Competências curriculares para o letramento científico em saúde: potencialidades e limitações em uma Instituição Federal de Educação Profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i2.14095

Palavras-chave:

Letramento científico, Educação em saúde, Ensino médio integrado

Resumo

A pesquisa apresentada no presente trabalho teve como objetivo promover a análise acerca da inserção do letramento científico focado na a educação em saúde nos currículos dos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio do Instituto Federal de Brasília (IFB), para coleta de dados utilizou-se análise documental e para a avaliação optou-se pela técnica de análise de conteúdo. Pesquisou-se as competências relativas ao Letramento científico de caráter prático em saúde presentes nas componentes de ciências da natureza nos dezessete planos pedagógicos dos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio do IFB. Cinco planos de curso não apresentaram competências relativa ao LC para o ES. Os outros doze apresentaram competências que foram categorizadas da seguinte maneira: 1. Relação saúde/ambiente; 2. Estratégias de manutenção da saúde; 3. Avanços tecnológicos e saúde; 4. Saúde/Políticas e sociocultural. Verificou-se que a inclusão destas categorias de temas no currículo dos cursos técnicos integrados ao EM do IFB procura convergir para a formação cidadã através de estratégias de letramento que, primeiramente, são previstas no currículo dos cursos e depois materializadas no cotidiano escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli da Silva Costa, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas – SP

Pesquisadora Colaboradora do Laboratório de Genética Molecular Humana, do Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG). Pós-doutorado em Genética e Biologia Molecular (UNICAMP).

Mariana de Senzi Zancul, Universidade de Brasília (UnB), Brasília – DF

Docente no Núcleo de Educação Científica (NECBio) do Instituto de Ciências Biológicas. Doutorado em Alimentos e Nutrição (UNESP).

Referências

ALVES, V. S. Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família: pela integralidade da atenção e a reorientação do modelo assistencial. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v. 9, p. 39-52, fev. 2005.

APPLE, M. (Org). Ideologia e currículo. Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.

AYALA, F. J. Introductory essay: the case for scientific literacy. Paris: UNESCO, 1996.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRAGA, A. L. et al. Association between air pollution and respiratory and cardiovascular diseases in Itabira. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, supl. 4, p. 570-578, 2007.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de dezembro de 2017.

CASTORIADIS, C. Encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1987.

CERATI, T. M. Educação em jardins botânicos na perspectiva de alfabetização científica: análise de uma exposição e público. Orientador: Martha Marandino. 2014. 254 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CORTELLA, M. S. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 1998.

CUNHA, R. B. Alfabetização científica ou letramento científico? Interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 68, p. 169-186, 2017.

CURY, C. J. Educação e contradição. São Paulo: Cortez, 2000.

FALKENBERG, M.; MENDES, T. P. L.; MORAES, E. P.; SOUZA, E. M. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p.847-852, 2014.

FEINSTEIN, N. Salvaging science literacy. Science Education, Hoboken: John Wiley & Sons, v. 95, n. 1, p. 168-185, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação. São Paulo, UNESP, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de janeiro: Paz e terra, 1987.

GIROUX, H. A escola crítica e política cultural. São Paulo: Cortez e A.A., 1987.

HAMILTON, D. Sobre as origens do termo classe e curriculum. Teoria e Educação, Porto Alegre, v. 6, 1992.

KAUARK, F.; MANHÃES, F.; MEDEIROS, C. Metodologia de pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade. Petrópolis: Ed. Vozes, 2001.

MAINARD, N. Educação em saúde: problema ou solução? Orientador: Isabel Maria Teixeira Bicudo Pereira. 2010. 135 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

MARTINS, I. Educação em Ciências e Educação em Saúde: breves apontamentos sobre histórias, práticas e possibilidades de articulação. Revista Ciência e Educação, Bauru, v. 25, n. 2, p. 269-275, 2019.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Ed. Boitempo, 2005.

MONTEIRO, P. H. N; BIZZO, N. A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde, 1971-2011. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 411-427, abr./jun. 2015.

MONARI, A. C. P.; BERTOLLI FILHO, C. Saúde sem fake news: estudo e caracterização das informações Falsas divulgadas no canal de informação e checagem de fake news do ministério da saúde. Revista Mídia e Cotidiano, Niterói, v. 13, n. 1, p. 160-186, mar. 2019.

NEGRETE, B. et al. Air pollution and hospital admissions of adults and elderly due to congestive heart failure in santo andré. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, Santo André, p. 50-62, 2010.

NESPOLO G. F. et al. Culture points: contributions to popular health education in the perspective of their coordinators. Interface, Botucatu, v. 18, supl. 2, p. 1187-1198, 2014.

OGUNKOLA, B. J. Scientific Literacy: Conceptual Overview, Importance and Strategies for Improvement. Journal of Educational and Social Research, p. 265-274, 2013.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 1998.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 1999.

SACRISTÁN, J. G. Educar conviver na cultura global: as exigências da cidadania. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2002.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: ANPEd; Campinas: Autores Associados, v. 12, n. 36, p. 474-550, 2007.

SHAMOS, M. H. The myth of literacy. New Brunswick: Rutgers University Press, 1995.

SHEN, B. S. Science literacy. American Scientist, New York, n. 63, p. 265-268, 1975.

SILVA, J.; TEIXEIRA, M. L.; FERREIRA, M. A. Alimentação e saúde: sentidos atribuídos por adolescentes. Revista de Enfermagem Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 88-95, 2012.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOUZA, L. E. Saúde, desenvolvimento e inovação: uma contribuição da teoria crítica da tecnologia ao debate. Cad. Saúde Pública, São Paulo, v. 32, supl. 2, p. S1-S10, 2016.

VENTURI, T.; MOHR, A. Aproximação pesquisa e prática docente: contribuições de um curso de formação de professores no tema Educação em Saúde. Ensenanza de Las Ciencias, ed. extraordinária, p. 443-448, 2017.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Publicado

30/12/2020

Como Citar

COSTA, S. da S.; ZANCUL, M. de S. Competências curriculares para o letramento científico em saúde: potencialidades e limitações em uma Instituição Federal de Educação Profissional. Temas em Educação e Saúde (Themes in Education and Health), Araraquara, v. 16, n. 2, p. 607–620, 2020. DOI: 10.26673/tes.v16i2.14095. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/14095. Acesso em: 17 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos