Reflexões acerca do corpo e da sexualidade da mulher na dança oriental: comparativos entre Brasil-Egito sob a ótica foucaultiana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v9i1.14268

Palavras-chave:

Corpo, Dança, Poder, Sexualidade.

Resumo

A arte se classifica por meio dos tempos, desde os mais remotos, nas mais distintas características artísticas, como forma de se olhar o mundo. Dentre as artes mais apreciadas, a arte da dança, presente desde as mais antigas civilizações, perdura nos tempos modernos, encantando gerações. Por meio da dança, seja qual for o estilo, fala-se, escreve-se, desenha-se, sonha-se, utilizando o corpo. A arte da dança potencializa as experiências corporais nas diferentes organizações sociais. A sua importância se faz vigente em cada época da história e é tão singular que se modifica e se transforma, seguindo presente desde as mais antigas civilizações. Pretende-se oportunizar ao sujeito no campo das sensibilidades, a partir da dança, permitindo-o a vivenciar uma experiência cognitiva/afetiva proporcionando disrupção no modo de ler/pensar e agir, sobre si, o outro e o mundo de forma ética e reflexiva. Deste modo, a referente pesquisa qualitativa buscou analisar as semelhanças e diferenças do corpo e da sexualidade da mulher na dança oriental no Brasil e no Egito por meio da análise temática. Os resultados esperados sinalizam para uma melhoria dos modos de dançar de forma prazerosa e crítica com maior envolvimento emocional, sinalizam a criação do ambiente de espontaneidade e criatividade permitindo-o a se embrenhar pela linguagem corporal, possibilita construção e reconstrução do olhar, a estimulação da imaginação, autoafirmação e autonomia, além de se habituar à existência de convivência de forma. Nesse sentido, a arte pode ser inovadora ao se desdobrar para um projeto de vida, na (re)construção de novas subjetividades, impactando novos modos de existência.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutoranda em Educação Escolar. Integrante do Núcleo de Estudos da Sexualidade (NUSEX).

Vanessa Cristina Scaringi, Prefeitura Municipal de Rio Claro, Rio Claro – SP

Professora de Ensino Fundamental I. Mestrado em Educação (UNESP).

Referências

BRASIL. Lei n. 8.313, de 23 de dezembro de 1991. Lei Federal de Incentivo à Cultura. Restabelece princípios da Lei n. 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. Brasília, 24 dez. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8313cons.htm. Acesso em: 12 de fev. 2018.

BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: história de deuses e heróis. Trad. David Jardim Jr. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 2002.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

CORBAIN, A.; COURTINE, J.; VIGARELLO, G. História do corpo: da renascença às luzes. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2008.

DELEUZE, G. A imagem-movimento. Trad. Stella Senra. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2017.

DOURADO, H. A. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Ed. 34, 2004.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2013.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2013.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FURLANI, J. Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

GIFFONI, M. A. C. Danças da Ásia, África e Oceania. São Paulo: Nobel, 1974.

GOMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

GREGOLIN, M. do R. V. Análise do discurso: os sentidos e suas movências. In: GREGOLIN, M. do R. V. et al. (org.). Análise do discurso: entornos do sentido. Araraquara: UNESP, Laboratório Editorial; São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2001.

MAINGUENEAU, D. Discurso e análise do discurso. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

MICHAELIS. Dicionário de Língua Portuguesa. 2009. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/. Acesso em: 12 de fev. 2018.

MIEL, L. de. Borbulhas de dança: mundo encantado, estranhos prazeres, profundos conflitos. Santa Catarina: Clube de Autores, 2019.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

SHARKEY, S. Resgatando a feminilidade: expressão e consciência corporal pela dança do ventre. São Paulo: Scortecci Editora, 2002.

TRAUNECKER, C. Os deuses do Egito. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995.

VIANNA, K. A dança. São Paulo: Summus Editorial, 2005.

Publicado

30/09/2020

Como Citar

Monteiro, S. A. de S., & Scaringi, V. C. (2020). Reflexões acerca do corpo e da sexualidade da mulher na dança oriental: comparativos entre Brasil-Egito sob a ótica foucaultiana. Revista Sem Aspas, 9(1), 156–169. https://doi.org/10.29373/sas.v9i1.14268

Edição

Seção

Artigos