A implantação da Terapia Comunitária Integrativa em um município do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14318

Palavras-chave:

Terapia comunitária integrativa, Saúde mental, Análise de implantação, Práticas integrativas e complementares em saúde.

Resumo

Objetiva-se aqui descrever e analisar o processo de implantação da Terapia Comunitária Integrativa (TCI) em Volta Redonda, município do Rio de Janeiro. Utilizou-se entrevista semiestruturada e observação das Rodas de TCI no período de setembro-novembro de 2019, além de análise documental. Nos documentos municipais, a TCI começou a ser referenciada a partir de 2009 até o momento atual (2018 a 2021), passando a ser prevista no Projeto Centro de Práticas Integrativas da Secretaria Municipal de Saúde. A análise de implantação revelou a importância do contexto político, ora como facilitador da implantação, ora como barreira para manutenção de sua oferta. Apesar da mudança do contexto político ter ocasionado a diminuição da oferta de rodas de TCI, houve o reconhecimento do seu potencial na construção de redes de apoio social assim como na atenção às demandas de saúde mental, como por exemplo, a redução da medicalização.

Biografia do Autor

Erika Macedo, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro – RJ

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública.

Vera Lucia Luiza, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro – RJ

Pesquisadora em Saúde Pública. Doutorado em Saúde Pública (ENSP/Fiocruz).

Vera Cecília Frossard, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro – RJ

Pesquisadora em Saúde Pública e Atenção Primária no Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria. Doutorado em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (UFRJ/RJ).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARRETO, A. P. Terapia comunitária: passo a passo. 3. ed. Fortaleza: Gráfica LCR, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e complementares (PNPIC) no sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html. Acesso em: 15 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 719, de 7 de abril de 2011. Institui o programa Academia da saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt0719_07_04_2011.html. Acesso em: 15 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html. Acesso em: 15 jul. 2020.

CHAMPAGNE, F. et al. A análise da implantação. In: Avaliação: conceitos e métodos. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 217-238, 2011.

FIX, S. A. B.; LEITE, M. S. V.; GALVANI, C. Algumas reflexões sobre a inserção de música em encontros de TC no Centro de Assistência a Família (CEAF). In: Congresso Brasileiro de Terapia Comunitária, 3., 2007, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Casa do psicólogo/ABRATECOM, p. 451-457, 2007.

FONSECA, M. L. G.; GUIMARÃES, M. B. L.; VASCONCELOS, E. M. Sofrimento Difuso e Transtornos mentais Comuns: Uma revisão Bibliográfica. Rev. APS, v. 11, n. 3, p. 285-294, set. 2008.

FREITAS, F.; AMARANTE, P. Medicalização em psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. 2010.

MACHADO, C. V.; LIMA, L. D.; BAPTISTA, T. W. F. Políticas de saúde no Brasil em tempos contraditórios: caminhos e tropeços na construção de um sistema universal. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. suppl. 2, 2 out. 2017.

MAGALHÃES, M. G. et al. Estratégias tecnoassistenciais do SUS- Volta Redonda. In: Tecendo redes: os planos da educação, cuidado e gestão na construcão do SUS: a experiência de Volta Redonda (RJ). Saúde em debate. São Paulo: Hucitec Editora, p. 25-42, 2012.

OLIVEIRA, D. S. T.; FERREIRA FILHA, M. O. Contribuição dos recursos culturais para a Terapia Comunitária Integrativa na visão do terapeuta. Rev Lat Am Enfermagem, v. 32, n. 3, p. 524-530, set. 2011.

PINTO, S. et al. (Eds.). Tecendo redes: os planos da educação, cuidado e gestão na construcão do SUS: a experiência de Volta Redonda (RJ). São Paulo: Hucitec Editora, 2012.

VALLA, V. V. Globalização e saúde no Brasil: a busca da sobrevivência pelas classes populares via questão religiosa. In: A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. Saúde em debate. São Paulo: Editora Hucitec, p. 39-62, 2001.

Publicado

21/10/2020