A Terapia Comunitária Integrativa na abordagem da saúde mental na atenção primária: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14314

Palavras-chave:

Acolhimento, Terapias complementares, Atenção primária à saúde, Participação da comunidade, Saúde mental.

Resumo

A Terapia Comunitária Integrativa (TCI), além de método terapêutico, é considerada um espaço comunitário de acolhimento, no qual ocorre partilha dos participantes de seus sofrimentos, experiências de vida, sabedorias, problemas, situações difíceis, vitórias e superações. O objetivo deste trabalho é relatar a experiência e apresentar o processo de inserção de um grupo de TCI em uma unidade básica de saúde localizada em Curitiba-PR. Os temas e superações apresentados pelos participantes são discutidos, assim como o papel do profissional de atenção primária como terapeuta de uma roda de TCI, e suas reverberações no local de trabalho e prática clínica. Conclui-se que a TCI tem capilaridade e pode ser entendida como uma tecnologia para a saúde mental, assim como também uma prática colaborativa de intervenção social dada a grandeza de suas possibilidades, uma vez que empodera a comunidade na resolução de seus problemas, e humaniza o trabalho da equipe de saúde.

Biografia do Autor

Adriane Elizabeth Gamarra Gaete, Centro Universitário Avantis (UNIAVAN), Polo Acreditar & Compartilhar, Curitiba – PR

Especialização em andamento em Terapia Comunitária Integrativa.

Maria José Soares de Mendonça de Gois, Centro Universitário Avantis (UNIAVAN), Polo Acreditar & Compartilhar, Curitiba – PR

Professora e Orientadora no Programa Pós-graduação em Terapia Comunitária Integrativa. Mestrado em Gestão Urbana (PUC/PR).

Referências

ACREDITAR & COMPARTILHAR. Sistema de Registro de Terapia Comunitária Integrativa. Disponível em: http://acreditarecompartilhar.com.br/rodas/. Acesso em: 10 jul. 2020.

ANDRADE, F. B. A Terapia Comunitária como instrumento de inclusão da Saúde Mental na Atenção Básica: avaliação da satisfação dos usuários. Orientadora: Maria de Oliveira Ferreira Filha. 2009. 141 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009. Disponível em: http://www.ccs.ufpb.br/ppgeold/dissertacoes2009/fabiabarbosa.pdf. Acesso em: 17 jul. 2020.

ARAUJO, M. Â. M. et al. A Terapia Comunitária: criando redes solidárias em um Centro de Saúde da Família. Rev. port. enferm. saúde mental, Porto, n. 19, p. 71-76, jun. 2018. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602018000100009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 18 ago. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA. A ABRATECOM. Disponível em: https://www.abratecom.org.br/QuemSomos/Abratecom/. Acesso em: 17 jul. 2020.

BARRETO, A. de P. Terapia Comunitária passo a passo. Fortaleza: Gráfica LCR; 2008.

BRAGA, L. A. V. Terapia comunitária e resiliência: histórias de mulheres. Orientadora: Maria Djair Dias. 2009. 130 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/5177/1/arquivototal.pdf. Acesso em: 17 jul. 2020.

CADONA, E.; SCARPARO, H. Construcionismo social na atenção básica: uma revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 9, p. 2721-2730, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000902721&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 ago. 2020.

CARVALHO, I. P. do A.; CARVALHO, C. G. X.; LOPES, J. M. C. Prevalência de hiperutilizadores de serviços de saúde com histórico positivo para depressão em Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade, Rio de Janeiro, v. 10, n. 34, p. 1-7, 2015. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/957. Acesso em: 09 ago. 2020.

CASTANON, G. A. Construcionismo social: uma crítica epistemológica. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 12, n. 1, p. 67-81, jun. 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2004000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 ago. 2020.

CISNEIROS, V. G. F. et al. Percepção dos profissionais de saúde e comunitários em relação à terapia comunitária na estratégia saúde da família. Rev. APS, v. 15, n. 4, p. 468-478, dez, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14997. Acesso em: 09 ago. 2020.

CURITIBA. Prefeitura Municipal. Programa habitacional muda o visual do bairro do Ganchinho. Disponível em: https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/programa-habitacional-muda-o-visual-do-bairro-do-ganchinho/31805. Acesso em: 10 jul. 2020.

FERREIRA FILHA, M. de O.; LAZARTE, R.; BARRETO, A. de P. Impacto e tendências do uso da Terapia Comunitária Integrativa na produção de cuidados em saúde mental. Rev. Eletr. Enf., v. 17, n. 2, p. 172-7, 30 jun. 2015. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/37270. Acesso em: 13 ago. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 36. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

GODOY, M. G. G. Os desafios da antropologia em favor da interdisciplinaridade. Tempo & Memória, v. 2, n. 2, p. 21-32, jan. 2004. Disponível em: http://sinop.unemat.br/site_antigo/prof/foto_p_downloads/fot_7850antbopologia_e_intebdisciplinabidade_pdf.pdf. Acesso em: 27 jul. 2020.

GOMES, L. B. et al. As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando fam., Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 3-16, dez. 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2014000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 ago. 2020.

KATIGBAK C. et al. Partners in Health: A Conceptual Framework for the Role of Community Health Workers in Facilitating Patients’ Adoption of Healthy Behaviors. Am J Public Health, Washington, v. 105, n. 5, p. 872-880, abr. 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4386525/. Acesso em: 10 ago. 2020.

LIDÓRIO, R. Conceituando a antropologia. Antropos. v. 3, n. 2, p. 7-15, dez 2009. Disponível em: http://revista.antropos.com.br/downloads/dez2009/Artigo%202%20-%20Conceituando%20a%20Antropologia%20-%20Ronaldo%20Lid%F3rio.pdf. Acesso em: 03 jul. 2020.

LUISI, L. V. V. Terapia comunitária: bases teóricas e resultados práticos de sua aplicação. Orientadora: Rosa Maria Stefanini Macedo. 2006. 231 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15496. Acesso em: 17 jul. 2020.

MENEZES, M. P. de; YASUI, S. A interdisciplinaridade e a psiquiatria: é tempo de não saber? Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1817-1826, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000600032&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 ago. 2020.

WENCESLAU, L. D.; ORTEGA, F. Saúde mental na atenção primária e Saúde Mental Global: perspectivas internacionais e cenário brasileiro. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 19, n. 55, p. 1121-1132, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000401121&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jul. 2020.

WHO. World Health Organization. Integrating mental health into primary care: a global perspective. Geneva: WONCA, 2008.

Publicado

21/10/2020