A construção do conhecimento sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica em um Curso de Medicina da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i2.13488

Palavras-chave:

Educação médica, Atenção primária à saúde, Hipertensão arterial sistêmica

Resumo

A criação do Sistema Único de Saúde (SUS) contribuiu para a reorientação da educação médica no Brasil. As Diretrizes Curriculares Nacionais para a graduação em medicina fortalecem a formação profissional na Atenção Primaria à Saúde (APS). O objetivo deste artigo foi correlacionar os componentes curriculares do curso de Medicina da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), a partir dos conhecimentos e práticas construídas sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Este estudo documental utilizou o software IRaMuTeQ para o processamento das informações, possibilitando a construção da nuvem de palavras e da árvore de similitude. Os resultados indicam que o processo ensino-aprendizagem da HAS é fragmentado, com os módulos de Habilidades e Tutorial buscando capacitar os estudantes para realizar procedimentos clínicos com base nas especialidades médicas, enquanto as Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade (PIESC) possibilitam a vivência da realidade do SUS nos ambientes da APS.

Biografia do Autor

Nadilla Laís Gomes Santiago, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana – BA

Graduando no Curso de Medicina. Bolsista de Iniciação Científica.

Marcelo Torres Peixoto, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana – BA

Docente no Departamento de Saúde. Doutor em Saúde Coletiva (UEFS).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n. 3. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n. 4. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília: Ministério da Educação, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37)

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 31 maio 2019.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Tutorial para uso do software IRaMuTeQ. Florianópolis: UFSC, 2018.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. Mudança na graduação dos profissionais de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1400-1410, 2004.

FRENK, J. et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, p. 1923-1958, 2010.

GOMES, R et al. Aprendizagem Baseada em Problemas na formação médica e o currículo tradicional de medicina: uma revisão bibliográfica. Rev. Bras. Educ. Med., Brasília, v. 33, n. 3, p. 444-445, 2009.

HORA, D. L. et al. Propostas inovadoras na formação do profissional para o sistema único de saúde. Trab Educ Saúde, Rio de Janeiro, v.11, n. 3, p. 471-486, 2013.

LIMA, V. V. et al. Desafios na educação de profissionais de Saúde: uma abordagem interdisciplinar e interprofissional. Interface, Botucatu, v. 22, supl. 2, p. 1549-1562, 2018.

MENDES, E. V. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: CONASS, 2015.

WFME. WORLD FEDERATION FOR MEDICAL EDUCATION. The Edinburgh Declaration. Med Educ, v. 22, p. 481-482, 1988.

Downloads

Publicado

27/08/2020

Como Citar

Santiago, N. L. G., & Peixoto, M. T. (2020). A construção do conhecimento sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica em um Curso de Medicina da Bahia. Temas Em Educação E Saúde, 16(2), 513–526. https://doi.org/10.26673/tes.v16i2.13488