Pela(s) via(s) da multiplicidade: desnaturalizando a noção de criminalidade e problematizando nossas práticas

Autores

  • Ilana Côrtes dos Santos Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora http://orcid.org/0000-0003-3030-1595
  • Poliana dos Santos Cordeiro Doutora pela Universidade Federal Fluminense em Estudos de Subjetividade Professora da Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora

DOI:

https://doi.org/10.29373/semaspas.v19n1.2017.9896

Palavras-chave:

Desnaturalização. Direitos Humanos. Periculosidade.

Resumo

Este artigo apresenta discussões sobre a criminalidade e suas relações com as práticas contemporâneas. Nesse sentido, pensar na criminalidade impele-nos, prioritariamente, a exercermos um pensamento a partir do qual movimentos de desnaturalização e de problematização possam ser feitos, viabilizando a produção de um deslocamento em relação aos discursos e olhares que, hegemonicamente, buscam enfatizar essa discussão apenas a partir de um viés moralizante, dicotômico, punitivo, a-histórico e sem qualquer potência política. Mostramos, então, um tipo de tessitura que faz com que os temas da criminalidade e da produção da periculosidade sejam pensados numa correlação intensa e pulsante entre a discussão sobre a manutenção de certas relações de poder, assim como entre alguns aspectos da produção de controle social no presente. Consideramos ainda as interferências que o campo dos Direitos Humanos pode trazer para essa discussão, afirmando os direitos humanos a partir de seu entrelaçamento com a ética e a multiplicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilana Côrtes dos Santos, Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora

Graduanda de Psicologia na Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora

Poliana dos Santos Cordeiro, Doutora pela Universidade Federal Fluminense em Estudos de Subjetividade Professora da Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora

Doutora pelo programa de Pós-Graduação em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF) com área de concentração Estudos da Subjetividade. Defendeu a tese intitulada "Cartas para uma escrita a perigo: ensaios, arranjos e ficções". Mestre em Psicologia pelo programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Fluminense (UFF) que tem como área de concentração Estudos da Subjetividade. Sua dissertação "Poéticas do Urbano: estampidos produzidos no encontro entre cidade, literatura e subjetividade" vinculou-se à linha de pesquisa "Subjetividade, Política e Exclusão Social". Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2008). Tem experiência na área de Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: subjetividade; cidade; literatura; ensino-aprendizagem inventiva; atividade docente. Atualmente é professora da Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora - Macaé R.J.

Referências

BAPTISTA, L. A. A atriz, o padre e a psicanalista: os amoladores de facas. In: BAPTISTA, L. A. A cidade dos sábios. São Paulo: Summus, 1999. p. 45-51.

BICALHO, P. P. G. et al. Formação em psicologia, direitos humanos e compromisso social: a produção micropolítica de novos sentidos. Boletim Interfaces da Psicologia da UFRRJ, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 20-35, dez. 2009.

BRÍGIDO, E. I. Michel Foucault: uma análise do poder. Revista Direito Economia Socioambiental, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 56-75, jan./jun. 2013.

CHUMBO, C. Desilusão: racismo....chega. Luso Poemas, [20--]. Disponível em: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=16885. Acesso em: 31 out. 2017.

COIMBRA, C. M. B. Direitos humanos e criminalização da pobreza. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS, VIOLÊNCIA E POBREZA: SITUAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA AMÉRICA LATINA HOJE, 1., 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: [S.l.], 2006. p.01-13. Disponível em: http://www.observasmjc.uff.br/psm/uploads/Direitos_Humanos_e_Criminaliza%C3%A7%C3%A3o_da_Pobreza.pdf. Acesso em: 01 nov. 2017.

COIMBRA, C. M. B. Produção do medo e da insegurança. 1997. Disponível em: http://www.slab.uff.br/psm/uploads/texto64.pdf. Acesso em: 22 abr. 2017.

COIMBRA, C.; LEITÃO, M. B. Direitos humanos e a construção de uma ética militante. Revista Brasileira de Direito Constitucional, [S.l.], n.09, p.165-177, jan./jun. 2007.

COUTO, M. Há quem tenha medo que o medo acabe. [Fala proferida na] Conferência de Estoril, Portugal, 2011. Disponível em: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-h%C3%A1-quem-tenha-medo-que-o-medo-acabe. Acesso em: 01 nov. 2017.

DAHMER, A. Tirinha “Malvados”. Mindnet, [20--]. Disponível em: <http://www.malvados.com.br/>. Acesso em: 05 maio 2017.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 23.ed. São Paulo: Graal, 2004.

FOUCAULT, M. Por uma vida não fascista. Prefácio ao “Anti-Édipo”. In: ESCOBAR, C. H. (Org.). Dossiê Deleuze. Rio de Janeiro: Hólon Editorial, 1991. p. 81-84.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório de assassinatos de LGBT no Brasil em 2016. Salvador, [20--]. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf. Acesso em: 04 maio 2017.

INSITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]. Atlas da violência. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/1/2016. Acesso em: 30 out. 2017.

PRADO, K. Verbete desnaturalizar. In: FONSECA, T. M. G.; NASCIMENTO, M. L.; MARASCHIN, C. Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p.73.

RAUTER, C. M. B. O medo à criminalidade como fenômeno da contemporaneidade brasileira: controle social e rebelião. 2012. Tese professor titular – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/229953882/Do-Medo-a-Criminalizacao-Tese-Rauter. Acesso em: 31 out. 2017.

REISHOFFER, J. C.; BICALHO, P. P. G. A insegurança e produção de subjetividade do Brasil contemporâneo. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 21, n. 2, p.425-444, 2009.

REVEL, J. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

TIDBALL-BINZ, M. Direitos humanos e sofrimento mental. In: LANCETTI, A. (Org.). et al. Psicologia, direitos humanos e sofrimento mental. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999. p. 11-21.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

SANTOS, I. C. dos; CORDEIRO, P. dos S. Pela(s) via(s) da multiplicidade: desnaturalizando a noção de criminalidade e problematizando nossas práticas. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 6, n. 1, p. 41–55, 2017. DOI: 10.29373/semaspas.v19n1.2017.9896. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/9896. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos