Equipes de NASF-AB em um cenário de riscos para a atenção básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v18i00.15554

Palavras-chave:

Estratégia saúde da família, Atenção básica à saúde, NASF-AB

Resumo

O estudo teve como objetivo identificar os possíveis impactos das atuais políticas e diretrizes no campo da saúde frente aos processos de trabalho das equipes de referência (ER) e Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB). Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, desenvolvida em três dos maiores municípios da região do Seridó do Rio Grande do Norte. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 17 profissionais de diferentes categoriais atuantes na Estratégia Saúde da Família (ESF), equipes do NASF-AB e gestores da saúde das três localidades. As informações foram categorizadas e analisadas a partir dos referencias da Análise de Conteúdo de Bardin (2011). Os resultados apontam para preocupações diante das inflexões da nova Política Nacional de Atenção Básica no cotidiano assistencial dos municípios, em um cenário de inseguranças, incertezas e prejuízos ao escopo de atividades desenvolvidos e apoiados na AB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamila Raquel Fernandes Vale, Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA), Santa Cruz – RN – Brasil

Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Fisioterapeuta no Centro Especializado em Reabilitação (CER III).

Maria Luisa Vichi de Campos Faria, Faculdade União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME), Lauro de Freitas – BA – Brasil

Professora do curso de graduação em medicina. Doutorado em Saúde Coletiva (UNESP).

Ana Kalliny Sousa Severo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Santa Cruz – RN – Brasil

Professora do magistério superior e do Mestrado em Saúde Coletiva. Doutorado em Saúde Coletiva (UNICAMP).

Tiago Rocha Pinto, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia – MG – Brasil

Professor Adjunto do Departamento de Saúde Coletiva. Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (FMB/UNESP).

Referências

ABRASCO. CEBES. ENSP/Fiocruz. Contra a reformulação da PNA: Nota sobre a revisão da Política Nacional de Atenção Básica. ABRASCO, 2017. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/posicionamentos-oficiais/contra-reformulacao-da-pnab-nota-sobre-revisao-da-politica-nacional-de-atencao-basica/29798/. Acesso em: 20 jun. 2020.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm. Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

BRASIL. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Série A. Normas e manuais técnicos. Cadernos de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009. n. 27. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica_diretrizes_nasf.pdf. Acesso em: 02 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS). Brasília, DF: MS, 2019. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/sobre. Acesso em: 15 jul. 2020.

BRASIL Ministério da Saúde (MS). Programa Previne Brasil quer incluir 50 milhões de brasileiros no SUS. AgênciaBrasil, 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-11/programa-previne-brasil-quer-incluir-50-milhoes-de-brasileiros-no-sus. Acesso em: 03 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Novo modelo de financiamento para APS. Brasília, DF: MS, 2020. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/gestor/financiamento. Acesso em: 25 abr. 2020.

BROCARDO, D. et al. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF): Panorama nacional a partir de dados do PMAQ. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. esp. 1, p. 130-144, set. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/JTpnpn9rLv7QyLYwTsc8pDQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 set. 2021.

HARZHEIM E. et al. Novo financiamento para uma nova Atenção Primária à Saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n. 4, p. 1361-1374, 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000401361&lng=en. Acesso em: 01 jul. 2020.

HONE T, et al. Large reductions in amenable mortality associated with Brazil’s primary care expansion and Strong health governance. Health Affairs, v. 36, n. 1, p. 149- 158, 2017. Disponível em: https://www.healthaffairs.org/doi/full/10.1377/hlthaff.2016.0966. Acesso em: 14 abr. 2020.

MAGNAGO, C.; PIERANTONI, C. R. Dificuldades e estratégias de enfrentamento referentes à gestão do trabalho na Estratégia Saúde da Família, na perspectiva dos gestores locais: A experiência dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Duque de Caxias (RJ). Saúde em Debate, v. 39, n. 104, p. 9-17, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/TWX6Kmgys8H3vmm3QktG7Kv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 20 jun. 2020.

MASSUDA, A. Mudanças no financiamento da Atenção Primária à Saúde no Sistema de Saúde Brasileiro: Avanço ou retrocesso? Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n. 4, p. 1181-1188. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000401181&lng=en. Acesso em: 01 jul. 2020.

MENDONCA, M. H. M. et al. Desafios para gestão do trabalho a partir de experiências exitosas de expansão da Estratégia de Saúde da Família. Ciências & Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2355 - 2365, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/89F5tnhmhgNXGDLzTKtw6Wd/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

MOROSINI, M. V. G. C.; FONSECA, A. F.; LIMA, L. D. Política Nacional de Atenção Básica 2017: retrocessos e riscos para o Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate, v. 42, n. 116, p. 11-24, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000100011&lng=en. Acesso em: 15 jun. 2020.

OCKÉ-REIS, C. O. Desafios da reforma sanitária na atual conjuntura histórica. Saúde em Debate, v. 41, n. 113, p. 365-371, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0103-11042017000200365&lng=pt&nr m=iso. Acesso em: 01 fev. 2020.

SOUZA, T. S.; MEDINA, M. G. NASF: Fragmentação ou integração do trabalho em saúde na APS? Saúde em Debate, v. 42, n. esp. 2, p. 145-158, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/v8KFq8vxqxVtYVQLxWQzBMK/?lang=pt. Acesso em: 03 jul. 2020.

TESSER, C. D.; POLI NETO, P. Atenção especializada ambulatorial no Sistema Único de Saúde: Para superar um vazio. Ciencia & Saude Coletiva, v. 22, n. 3, p. 41-951, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/8cJkgnzmkvGCFPVXQwxPdgf/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 mar. 2021.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

VALE, T. R. F.; FARIA, M. L. V. . de C.; SEVERO, A. K. S.; PINTO, T. R. Equipes de NASF-AB em um cenário de riscos para a atenção básica. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 18, n. 00, p. e022004, 2022. DOI: 10.26673/tes.v18i00.15554. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/15554. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Áreas da Educação e Saúde