decorrente da síndrome do zika vírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v15i2.13078

Palavras-chave:

Itinerário Terapêutico, Microcefalia, Zika Vírus.

Resumo

O objetivo do estudo foi conhecer o itinerário terapêutico de mães de crianças com microcefalia, decorrente da infecção pelo Zika Vírus, nascidas no período de outubro de 2015 a outubro de 2016, moradoras de um município da Região Metropolitana da Baixada Santista. Trata-se de um estudo retrospectivo de abordagem qualitativa que utilizou entrevistas com duas mães que tiveram Zika Vírus confirmado na gestação e cujos filhos nasceram com microcefalia no período da epidemia. Os resultados apontaram que as mães são as cuidadoras principais; as redes de apoio são construídas a partir da família próxima e outras mães de crianças com microcefalia; a religião é acessada quando o saber biomédico não apresenta respostas concretas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Perosa Saigh Jurdi, Universidade Federal de São Paulo

Departamento Saúde, Educacão e Sociedade.

Terapeuta Ocupacional, atuando na área da infância e educação. Professora do Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciencias da Saúde e do Programa de Mestrado Ensino em Ciências da Saúde - Modalidade Profissional.

Luisa Chibani Mauad, Universidade Federal de São Paulo

Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade Federal de São Paulo/ campus Baixada Santista

Mariana Fagundes Cinti, Universidade Federal de São Paulo

Graduanda do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de São Paulo/campus Baixada Santista

Referências

ALVES, P. C. A Experiência da Enfermidade: Considerações Teóricas. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 263-271, 1993.

ALVES, P.C. Itinerário Terapêutico e os Nexus de Significados da Doença. Ver. Política & Trabalho, n. 42, p. 29-43, jan./jun. 2015. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/issue/view/1659/showToc. Acesso em: 4 set 2018.

ASTOLPHO, M. P. et al. Rede de cuidados a crianças com necessidades especiais de saúde. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 67, n. 2, p. 213-219, abr. 2014.

BARBOSA, M. A. M. et al. Cuidado da Criança com Deficiência: suporte social acessado pelas mães. Rev. Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 406-412, set. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS [recurso eletrônico]. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/virus_zika_brasil_resposta_sus.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

CAMPOS, G. S.; BANDEIRA, A. C.; SARDI, S. I. Zika virus outbreak, Bahia, Brazil. Emerging Infectious Diseases. v. 21, n. 10, p. 5, Oct. 2015. Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/21/10/15-0847_article. Acesso em: 20 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.3201/eid2110.150847.

FRANÇA, G.V. A. et al. Síndrome Congênita associada à infecção pelo vírus Zika em nascidos vivos no Brasil: descrição da distribuição dos casos notificados e confirmados em 2015-2016. Epideomiol Serv Saúde, Brasília, v. 27, n. 2, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Caracteristicas_Gerais_Religiao_Deficiencia/caracteristicas_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 7 set 2018.

MARINHO, F. et al. Microcefalia no Brasil: prevalência e caracterização dos casos a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 2000-2015. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, n. 4, p. 701-712, dez. 2016.

MENESES, C.S. et al. O Agir leigo e a Produção de Mapas de Cuidado Mistos Público-Privados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 6, p. 2013-2017, 2017.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 14 ed., 2014.

OLIVEIRA, I. G. de; POLETTO, M. Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Rev. SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 16, n. 2, p. 102-119, 2015.

PETRÔNIO, C. N. V. et al. O Início da epidemia do Zika Vírus e os seus Reflexos na Saúde Pública Nacional e Internacional. Id On Line – Ver. Mult. Psi., v. 12, n. 40, 2018.

SILVA JUNIOR, N. D.; GONÇALVES, G.; DEMÉTRIO, F. Escolha do itinerário terapêutico diante dos problemas de saúde: considerações socioantropológicas. Revista Eletrônica Discente História, v. 1, n. 1, p. 1-12, 2013.

TRILLA, A. Zika y médios de comunicacion: 213 gana a 170. Enfermedades Emergentes – Revista Multidisciplinar sobre enfermedades nuevas, emergentes, re-emergentes o de impacto para la salud publica global, v. 17, n. 1, p. 3-6, 2018.

VARGAS, A. et al. Características dos primeiros casos de microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika notificados na Região Metropolitana de Recife, Pernambuco. Epidemiol Serv Saúde. v. 25, n. 4, p. 691-700, out. 2016.

Publicado

30/07/2019

Como Citar

JURDI, A. P. S.; CHIBANI MAUAD, L.; FAGUNDES CINTI, M. Itinerários terapêuticos de mães de crianças com microcefalia decorrente da síndrome do zika vírus. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 15, n. 2, p. 263–276, 2019. DOI: 10.26673/tes.v15i2.13078. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13078. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação