A mercantilização dos movimentos sociais

Nildo Viana

Resumo


O presente artigo discute o processo de mercantilização dos movimentos sociais. Para tanto, realiza uma análise da mercantilização das relações sociais em geral e após isso observa como isso atinge os movimentos sociais. Nesse processo analítico, é apresentado uma análise das ondas e escalas de mercantilização dos movimentos sociais. Após a realização da análise desses processos, se observa o efeito da mercantilização nos movimentos sociais, concluindo que se principal efeito é o da moderação.


Palavras-chave


Mercantilização; Movimentos Sociais; Ondas; Escalas; Moderação;

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, A. As Teorias dos Movimentos Sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, n. 76, 2009.

BOURDIEU, P. O Campo Econômico: a Dimensão Simbólica da Dominação. Campinas: Papirus, 2000.

DRUCK, G. Os Sindicatos, os Movimentos Sociais e o Governo Lula: Cooptação e Resistência. OSAL: Observatorio Social de America Latina: CLACSO: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais, Buenos Aires, ano 6, n.19, jul. 2006.

DUVERGER, M. Os Partidos Políticos. Brasília: Ed. da Unb, 1982.

ETZIONI, A. As Organizações Modernas. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1976.

FRANK, A. G.; FUENTES, M. Dez teses acerca dos movimentos sociais. Lua Nova, São Paulo, n.17, junho 1989.

GOHN, M. da G. Teorias dos Movimentos Sociais: Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

GOMES, M. Movimento Feminino e Feminismo. Movimentos Sociais, Goiânia, v.2, n.3, jul./dez. 2017.

GOMES, M. V. P.; ALVES, M. A. Como se cria um Ministério?: O processo de cooptação como mecanismo de distensão na relação entre movimentos sociais e Estado. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.51, n.3, p.388-406, maio/jun. 2017.

IGLESIAS, E. Da Colonização da Sociedade Civil às Tensões entre Partidos no Governo e Movimentos Sociais. Sociologia em Rede, Goiânia, ano 5, n.5, jan./jun. 2015.

JACOBI, P. R. Movimentos sociais urbanos no Brasil: reflexão sobre literatura nos anos 70 e 80. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais: BIB, Rio de Janeiro, n.23,1987.

JENSEN, K. Que Fazer? Goiânia: Edições Redelp, 2016.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

LAPASSADE, G. Grupos, Organizaciones y Instituciones: La transformacion de la burocracia. Barcelona: Gedisa, 1999.

LAPASSADE, G. A Entrada na Vida. Lisboa: Edições 70, 1975.

LENARDÃO, E. Neoclientelismo e Cooptação na Manutenção do Poder Político Local. Revista Mediações, Londrina, v.2, n.2, 1997.

MARIANO, S A. O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, n.3, 2005.

MARTINS, A. P. O Sujeito nas ondas do Feminismo e o lugar do corpo na contemporaneidade. Café com Sociologia, Maceió, v.4, n.1, jan./abr. 2015.

MARX, K. Contribuição à Crítica da Economia Política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 1988. 5 v.

McCARTHY, J.; ZALD. M. Mobilização de Recursos e Movimentos Sociais: Uma Teoria Parcial. Movimentos Sociais, Goiânia, v.1, n.2, 2017. Disponível em: http:// redelp.net/revistas/index.php/rms/article/view/692/pdf_10. Acesso em: 16 ago. 2019.

MICHELS, R. Sociologia dos Partidos Políticos. Brasília: Ed. da Unb, 1981.

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: Crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.

PETRAS, J. Neoliberalismo: América Latina, Estados Unidos e Europa. Blumenau: FURB, 1999.

SARTRE, J.-P. Crítica da Razão Dialética. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SILVA, R. A Teoria dos Movimentos Sociais de Nildo Viana. Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais, Recife, v.7, n.2, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe. br/revistas/revistamseu/article/view/238080/31262. Acesso em: 16 ago. 2019.

SCOTT, J. Gênero: Uma Categoria Útil de Análise Histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.2, n.20, jul./dez. 1995.

SELZNICK, P. Cooptação: um mecanismo para a estabilidade organizacional. In: CAMPOS, E. (org.). Sociologia da Burocracia. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p.18-36.

STEINER, P. A Sociologia Econômica. São Paulo: Atlas, 2006.

STOLKE, V. La Mujer es Puro Cuento: La Cultura del Género. Estudos Feministas, Florianópolis, v.12, n.2. maio/ago. 2004.

SWEDBERG, R. Sociologia Econômica: hoje e amanhã. Tempo Social, São Paulo, v.16, n.2, 2004.

TARROW, S. O Poder em Movimento: Movimentos Sociais e Confronto Político. Petrópolis: Vozes, 2009.

TELES, G. Para uma análise marxista dos movimentos sociais: contribuições de Karl Jensen e Nildo Viana. Revista Despierta, Naviraí, MS, v.4, n.4, 2017. Disponível em: https://redelp.net/revistas/index.php/rde/article/view/669/624. Acesso em: 16 ago. 2019.

TREK, E.; ARÉVALO, P.. Aproximación al concepto de cooptación política: la maquinaria presicrática y sus formas. Polis: Revista Latinoamericana, Santiago, Chile, v.14, n.40, p. 469-488, 2015, Disponível em: http://www.scielo.cl/pdf/polis/v14n40/ art22.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.

VIANA, N. Hegemonia Burguesa e Renovações Hegemônicas. Curitiba: CRV, 2019. VIANA, N. A Mercantilização das Relações Sociais: Modo de Produção Capitalista e Formas Sociais Burguesas. Curitiba: Appris, 2018a.

VIANA, N. A Teoria das Classes Sociais em Karl Marx. Lisboa: Chiado, 2018b.

VIANA, N. As Abordagens Sociológicas dos Movimentos Sociais. Movimentos Sociais, Goiânia, v.1, n. 2, 2017a. Disponível em: https://redelp.net/revistas/index. php/rms/article/view/02vianams03/pdf_15. Acesso em: 16 ago. 2019.

VIANA, N. Estado e Movimentos Sociais: efeitos colaterais e dinâmica relacional. Café com Sociologia, Maceió, v.6, n.3, jul./dez. 2017b. Disponível em: https:// revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/902. Acesso em: 16 ago. 2019.

VIANA, N. Movimentos Sociais e Organizações Mobilizadoras. Revista Espaço Livre, Goiânia, v.12, n.23, 2017c. Disponível em: http://redelp.net/revistas/index. php/rel/article/view/653/562. Acesso em: 16 ago. 2019.

VIANA, N. Os Movimentos Sociais. Curitiba: Prismas, 2016a.

VIANA, N. Movimentos Sociais: Unidade e Diversidade. Café com Sociologia, Maceió, v.5, n.3, ago./dez. 2016b. Disponível em: https://revistacafecomsociologia. com/revista/index.php/revista/article/view/717/pdf. Acesso em: 16 ago. 2019.

VIANA, N. Os Movimentos Sociais Populares. In: VIANA, N. (org.). Movimentos Sociais: Questões Teóricas e Conceituais. Goiânia: Edições Redelp, 2016c. p. 71-104.

VIANA, N. Organizações: Reprodução ou Transformação Social. Revista Espaço Livre, Goiânia, v.11, n.21, 2015. Disponível em: http://redelp.net/revistas/index. php/rel/article/view/440/391. Acesso em: 16 ago. 2019. VIANA, N. O Que São Partidos Políticos? Brasília: Kíron, 2014.

VIANA, N. Universo Psíquico e Reprodução do Capital: Ensaios Freudo-Marxistas. São Paulo: Escuta, 2008.

VIANA, N. Gênero e Ideologia. In: VIANA, N. (org.). A Questão da Mulher: Opressão, Trabalho, Violência. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006. p.75-96.

WALLERSTEIN, I. O Capitalismo Histórico. São Paulo: Brasiliense, 1984.

WEBER, M. Ciência e Política: Duas Vocações. São Paulo: Cultrix, 1978.




Direitos autorais 2019 Compartilhado Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2359-2419 (números publicados a partir de junho 2016)

ISSN: 1415-0689 (encerrado em junho de 2016).

Email: cadernosdecampo.fclar@unesp.br 

A Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais faz parte de um amplo grupo de periódicos internacionais que aderiram à Declaração de San Francisco sobre Avaliação da Pesquisa (DORA). Criado por um grupo de editores de periódicos acadêmicos, durante um evento cientifico, na cidade de São Francisco/EUA, em 2012, esse movimento exige novas formas de avaliação da produção cientifica por parte das agências de financiamento e instituições acadêmicas. Maiores informações sobre a DORA podem ser obtidas clicando no link: https://sfdora.org/