Quem propaga a pós-verdade?

A disseminação de discursos negacionistas e de fake news por grupos fundamentalistas religiosos no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52780/res.v28i00.17140

Palavras-chave:

Ciências da religião, Fake news, Pós-verdade, Negacionismo, Fundamentalismo

Resumo

O artigo procura refletir acerca das seguintes questões: Quais são os grupos e movimentos socioculturais responsáveis por disseminar Fake News, propagar discursos negacionistas e divulgar pós-verdades no Brasil da atualidade? Quem são os receptores e reprodutores desses discursos fundamentalistas? Existem limites para a liberdade religiosa e de expressão? E, qual o papel do cientista da religião, imbuído das prerrogativas do paradigma decolonial/ intercultural, diante dos problemas que se apresentam relacionados ao acirramento dos fundamentalismos e suas respectivas práticas arbitrárias e intransigentes no terreno sociocultural? Para tanto, será explorado o entendimento das categorias “pluralismo”, “secularismo” e “fundamentalismo”. A discussão é amparada pelas contribuições de autores que se dedicaram à reflexão de tais problemáticas a partir do campo epistemológico das ciências da religião e da sociologia da religião.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Ribeiro Amaro, Universidade Metodista de São Paulo

Pós-doutoranda no Departamento de Ciências da Religião. Doutora em Ciência da Religião (UFJF).

Referências

ARMSTRONG, K. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BERGER, P. L. Rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

BERGER, P. L. Os múltiplos altares da modernidade: rumo a um paradigma da religião numa época pluralista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017a.

BERGER, P. L. O imperativo herético: possibilidades contemporâneas da afirmação religiosa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017b.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. Modernidade, pluralismo e crise de sentido. A orientação do homem moderno. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERGER, P. L.; ZIJDERVELD, A. Em favor da dúvida: como ter convicções sem se tornar um fanático. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

CARRANZA, B. Brasil, fundamentalista? Encontros teológicos, [S. l.], n. 52, ano 24, v. 1, p. 147-166. 2009. Disponível em: https://facasc.emnuvens.com.br/ret/article/viewFile/327/314. Acesso em: 22 ago. 2022.

COUTINHO, S. R.; SANCHES, W. L. O pluralismo religioso e as religiões em movimento. Revista de Cultura Teológica, [S. l.], ano XXIX, n. 99, p=p. 256-275, mai./ago., 2021. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/culturateo/article/view/54373/37835. Acesso em: 23 ago. 2022.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. UNESP, 1991.

OTTO, R. O sagrado: Os aspectos irracionais na noção do divino e sua relação com o racional. São Leopoldo: Sinodal/EST.; Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

RIBEIRO, C. O. O princípio pluralista: bases teóricas, conceituais e possibilidades de aplicação. Revista de Cultura Teológica, [S. l.], ano XXV, n. 90, jul./dez., 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/culturateo/article/view/rct.i90.35979. Acesso em: 23 ago. 2022.

SANTOS, B. S. Construindo epistemologias do sul: antologia essencial. Vol. I: Para um pensamento alternativo de alternativas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2018.

Publicado

29/12/2023

Como Citar

AMARO, F. R. Quem propaga a pós-verdade? : A disseminação de discursos negacionistas e de fake news por grupos fundamentalistas religiosos no Brasil. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 28, n. 00, p. e023021, 2023. DOI: 10.52780/res.v28i00.17140. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/17140. Acesso em: 2 mar. 2024.