O discurso nos limites da obediência: enunciados que afagam ou abafam conflitos entre Mandetta e Bolsonaro na crise do coronavírus

Autores

  • Duílio Fabbri Jr Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), São Carlos – SP – Brasil. Doutor em Linguística. Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal), Americana – SP – Brasil. Professor e coordenador de cursos. Centro Universitário Anchieta (UniAnchieta), Jundiaí – SP – Brasil. Professor. Professor-convidado da Extecamp-Unicamp. http://orcid.org/0000-0002-9408-7754
  • Fabiano Ormaneze Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas – SP – Brasil. Doutor em Linguística. Centro Universitário Metrocamp, Campinas – SP – Brasil. Centro Universitário Anchieta (UniAnchieta), Jundiaí – SP – Brasil. Professor. Professor-convidado da Extecamp-Unicamp. http://orcid.org/0000-0003-0739-7584

DOI:

https://doi.org/10.47284/2359-2419.2020.28.175191

Palavras-chave:

Discurso, Autoritarismo, Governo, Obediência, Pandemia,

Resumo

Este trabalho analisa declarações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante o período da pandemia causada pelo novo coronavírus, em março de 2020. Por meio do corpo teórico-metodológico da Análise de Discurso Francesa, são comparados os sentidos produzidos por meio de falas em duas entrevistas coletivas, antes e depois de pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, minimizando os efeitos da doença e reagindo negativamente às medidas de contenção adotadas por estados brasileiros, a partir das orientações do Ministério da Saúde, referendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e seguindo medidas implantadas por outros países. As diferenças de posicionamento levaram à demissão do ministro. Refletimos, assim, sobre os sentidos de democracia, autoritarismo, confiança e obediência no jogo das relações de poder. A análise discursiva das falas do ministro da saúde traz a presença (in)visível da postura do governo no que tange à pandemia, sustentando elementos de autoritarismo, ajudando a provocar desinformação entre os brasileiros.

Referências

ARENDT, Hannah. As crises da república. São Paulo: Perspectiva, 2017.

AUSTIN, John. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes médicas, 1990.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Campinas: Editora da Unicamp, 2000.

BERLIN, Isaiah. Dois conceitos de liberdade. In: _____. Estudos sobre a Humanidade - Uma antologia de ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BOLSONARO, Jair. Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro. Planalto. YouTube [on-line], Brasília, 24 mar. 2020. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Vl_DYb-XaAE> Acesso em: 04 abr. 2020.

COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

ESPINOZA, Baruch. Tratado teológico-político. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 28 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos IV. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

MANDETTA, Luiz Henrique. Ministério da Saúde atualiza a situação do coronavírus - 19.03.2020. Ministério da Saúde. Youtube [on-line], Brasília, 19 mar. 2020a. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=530nK1vKsIc> Acesso em: 04 abr. 2020.

MANDETTA, Luiz Henrique. Coletiva de imprensa sobre Covid-19. TV BrasilGov. Youtube [on-line], Brasília, 25 mar. 2020b. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=DZvV0qfCS3Y>. Acesso em: 05 abr. 2020.

STERN, Ana Luiza Saramago. A imaginação no poder: obediência política e servidão em Espinoza. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), 2013.

STIVAL, Mônica Loyola. Governo e poder em Foucault. Trans/Form/Ação, v. 39, n. 4, out-dez/2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31732016000400107> Acesso em: 27 mar. 2020.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

ORLANDI, Eni. Recortar ou segmentar? In: Linguística: Questões e Controvérsias. Série Estudos. Uberaba: Faculdades Integradas de Uberaba, 1984, p. 09-26.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento? 6. ed. Campinas: Pontes, 2012.

Downloads

Publicado

17/09/2020