Terapia Comunitária Integrativa para idosos em plataforma virtual durante a pandemia associada a COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14317

Palavras-chave:

Boas práticas, Saúde coletiva, Terapia comunitária integrativa, Envelhecimento, Família.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo compartilhar a experiência vivenciada junto a pessoas da terceira idade em plataforma virtual. Sustenta-se na estratégia prática da Terapia Comunitária Integrativa (TCI) e na Teoria Práxica de Enfermagem em Saúde Coletiva (TIPESC). A coleta foi realizada por meio de instrumentos específicos; foram realizadas 14 rodas com uma participação de 90 (100%) idosos e foi realizada uma amostragem por conveniência. Dentre os principais resultados destaca-se a roda como uma tecnologia leve que pretende dar voz a este grupo etário considerado grupo de risco e contribuir para implementação de novas políticas no Brasil, avançando para inserir o idoso na nova tecnologia mundial, combatendo os desafios existentes e visando prevenir os impactos sócio-político-econômico após a pandemia associado a Covid-19.

Biografia do Autor

Dora Mariela Salcedo-Barrientos, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Atenção Primária em Saúde no Sistema Único de Saúde (MPAPS).Pós-Doutoranda do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).  Doutorado em Enfermagem (USP). Filiada a Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

Maria Vitória Silva Paiva, Instituto Afinando Vidas, São Paulo – SP

Professora no Curso de Formação em Terapia Comunitária e Terapeuta Comunitária. Mestre em Relações Étnico Raciais (CEFET/RJ). Filiada a Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

André Luiz Pereira da Silva, Instituto Afinando Vidas, São Paulo – SP

Terapeuta Comunitário. Graduação em Psicologia (UNICASTELO). Filiado a Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM)

Referências

BARRETO, A. P. Terapia comunitária: passo a passo. 4. ed. rev. ampl. Fortaleza, CE: Gráfica LCR, 2008.

BARRETO, A. P. Terapia comunitaria integrativa paso a paso. Quito, Ecuador: Digital Center, 2015.

BARRETO A. P. et al. Integrative community therapy in the time of the new coronavirus pandemic in Brazil and Latin America. World Soc. Psychiatry, v. 2, n. 2, p. 103-105, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 92 p., 2006.

EGRY, E. Y. Saúde coletiva: construindo um novo método para a enfermagem. São Paulo: Ícone, 1996.

FIGUERÊDO, D. S. T. O. Fatores individuais e contextuais associados à incapacidade em idosos brasileiros. 2019. 146 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Recomendações Gerais. 8 p., 2020. Disponível em: https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/04/Sa%c3%bade-Mental-e-Aten%c3%a7%c3%a3o-Psicossocial-na-Pandemia-Covid-19-recomenda%c3%a7%c3%b5es-gerais.pdf. Acesso em: 27 jul. 2020.

HORTA, A. L. M.; DASPETT, C. (Orgs.). Desafios no trabalho com famílias: da teoria à prática. Curitiba: CRV, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://censo2020.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/24036-idosos-indicam-caminhos-para-uma-melhor-idade.html. Acesso em 27 jul. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. Projeção da população brasileira. Rio de Janeiro, 25 jul. 2018a.

IBGE. Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Agência IBGE Notícias, Rio de Janeiro, 26 abr. 2018b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso em: 15 jul. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) de 2019: taxa de analfabetismo. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf. Acesso em: 15 jul. 2020.

MESQUITA J. S.; CAVALCANTE, M. R. L.; SIQUEIRA, C. A. Promoção da saúde e integralidade na atenção ao idoso: uma realidade brasileira. Revista Kairós Gerontologia, v. 19, n. 1, p. 227-38, 2016.

ONU. Organização das Nações Unidas. Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 6 jul. 2020.

OPS. Organización Panamericana de la Salud. Plan of action on the health of older persons, including Active and healthy aging: final report. 2019. Disponível em: https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&alias=49691-cd57-inf-9-e-poa-older-persons&category_slug=cd57-en&Itemid=270&lang=en. Acesso em: 10 jul. 2020.

ROCHA, A. R. G.; GRABOSQUE, C. L. Análise das condições de saúde autorreferidas e práticas de lazer em idosos assistidos na atenção primária. 2019. 18 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Enfermagem) – Centro Universitário de Maringá, Maringá, PR, 2019.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Coordenação da Atenção Básica. Área Técnica de Saúde da Pessoa Idosa. Documento norteador unidade de referência à saúde do idoso. São Paulo, 2016.

Publicado

21/10/2020