Crianças também se estressam? A influência do estresse no desenvolvimento infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v13.n1.jan-jun2017.8.10218

Palavras-chave:

Estresse. Infância. Modernidade. Estresse infantil.

Resumo

O estresse é uma reação do organismo com componentes psicológicos, físicos e hormonais que ocorre quando surge a necessidade de uma grande adaptação a um evento ou uma situação de importância, podendo esse ser algo negativo ou positivo, causado por inúmeros fatores do nosso cotidiano. Atualmente observamos que esta patologia também atinge as crianças: rotina intensa, pais estressados, relações parentais atravessadas pelas marcas afetivas do estresse. São fatores, dentre outros, que contribuem para o surgimento deste mal na infância. Ademais são raros os estudos que compreendem as características específicas da enfermidade na criança e quais as consequências para seu desenvolvimento. Frente a este contexto, os objetivos do presente estudo são caracterizar o estresse em seu contexto social e analisar seu impacto, sobretudo na infância, identificando possibilidades para auxiliar a lidar com este problema.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marsiel Pacífico, UEPG

É Professor Colaborador na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) na área de Estágio em Docência e Gestão Educacional. É membro pesquisador no grupo de pesquisa "LUME - Laboratório e Núcleo de Estudos em Mídia e Educação" (UEPG). Atua como supervisor no projeto de extensão "As crianças, a educação infantil e as práticas pedagógicas: entre o pensar e o fazer. Doutor em Educação (2013-2017) na linha de pesquisa do PPGE/UFSCAR "Educação, Cultura e Subjetividade", Mestre em Educação (2010-2012) na linha de "Filosofia, História e Sociologia da Educação" pela Universidade Federal de São Carlos onde também graduou-se em Pedagogia (2006-2009). Além disso é Especialista em Docência do Ensino Superior e Educação à Distância (FAVENI) e atualmente cursa a Especialização em Neuroeducação (Faculdades Campos Elíseos). Atuou nas instituições de ensino superior: UNIFRAN, Faculdades Campos Elíseos e UNESP/Araraquara; além de ter sido professor de ensino fundamental (2010-2012) e gestor escolar (2013-2017). 

Marcele Martins Provinciatti Facchin, CAMPOS ELÍSEOS

Diretora Escolar, Especialista em Neuropsicopedagogia

Fabiana de Fatima Ferreira Corrêa Santos, Campos Elíseos

Professora Campos Elíseos, Especialista em Neuropsicopedagogia

Referências

ARANTES, Maria Auxiliadora de Almeida Cunha.; VIEIRA, Mario Jose Femenias. Estresse: a sombra, o bom e o mau estresse. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

BIGNOTTO, Márcia Maria. O papel dos pais na prevenção do stress infantil. In: LIPP, M. E. N. Crianças estressadas: causas, sintomas e soluções. 4 ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. (M.A.V. Veronese, Trad.), Porto alegre: artes Médicas. (Original publicado em 1979), 1996.

CROZERA, Luiz Carlos. Estresse infantil. [s.d.]. Disponível em: <http://www.institutohipnologia.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=16:estresse-infantil&catid=6:gerais&Itemid=18>. Acesso em: 10 abril de 2017.

DELL’AGLIO, Débora Dalbosco.; HUTZ, Cláudio Simon. Estratégias de coping e estilo atribucional de crianças em eventos estressantes. Estudos de Psicologia, v. 7, p. 5-13, 2002.

EFRAIM, Carlos Costa et al. Percepções sobre o estresse entre professores universitários. Revista Rene. Fortaleza: v. 6, n.3, p. 39-47, set/dez. 2005.

GONZÁLEZ, Miguel Angel Álvarez. Stress: Temas de Psiconeuroendocrinologia. 2. ed. São Paulo: Robe Editorial, 2001.

HORTA, Ligia Ribeiro. Estresse infantil: Um estudo exploratório com pré-escolares. 2007. 145 p. Monografia (Pós-Graduação em Psicologia –Mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007.

JOHANSON, Martin.; LUNDBERG, Heléne. Network strategies for regional growth. New York: Palgrave Macmillan, 2011.

LIPP, Marilda Novaes. Crianças estressadas: causas, sintomas e soluções. São Paulo: Papirus, 2000.

LIPP, Marilda Novaes et al. Como enfrentar o stress infantil. São Paulo: Ed. Ícone, 1991.

LIPP, Marilda Novaes. Como enfrentar o estresse. São Paulo: Ícone Editora, 1990.

LUNDBERG, Ulrika et. al. Blood lipids as related to cardiovascular and Neuroendocrine functions under different conditions in healthy males and females: Pharmacol. Biochem. Behav, v. 33, p. 381, 1989.

MARGIS, Regina et al. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Rio Grande do Sul: abril, 2003.

MARTURANO, Edna Maria. Tensões Cotidianas na transição da primeira série: Um enfoque de desenvolvimento. Psicologia em estudo. Maringá, v. 13, n. 1, p. 79-87, jan./mar., 2008

MOMBELLI, Mônica Augusto et al. Estrutura e suporte familiar como fatores de risco de stress infantil. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 28, n. 3, p. 327- 335, julho/setembro, 2011.

RUTTER, Michael. Continuidades e descontinuidades entre gerações em sérias dificuldades parentais. Nova York: Cambridge University Pres, 1989.

SAMEROFF, Arnold Joshua. Human Development: Transactional models in early social relations, 1975.

SLEE, Phillip.; MURRAY-HARVEY, Rosalind.; WARD, Harry. Stressed Out & Growing Up. Every Child: School of Education, v. 2, n. 4, 1996.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

PACÍFICO, M.; FACCHIN, M. M. P.; SANTOS, F. de F. F. C. Crianças também se estressam? A influência do estresse no desenvolvimento infantil. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 13, n. 1, p. 107–123, 2017. DOI: 10.26673/rtes.v13.n1.jan-jun2017.8.10218. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/10218. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação