O contexto da reinserção das autoridades tradicionais na governação moçambicana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v10i00.15463

Palavras-chave:

Reinserção, Autoridades tradicionais, Autoridades governamentais, Governação

Resumo

Pretende-se descortinar a real motivação da reinserção das autoridades tradicionais na governação moçambicana, aliás, em um passado não longínquo, essas autoridades tinham sido banidas pelas autoridades governamentais, foram consideradas de obscurantistas, retrógradas e colaboradoras do regime opressor colonial. Com a introdução da democracia em Moçambique, as autoridades tradicionais foram reinseridas na governação. Porém, a referida reinserção é caraterizada por avanços e recuos, constatadas a partir de aprovações, revogações e ambiguidade de instrumentos jurídicos sobre a matéria. Esta atitude evidencia que por detrás da reinserção das autoridades tradicionais na governação, haja camuflagens. Na verdade, as autoridades governamentais atrelam-se nestas autoridades em períodos eleitorais, devido ao seu papel mobilizador junto de suas comunidades. Para a materialização da pesquisa, foi aplicado o método bibliográfico, onde foram consultadas diversas normas jurídicas e obras bibliográficas de acadêmicos nacionais e internacionais e também a partir de observação direta dos fatos no cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felizardo Masseko, Escola Secundária de Muatala, Nampula – Moçambique

Docente na Escola Secundária de Muatala. Mestrado em Ciências Políticas e Estudos Africanos pela Universidade Pedagógica de Moçambique.

Referências

BAPTISTA, I. L. Partidos políticos: A leitura da vertente étnico-regional no processo democrático. In: MAZULA, Brazão. (org.). Democracia, eleições e desenvolvimento. Maputo, 1995. Cap. 3, p. 423-471.

BUUR, L.; KYED, H. M. State Recognition of Traditional Authority in Mozambique. Uppsala: Nordiska Afrikainstitutet, 2005. Disponível em: https:// www.files.ethz.ch › isn. Acesso em: 08 jun. 2021.

CROOK, R. The role of traditional institutions in political change and development. Accra, 2005. Disponível em: http:// www.odi.org › resources › docs. Acesso em: 08 jun. 2021.

FORQUILHA, S. C. O. Paradoxo da Articulação dos Órgãos Locais do Estado com as Autoridades Comunitárias em Moçambique: Do discurso sobre a descentralização à conquista dos espaços políticos a nível local. Cadernos de Estudos Africanos, Lisboa, n. 16-17, p. 89-114, jul. 2009. Disponível em: http://journals.openedition.org/cea/187. Acesso em: 10 jun. 2021.

GIDDENS, A. O mundo na era da globalização. 4. ed. Lisboa: Presença, 2002.

JOSÉ, A. C. Autoridades Ardilosas e Democracia em Moçambique. Maputo, 2005.

LOURENÇO, V. A. Entre Estado e Autoridades Tradicionais em Moçambique: Velhas Aporias ou Novas Possibilidades Políticas. Revista Lusófona de Ciência Política e Relações Internacionais, Lisboa, n. 5-6, p. 195-207, 2007. Disponível em: https://repositorio.iscte-iul.pt › bitstream. Acesso em: 10 jun. 2021.

LOURENÇO, V. A. Estado, Autoridades Tradicionais e Transição Democrática em Moçambique: Questões teóricas, dinâmicas sociais e estratégias políticas. Cadernos de Estudos Africanos, Lisboa, n. 16-17, p. 115-138, jul. 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/cea/189. Acesso em: 10 jun. 2021.

LOURENÇO, V. A. Moçambique: Memórias sociais de ontem, dilemas políticos de hoje. 2. ed. Lisboa: Gerpress, 2010.

MENESES, M. P. Traditional Authorities in Mozambique: Between legitimisation and legitimacy. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 2005. Disponível em: http:// estudogeral.uc.pt › handle. Acesso em: 09 jun. 2021.

MENESES, M. P. Velhos e novos desafios ao direito e à justiça. Poderes, direitos e cidadania: O retorno das autoridades tradicionais em Moçambique. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 87, p. 9-42, out. 2009. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/1428. Acesso em: 10 jun. 2021.

MOÇAMBIQUE. Constituição da República Popular (1975). Maputo: Cegraf, 1978.

MOÇAMBIQUE. Lei n. 3/94 de 13 de Setembro. Lei dos Municípios. Maputo: Imprensa Nacional, 1994.

MOÇAMBIQUE. Lei n. 2/97 de 18 de Fevereiro. Lei sobre as Autarquias Locais. Maputo: Imprensa Nacional, 1997.

MOÇAMBIQUE. Lei n˚19/97, de 1 de Outubro. Lei de terras. Maputo: Imprensa Nacional, 1997.

MOÇAMBIQUE. Decreto 15/2000 de 20 de Junho. Estabelece as formas de Articulação dos Órgãos Locais de Estado com as Autoridades Comunitárias. Maputo: Imprensa Nacional, 2000.

MOÇAMBIQUE. Diploma Ministerial nº 80/2004 de 14 de Maio. Regulamento de Articulação dos Órgãos das Autarquias Locais e com as Autoridades Comunitárias. Maputo: Imprensa Nacional, 2004.

MOÇAMBIQUE. Constituição da República (2004). Maputo: Imprensa Nacional, 2011.

MOÇAMBIQUE. Decreto 35/2012 de 5 de Outubro. Estabelece as formas de Articulação dos Órgãos Locais de Estado com as Autoridades Comunitárias. Maputo: Imprensa Nacional, 2012.

MOCUMBI, P. O principal objetivo para Moçambique e a África Austral é a afirmação da sua identidade. In: ZACARIAS, A. Repensando estratégias sobre Moçambique e África Austral. Maputo: Instituto Superior de Relações Internacionais, 1991. Cap. 20, p. 381-388.

MOREIRA, A. Ciência Política. 6. ed. Coimbra: Almedina, 2006.

NGOENHA, S. E. Para uma reconciliação entre a política e a cultura. Maputo: Paulinas, 1997.

NKRUMAH, K. A África deve unir-se. Lisboa: Terceiro Mundo e Revolução, 1983.

ORRE, A. J. Fantoches e Cavalos de Tróia? Instrumentalização das Autoridades Tradicionais em Angola e Moçambique. Caderno de Estudos Africanos, Lisboa, n. 16/17, p. 139-178, jun. 2009.

PARTIDO FRELIMO. Directivas económicas e sociais do IV Congresso. Defender a pátria, vencer o subdesenvolvimento, construir o socialismo. 3 ed. Maputo: Cegraf, 1983.

Downloads

Publicado

29/12/2021

Como Citar

MASSEKO, F. O contexto da reinserção das autoridades tradicionais na governação moçambicana. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 10, n. 00, p. e021011, 2021. DOI: 10.29373/sas.v10i00.15463. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/15463. Acesso em: 26 jan. 2022.