Memória, trauma e identidade: trajetórias na irmandade de narcóticos anônimos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v8i1.12476

Palavras-chave:

Narcóticos anônimos (NA), Dependência química, Memória, Trauma.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo investigar como os membros da irmandade de Narcóticos Anônimos lidam com a questão da memória, do trauma e do tratamento. O trauma é ressignificado, proporcionando a reconstrução das identidades sociais dos membros, através de um processo onde a chave para a recuperação, segundo essa visão, passa pela narrativa e pelo sentimento de pertencimento e identificação com o grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodolfo Ferreira da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro - Brasil

Docente de História e Sociologia. Mestrando em Ciências Sociais (UERJ).

 

 

Referências

BURROUGHS, William S. Junky: drogado. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

HALBWACHS, Maurice. Les cadres sociaux de la mémoire. Paris: F. Alcan, 1925.

HALBWACHS, Maurice. La mémoire collective. Paris: Presses Universitaires de France, 1968.

HARTMAN, Geoffrey H. Holocausto, testemunho e trauma. In: NESTROVSKi, A.; SELIGMANN-SILVA, M. (Orgs.) Catástrofe e Representação. São Paulo: Escuta. p. 207-235, 2000.

NARCOTICS ANONYMOUS WORLD SERVICES. Bem-Vindo a Narcóticos Anônimos. IP n. 22. Traduzido e impresso por Narcotics Anonymous World Services, Inc. 1993. Disponível em: www.na.org/admin/include/spaw2/uploads/pdf/ips/br/PB3122.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

NARCOTICS ANONYMOUS WORLD SERVICES. Miracles Happens. The Birth of Narcotics Anonymous in Words and Pictures. Chatsworth, California. Traduzido e impresso por Narcotics Anonymous World Services, 2002.

NARCOTICS ANONYMOUS WORLD SERVICES. Texto básico de narcóticos anônimos. Traduzido e impresso por Narcotics Anonymous World Services, Inc. 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE: Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Tradução: Dorgival Caetano, 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15. Disponível em: http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf. Acesso em: 19 abril 2019.

RAMBO, Lewis R. Understanding Religious Conversion. Ed. Yale University, 1993.

SANTOS, Myrian. Sobre a autonomia das novas identidades coletivas: alguns problemas teóricos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 38, p. 151-165, out. 1998. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69091998000300010. Acesso em: 20 abr. 2019.

SANTOS, Myrian; ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. História, memória e esquecimento: Implicações políticas. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 79, p. 95-111, dez. 2007. Disponível em https://www.ces.uc.pt/publicacoes/rccs/artigos/79/RCCS79-095-111-MPNascimento-MSepulveda.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

SANTOS, Myrian. (2013). Memória coletiva, trauma e cultura: um debate. Revista USP, n. 98, p. 51-68, ago. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i98p51-68. Acesso em: 20 abr. 2019.

SELIGMANN-SILVA, Marcio. 2000. A história como trauma. In: NESTROVSKI, A.; SELIGMANN-SILVA, Márcio. (Orgs.). In: Catástrofe e Representação. São Paulo: Escuta, p. 73-98, 2000.

Publicado

01/07/2019

Como Citar

SILVA, R. F. da. Memória, trauma e identidade: trajetórias na irmandade de narcóticos anônimos. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 8, n. 1, p. 74–87, 2019. DOI: 10.29373/sas.v8i1.12476. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/12476. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos