Escolhendo escolher: motivos e expectativas com relação ao casamento

Alessandra Alves Macedo

Resumo


A escolha do parceiro na vida adulta é considerada uma das únicas escolhas que é feita com liberdade, no entanto, carregada de expectativas sociais, pessoais, familiares e também motivadas por aspectos subjetivos (ANTON, 2002). Este trabalho busca descrever como no processo de escolha do cônjuge, aspectos familiares estão direta ou indiretamente envolvidos. Foi realizada entrevista semiestructurada a sete mulheres em seu primeiro ano de casamento. Os dados foram analisados conforme Análise de Conteúdo. Foram escolhidas três categorias: Família de Origem; Casamento; e Religião. As participantes possuem uma visão de como foi a escolha realizada por elas, com livre direito de escolha, mesmo assim, foram influenciadas pelas crenças e valores das famílias de origem. Em seu primeiro ano de união, demonstram boa experiência no casamento, e têm construído um relacionamento baseado em diálogos, apesar de “ditos e não ditos” da família de origem e sociedade.


Palavras-chave


Escolha do cônjuge. Casamento. Mitos familiares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA PRADO, M. C. C. Destino e mito familiar: uma questão na família psicótica. Rio de Janeiro: Casa do Psicólogo, 1999

ANDOLFI, M. CLAUDIO, A.; SACCU, Carmine. O casal em crise. São Paulo: Summus, 1995.

ANDOLFI, Maurizio.; ANGELO, Claudio. Tempo e mito em psicoterapia familiar. Porto Alegre: Artes Medicas, 1989.

ANDOLFI, Maurizio. A crise do casal: uma perspectiva sistêmica relacional. Tradução: Lauro Kahl, Gioovanni Menegoz. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ANTON, I. C. Homem e mulher: seus vínculos secretos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

ANTON, I. C. A escolha do cônjuge: um entendimento sistêmico e psicodinâmico. Porto Alegre: Artmed, 2012.

ARON, A.; ARON, E.; TUDOR, M.; NELSON, G. Close Relationships as Including Other in the Self. Journal of Personality and Social Psychology, 60 (2), 241-253, 1991.

BAGAROZZI, D. A.; ANDERSON, S. A. Mitos personales, matrimoniales y familiares: formulaciones teóricas y estratégias clinicas. Buenos Aires: Ediciones Paidós Ibérica, 1996.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARICH, R. R.; BIELBY, D. Rethinking Marriage: change and statibility in expectations. Journal of Family Issues, 17, 139-169, 1996.

BEE, H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BOWEN, M. De la família ao individuo. Barcelona, España: Paidós, 1991. (Original publicado em 1979).

BOWLBY, J. Uma base segura: Aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1989.

BOWLBY, J. A natureza do vínculo. São Paulo: Martins Fontes. 2009.

BURGESS, E.; HARVEY, L. The Family. From Instituition to Companionship. New York: American Book Company. 1945.

CARRASCO, L. K. Por que casamos com quem casamos? Porto Alegre, EDIPUCRS, 2003.

CARTER, B.; MCGOLDRICK, M. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ERIKSON, E. H. (1994). Identity: youth and crisis. New York: WWNorton.

CERVENY, C. M. O. A família como modelo. São Paulo: Livro Pleno.2001.

DARE, C.; PINCUS, L. Secrets in the family. London: Faber and Faber, 1978.

FEINSTEIN, D. E.; KRIPPNER, S. Mitologia pessoal. São Paulo: Cultrix. 1992.

FÉRES-CARNEIRO, T. Construção e dissolução do laço conjugal. In: T. Féres-Carneiro et al. Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2003, p. 210-214.

FÉRES-CARNEIRO, T.; NETO, O. D. Construção e dissolução da conjugalidade: padrões relacionais. Paidéia, v. 20, n. 46. Rio de Janeiro: Paidéia, maio-ago., p. 269-278, 2010.

FÉRES-CARNEIRO, T. Construção e dissolução do laço conjugal. In: FÉRES-CARNEIRO T. et al. Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2003, p. 210-214.

FERRARI, A. G.; PICCININI, C. A. Função materna e mito familiar: evidências a partir de um estudo de caso. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 13 (2), 243-257, 2010.

IMBER-BLACK, E. (Org.). Os segredos na família e na terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

KROM, M. Família e mitos, prevenção e terapia: resgatando histórias. São Paulo: Summus, 2000.

MARKSTROM-ADAMS, C. Attitudes on dating, courtship, and marriage: perspectives on in-group versus out-group relationships by religious minority and majority adolescents. Family Relations, Minneapolis, v. 40, n. 1, p. 91-96, 1991.

MARTINS, E. M. A.; RABINOCICH, E. P.; SILVA, C. N. Família e o processo de diferenciação na perspectiva de Murray Bowen: um estudo de caso. Psicologia, USP, 19, 181-197, 2008.

MEYER, L. Família – dinâmica e terapia (uma abordagem psicanalítica). São Paulo: Casa do Psicólogo. (Trabalho original publicado em 1983), 2002.

MCGOLDRICK, M.; GERSON, R. Genogramas en la evaluacion familiar (5. ed.). Barcelona, España: Gedisa, 2005. (Original publicado em 1985).

MIERMONT, J. (Org.). Dicionário de terapias familiares. (C. A. Molina-Losa, Trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1994. (Original publicado em 1987).

MINUNCHIN, S. Famílias: funcionamento e tratamento. J. A. Cunha, Trad. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990

MORRIS, C. G.; MAISTO, A. A. Introdução à psicologia. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

MOSMANN, C.; WAGNER A.; FÉRES-CARNEIRO, T. Qualidade conjugal: mapeando os conceitos. Ribeirão Preto: Paideia, 2006.

PITTMAN, F. Mentiras privadas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994

PRADO, M. do C. A. Destino e mito familiar: uma questão na família psicótica. São Paulo: Vetor, 2000.

RELVAS, A. P. O ciclo vital da família. Porto Alegre: Edições Afrontamento, 1996.

ROSSET, S. M. Compreensão relacional sistêmica dos mitos familiares. 1991. Disponível em: http://www.srosset.com.br/textos/mitos_familiares.html. Acesso em: 16 set. 2016.

ROSSET, S. M. O casal nosso de cada dia. Curitiba: Sol, 2004.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas, 1994.

WHITAKER, A. Dançando com a familia. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

WINCH, R.F. Mate-selection: a study of Complementary needs. New York: Harper and Row. 1958.

YALOM, M. A história da esposa: da virgem Maria a Madonna: O papel da mulher casada dos tempos bíblicos até hoje. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.




DOI: https://doi.org/10.26673/rtes.v13.n2.jul-dez.2017.10159



Temas em Educ. e Saúde, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN 2526-3471, ISSN 1517-7947

Prefixo DOI: 10.26673/rtes

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.