Júlia Lopes de Almeida: entre o salão literário e a antessala da Academia Brasileira de Letras

Autores

  • Michele Asmar Fanini USP - Universidade de São Paulo/São Paulo - SP

Palavras-chave:

Sociologia da Cultura, Academia Brasileira de Letras, Júlia Lopes de Almeida, Elegibilidade feminina

Resumo

Situado no encalço de alguns “défi cits documentais”, o objetivo deste artigo é analisar as discussões em torno da inadmissão feminina na Academia Brasileira de Letras. A abordagem estará circunscrita ao período de consolidação da entidade, que ocorre quando o nome de uma mulher é cogitado a fi gurar entre seus membros fundadores. Trata-se da escritora Júlia Lopes de Almeida que, logo em seguida, vê-se excluída da relação fi nal de agremiados, sob inconsistentes alegações que, ainda assim, foram sufi cientes para recender a compleição androcêntrica da Academia, mantendo-a incólume à presença feminina durante seus primeiros oitenta anos de existência. Em linhas gerais, procederemos aqui à análise dos bastidores desta, digamos, “ausência institucional”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

25/09/2009

Como Citar

Fanini, M. A. (2009). Júlia Lopes de Almeida: entre o salão literário e a antessala da Academia Brasileira de Letras. Estudos De Sociologia, 14(27). Recuperado de https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/1941