A construção do conhecimento sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica em um Curso de Medicina da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i2.13488

Palavras-chave:

Educação médica, Atenção primária à saúde, Hipertensão arterial sistêmica

Resumo

A criação do Sistema Único de Saúde (SUS) contribuiu para a reorientação da educação médica no Brasil. As Diretrizes Curriculares Nacionais para a graduação em medicina fortalecem a formação profissional na Atenção Primaria à Saúde (APS). O objetivo deste artigo foi correlacionar os componentes curriculares do curso de Medicina da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), a partir dos conhecimentos e práticas construídas sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Este estudo documental utilizou o software IRaMuTeQ para o processamento das informações, possibilitando a construção da nuvem de palavras e da árvore de similitude. Os resultados indicam que o processo ensino-aprendizagem da HAS é fragmentado, com os módulos de Habilidades e Tutorial buscando capacitar os estudantes para realizar procedimentos clínicos com base nas especialidades médicas, enquanto as Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade (PIESC) possibilitam a vivência da realidade do SUS nos ambientes da APS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadilla Laís Gomes Santiago, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana – BA

Graduando no Curso de Medicina. Bolsista de Iniciação Científica.

Marcelo Torres Peixoto, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana – BA

Docente no Departamento de Saúde. Doutor em Saúde Coletiva (UEFS).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n. 3. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n. 4. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília: Ministério da Educação, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37)

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 31 maio 2019.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Tutorial para uso do software IRaMuTeQ. Florianópolis: UFSC, 2018.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. Mudança na graduação dos profissionais de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1400-1410, 2004.

FRENK, J. et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, p. 1923-1958, 2010.

GOMES, R et al. Aprendizagem Baseada em Problemas na formação médica e o currículo tradicional de medicina: uma revisão bibliográfica. Rev. Bras. Educ. Med., Brasília, v. 33, n. 3, p. 444-445, 2009.

HORA, D. L. et al. Propostas inovadoras na formação do profissional para o sistema único de saúde. Trab Educ Saúde, Rio de Janeiro, v.11, n. 3, p. 471-486, 2013.

LIMA, V. V. et al. Desafios na educação de profissionais de Saúde: uma abordagem interdisciplinar e interprofissional. Interface, Botucatu, v. 22, supl. 2, p. 1549-1562, 2018.

MENDES, E. V. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: CONASS, 2015.

WFME. WORLD FEDERATION FOR MEDICAL EDUCATION. The Edinburgh Declaration. Med Educ, v. 22, p. 481-482, 1988.

Publicado

27/08/2020

Como Citar

SANTIAGO, N. L. G.; PEIXOTO, M. T. A construção do conhecimento sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica em um Curso de Medicina da Bahia. Temas em Educação e Saúde (Themes in Education and Health), Araraquara, v. 16, n. 2, p. 513–526, 2020. DOI: 10.26673/tes.v16i2.13488. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13488. Acesso em: 18 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos