Gênero e trabalho

Pode o empreendedorismo ser um meio para o empoderamento das mulheres?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52780/res.v28i00.17796

Palavras-chave:

Empreendedorismo, Empoderamento, Gênero e trabalho

Resumo

Diante do aumento significativo da precarização do trabalho o empreendedorismo se propagou como alternativa para os trabalhadores. Para as mulheres, ele procurou representar um meio para o empoderamento e para a superação das tradicionais barreiras do mercado de trabalho. A presente pesquisa analisa a relação entre empreendedorismo, empoderamento e desigualdades de gênero no trabalho, indagando acerca do papel que o empreendedorismo ocupa na reprodução ou superação das desigualdades de gênero. Para tal, analisamos a partir de pesquisa documental um caso concreto onde a gestão empresarial aponta o empreendedorismo como meio para o empoderamento e para a superação das barreiras de gênero no mercado de trabalho. Concluímos que o empreendedorismo pode emergir como alternativa de sobrevivência e como meio de empoderamento individual, podendo promover algumas melhorias individuais em determinadas condições de vida, mas jamais como meio de empoderamento coletivo e de transformação das estruturas de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayco Lima da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais.

Laura Senna Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (UFSM).

Referências

AMORIM, H.; MODA, F.; MEVIS, C. Empreendedorismo: uma forma de americanismo contemporâneo? Caderno CRH, [S. l.], v. 34, n. 01, nov. 2021.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2006.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão. São Paulo: Boitempo, 2018.

ASH, M. K. The Mary Kay Way: o estilo de liderança de uma das maiores empreendedoras norte-americanas. São Paulo: Editora CL-A Cultural, 2013.

BIROLI, F. Gênero e Desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

CORNWALL, A. Além do “Empoderamento Light”: empoderamento feminino, desenvolvimento neoliberal e justiça social. Cadernos pagu, [S. l.], n. 52, e185202, 2018.

DAL ROSSO, S. O ardil da flexibilidade. São Paulo: Boitempo, 2017.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

GORZ, A. Adeus ao proletariado. Rio de Janeiro: Forense, 1982.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, volume 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

HARVEY, D. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Loyola, 2008.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Trad. Fátima Murad. Cadernos de Pesquisa, [S. l.], v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

LEÓN, M. El empoderamiento de las mujeres: Encuentro del primer y tercer mundos en los estudios de género”. La Ventana, [S. l.], n. 13, p.94-106, 2001.

RIBEIRO, A. F. Taylorismo, fordismo e toyotismo. Lutas Sociais, São Paulo, v. 19 n. 35, p. 65-79, jul./dez. 2015.

SARDENBERG, C. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista. 2012.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultura, 1997.

SENNETT, R. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

Publicado

30/12/2023

Como Citar

SILVA, M. L. da; FERREIRA, L. S. Gênero e trabalho: Pode o empreendedorismo ser um meio para o empoderamento das mulheres?. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 28, n. 00, p. e023026, 2023. DOI: 10.52780/res.v28i00.17796. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/17796. Acesso em: 24 abr. 2024.