A retórica despolitizante da corrupção e a dialética da grande e pequena política: uma narrativa sobre o espetáculo neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/semaspas.unesp.v7.n1.jan/jun.2018.11850

Palavras-chave:

Grande política, Pequena política, Espetáculo, Corrupção, Neoliberalismo

Resumo

O objetivo deste artigo é abordar o caráter despolitizante da retórica da corrupção e como esta é um verdadeiro fenômeno da substancialização hegemônica da pequena política na realidade neoliberal brasileira. Sem perder de vista a categoria determinante das condições materiais e a concepção dialética da história, a hipótese que conjuga este estudo é de que, no neoliberalismo, o Capital soma esforços para estabelecer um afastamento entre os sujeitos e os temas da grande política e, para tanto, espetaculariza o terreno da pequena política. O presente artigo, desse modo, é guiado por importantes chaves gramscianas - como a hegemonia, a busca por consenso e a ideia de intelectual - ao tratar da realidade neoliberal, do espetáculo e da corrupção como retórica. Além disso, analisa-se como a lógica do Espetáculo, cunhada por Debord, dificulta a ação política, no contexto neoliberal, e corrobora para a aceitação de retóricas como a da própria corrupção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Abi-Chahin de Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bacharel em Ciência Política pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Participou do programa de Iniciação Científica por duas vezes, sendo a primeira com o tema de Esquerdas na América Latina e a segunda sobre Estado e Grupos econômicos. Além disso, atuou como voluntária do projeto Política nas Escolas (PET) e foi monitora da disciplina Representação política. Possui interesse nas áreas de Economia, Direitos Humanos, Políticas Públicas, Marxismo e Estado, Movimentos Sociais, Feminismo e Organizações Internacionais. Pela mesma instituição, possui participação no Grupo de pesquisa Estado, grupos econômicos e políticas públicas (ECOPOL) e no grupo de estudos marxianos (GMARX). Através da mobilidade acadêmica, concluiu seus estudos em Université Paris Nanterre (Paris X), onde pode estudar com Christian Laval e Pierre Dardot sobre Capitalismo, Neoliberalismo e Democracia.

Referências

ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir (Org.). Pós-neoliberalismo : as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1995.

BIANCHI, Álvaro. A guerra que estamos perdendo. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

BOITO, Armando. Estado e burguesia no capitalismo neoliberal. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 28, p. 57-73, jun. 2007.

BRETON, Philippe. A argumentação na comunicação. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1998.

COUTINHO, Carlos Nelson. Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. Rio de Janeiro: Boitempo, 2010.

BRASIL. Lei número 11.079, de 30 de Dezembro de 2004. Disponível em: www.planalto.gov.br .Acesso em: 29 de Maio de 2018.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: Um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

COUTINHO, Carlos Nelson. La societàcivile in Gramsci e ilBresiledioggi. In: Relazionepresentataallá Il Conferência Internacional de Estudios Gramscianos. Puebla: UAP, 2000.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEBORD, Guy.A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DRAIBE, Sonia. As políticas sociais e o neoliberalismo. São Paulo: Revista USP, 1993.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: Teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV/ Editora UFRJ, 2010.

FONTES, Virgínia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo v.5, n.8, jan/jun 2017.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, v.III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

HARVEY, David. O Neoliberalismo: História e Implicações. São Paulo, Edições Loyola, 2008.

KLEIN, Naomi. Choque: A ascensão do capitalismo de desastre. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira S.A, 2007.

LIMA, Carlos Marcio Campos; COELHO, Antonio Carlos. Alocação e mitigação dos riscos em parcerias público-privadas no Brasil. Rio de Janeiro: Revista de Adm. Pública, 2015.

MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

MOTTA, Vânia. Ideologia do capital social. Rio de Janeiro: eduerj, 2012.

RECH, Hildemar. Slavoj Zizek: Real, Fantasia, Objetos sublimes da Ideologia, ato político e educação. São Paulo: Revista Dialectus Ano 1 n.2, 2013.

SOUZA, Marcelo Lopes. Apresentação. Cidades Sitiadas. São Paulo: Boitempo, 2016.

TREIN, Sérgio Roberto. A retórica da corrupção: os neologismos propagandísticos utilizados para denunciar a corrupção no Governo Lula, em 2005. Bocc: 2006.

Downloads

Publicado

01/01/2018

Como Citar

FERREIRA, F. A.-C. de O. A retórica despolitizante da corrupção e a dialética da grande e pequena política: uma narrativa sobre o espetáculo neoliberal. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 7, n. 1, p. 49–67, 2018. DOI: 10.29373/semaspas.unesp.v7.n1.jan/jun.2018.11850. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/11850. Acesso em: 24 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos