O sistema judicial brasileiro e a definição do melhor interesse da criança

Autores

  • Maria Lygia Quartim de Moraes UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – Departamento de Sociologia. Campinas – SP – Brasil

Palavras-chave:

Direito da família, Judicialização, Direitos da criança,

Resumo

Poucas instituições sofreram tantas mudanças como as famílias brasileiras. Estas mudanças afetaram tanto o estatuto do casamento quanto as relações de poder e responsabilidade entre pais e mães. Dados recentes comprovam a diminuição do tamanho das famílias, bem como o aumento dos divórcios, assim como das uniões consensuais. É preciso ressaltar que a jurisprudência sobre a família tem acompanhado as mudanças da vida real, como comprovam a Constituição de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990. Dessa maneira, a consolidação de novos direitos legais é contemporânea da crescente judicialização das relações sociais. Em outras palavras, o sistema judiciário tornou-se o árbitro das relações entre pais e filhos, amparando suas decisões em disciplinas do campo das ciências humanas. O presente texto apresenta algumas reflexões sobre as consequências deste processo de judicialização no âmbito das relações familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lygia Quartim de Moraes, UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – Departamento de Sociologia. Campinas – SP – Brasil

Maria Lygia Quartim de Moraes. Socióloga, formada em Ciências Sociais pela USP (1963-66), com cursos de pós-graduação na França e no Chile (1970-74). Doutorou-se em Ciência Política pela USP (1982) , defendeu sua livre-docência na UNICAMP (1997) e tornou-se professora titular da UNICAMP em 2004. Especialista em sociologia clássica é também pesquisadora das áreas de estudos sobre movimentos sociais, família e gênero, direitos humanos e memória política no perído 1964-82. Publicou livros, capítulos de livros e artigos no país e no exterior. Atualmente, é professora na Pós-Graduação em Sociologia da UNICAMP e pesquisadora do Pagu - Núcleo de Estudo de Gênero da UNICAMP.

Downloads

Publicado

05/09/2014

Como Citar

Moraes, M. L. Q. de. (2014). O sistema judicial brasileiro e a definição do melhor interesse da criança. Estudos De Sociologia, 19(36). Recuperado de https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/5931