O “pós-colonial” como categoria de análise sociológica das literaturas palopianas: possibilidades e limites

Marco Aurelio de Oliveira Leal

Resumo


O objetivo do artigo é colocar em questão os limites e as possibilidade dos aportes teóricos "pós-coloniais" para a análise sociológica das literaturas produzidas em língua portuguesa, com especial enfoque em África.  Mostra o delineamento da noção de "pós-colonial" não apenas em seu âmbito geral, mas aplicada principalmente ao campo da literatura, em especial da literatura produzida em língua portuguesa, apontando limites e possibilidades quanto ao uso da referida categoria para uma análise sociológica dos países africanos de língua oficial portuguesa. No campo das possibilidades se encontra uma nova forma de ver o mundo a partir de lugares ainda considerados periféricos pelo norte global, já com relação aos limites, através da trajetória de Inocência Mata, questiona-se se tal categoria não tenderia a reproduzir aspectos próprios da colonialidade, uma vez que a África continua a ser analisada a partir de seu processo colonizador.


Palavras-chave


Pós-colonial; Sociologia da literatura; Moçambique; Língua portuguesa.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


APPIAH, Kwami Anthony, 1997. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto.

BALESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. In: Revista Brasileira de Ciência Política, n.11, mai./ago. 2013.

BOKOLO, Elikia. 2017. História e historiografia africana. Revista de Teoria da História, v. 18, n. 2, p. 267-288. Entrevista concedida a Marcello Felisberto Morais de Assunção.

BORGES, Antonádia et al. 2015. Pós-Antropologia: as críticas de Archie Mafeje ao conceito de alteridade e sua proposta de uma ontologia combativa. In: Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 30, n. 2.

CASIMIRO, Isabel; CRUZ E SILVA, Teresa. Uma escola de conhecimento social: o CEA e as ciências sociais em Moçambique. Entrevista concedida à Eliane Veras e Remo Mutzenberg, Maputo, 2011. (Transcrição).

COSTA, Sérgio. "(Re)Encontrando-se nas redes? As ciências humanas e a nova geopolítica do conhecimento." In: ALMEIDA, Júlia, MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia e GOMES, Heloisa Toller (Orgs). Crítica pós-colonial: panorama de leituras contemporâneas. 1ª ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

HAMILTON, R. P. A literatura dos PALOP e a teoria pós-colonial. Via Atlântica, n. 3, 1999, p. 12-22.

LUGARINHO, Mário César. Entrevista com Inocência Mata. ContraCorrente: Revista de Estudos Literários e da Cultura, n. 7, 2015, p. 228-235.

KANDJIMBO, Luís, 2001. O Endógeno e o Universal na Literatura Angolana. Disponível em: http://www.nexus.ao/kandjimbo/SEMINARPAR.pdf.

KANDJIMBO, Luís. Para uma crítica dos estudos pós-coloniais (Contra os Cânone ocidental, outros cânones e globalética). In GARCÍA, F.; MATA, I. (Orgs.). Pós-colonial e pós-colonialismos: propriedades e apropriações de sentido. Rio de Janeiro: Dialogarts publicações 2016.

MATA, I. “Literatura” In SANSONE, L; FURTADO, C. A. Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador Edufba / Publicações ABA, 2014.

MATA, I. A crítica literária africana e a teoria pós-colonial: um modismo ou uma exigência? In: A literatura africana e a crítica pós-colonial: reconversões. Luanda, Editoria Nzila, 2007.

MATA, I. Localizar o "Pós-Colonial". In GARCÍA, F.; MATA, I. (Orgs.). Pós-colonial e pós-colonialismos: propriedades e apropriações de sentido. Rio de Janeiro: Dialogarts publicações, 2016. p. 32-50.

MATA, Inocência, 2014. Estudos pós-coloniais: Desconstruindo genealogias eurocêntricas. Civitas, Porto Alegre v. 14, n. 1, p. 27-42.

MENDONÇA, Fátima. Em busca de uma identidade: literatura, nação e mestiçagem em Moçambique. Entrevista concedida à Eliane Veras, Lisboa, 2012. (Transcrição).

MENESES, Maria Paula. A configuração da colonialidade do saber: questionando o sentido da descolonização a partir de Moçambique. In GARCÍA, F.; MATA, I. (Orgs.). Pós-colonial e pós-colonialismos: propriedades e apropriações de sentido. Rio de Janeiro: Dialogarts publicações, 2016.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Edicionesdel Signo, 2010.

NEWITT, Malyn. História de Moçambique. Lisboa, Mem Martins, 2012.

NOA, Francisco. Surget et Ambula: literatura e (des)construção da nação. Estudos de Sociologia, (Recife), número 20, v. 2, jan./dez. 2014, p. 341-369. (Entrevista concedida a Eliane Veras e Remo Mutzenberg).

POLAR, Antônio Cornejo. O Condor Coa: literatura e Cultura na América Latina. Organização de Mario Valdés. Belo horizonte. Editora da UFMG, 2000.

SAMO, Graça. Desafios para o movimento de mulheres em Moçambique. Entrevista concedida a Remo Mutzenberg, Maputo, 2011. (Transcrição).

SOARES, E.V. Embora lidando com literatura, você está fazendo sociologia. Civitas, v. 14, n. 1, 2014a, p. 81-92.




DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v8i1.12694



 

 

Rev. Sem Aspas, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN  2358-4238

DOI Prefix: 10.29373/semaspas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.