O circuito na etnomusicologia urbana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v9i2.14706

Palavras-chave:

Etnomusicologia, Antropologia urbana, Circuito como categoria analítica

Resumo

O estudo antropológico na cena urbana possui peculiaridades em relação aos estudos realizados em comunidades tradicionais. Na paisagem urbana os grupos se inserem em contextos mais amplos dentro de redes complexas com inúmeras interações e significados. José Guilherme C. Magnani (2005) buscou uma forma de análise em que considera os atores sociais com suas especificidades e o espaço no qual atuam, sendo este último produto e fator determinante da prática social, e não simples cenário. Magnani formulou categorias de análise a partir dessa ideia de se considerar o espaço como elemento passível de estudo. Neste trabalho buscamos uma análise das contribuições metodológicas que a utilização do conceito de circuito pode trazer à pesquisa etnomusicológica urbana, especificamente no estudo de contextos juvenis que envolvam a música popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Souza Soares, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Belo Horizonte – MG

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Música.

Referências

ARROYO, M. (Org.). Jovens e música: um guia bibliográfico. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

CORTÉS, T. A. Subcultura, contracultura, tribus urbanas y culturas juveniles: ¿homogenización o diferenciación? Revista Argentina de Sociología, Ano 6, n. 11, 2008.

FEIXA, C. Los estudios sobre culturas juveniles en España – 1960-2004. Revista de Estudios de Juventud, Madrid, n. 64, mar. 2004.

HOBSBAWM, E. A era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das letras, 1995.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

MAGNANI, J. G. C. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. RBCS, v. 17, n. 49, 2002.

MAGNANI, J. G. C. Introdução- circuito de jovens. In: MAGNANI, J. G. C.; SOUZA, B. M. (Org.). Jovens na metrópole: etnografias de circuitos de lazer, encontro e sociabilidade. São Paulo: Ed. Terceiro Nome, 2007. p. 15-22.

MAGNANI, J. G. C. O circuito dos jovens urbanos. Tempo social, v. 17, n. 2, 2005.

MAGNANI, J. G. C. O circuito: proposta de delimitação da categoria. Ponto Urbe, n. 15, 2014. Consultado em 28 de junho de 2018. DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.2041

SHUKER, R. Vocabulário de música pop. Trad. Carlos Szlak. 1. ed. São Paulo: Hedra, 1999.

Publicado

01/03/2021

Como Citar

SOARES, N. S. O circuito na etnomusicologia urbana. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 9, n. 2, p. 220–230, 2021. DOI: 10.29373/sas.v9i2.14706. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/14706. Acesso em: 29 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos