Presídio-empresa e encarceramento em massa: Uma denúncia ao atual regime de complexos industriais penais e a transformação da miséria em negócio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v7i2.11932

Palavras-chave:

Presídios, Ressocialização, Neoliberalismo, Privatização, Mercadorização.

Resumo

O trabalho a seguir é fruto de profunda introspecção sobre o tema dos presídios. É preciso dizer que a abordagem escolhida destoa das análises estritamente jurídicas - as quais já contam com extensa literatura - ao mesmo tempo em que realiza um convite para pensar sobre os fatores econômicos e políticos que engendram a realidade. Deste modo, será discutido o conceito de ressocialização enquanto eco de um Mito que permite o controle social pelo medo, ipsis letteris acontecia nas monarquias absolutistas. Para além do castigo em si, que de toda a maneira não deixará de ser apreciado, será oferecida ênfase à formação ideológica do cárcere e as suas implicações na sociedade contemporânea. Após caminhar pela subjetividade dos sujeitos, será aventada a hipótese que reside na mercadorização de presos e na subsequente formação de um mercado para o interesse privado. Em última instância, a presente denúncia não deixará de indicar que a realidade particular brasileira não está descolada dos movimentos gerais, realizando paralelo com os Estados Unidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Agueda Valentim, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UNIRIO, Rio de Janeiro - RJ

Bacharel em Ciência Política pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Pela mesma instituição, possuiu participação no Grupo de Investigação Eleitoral (GIEL), Grupo de Orçamento Participativo e atuou como voluntário do projeto Política nas Escolas (PET). Foi por duas vezes Bolsista de Iniciação Científica em "Relações Estado-Sociedade" com enfase em "Voto" e "Decisão Política" e monitor da disciplina Representação Politica. Ademais, é colaborador e pesquisador do grupo ECOPOL (Estado Poliíticas Públicas e Empresariado) coordenado pelo Professor João Roberto Lopes Pinto. Para além disso, realizou intercâmbio acadêmico no ano de 2017 em Paris, na Université Paris Nanterre, onde pode estudar com Christian Laval e Pierre Dardot (autores do livro "Nova Razão do Mundo") sobre Neoliberalismo, Capitalismo, Democracia e Encarceramento em massa, sendo o último também tema de sua Monografia.

Referências

ADAUMIR, José. A privatização dos presídios: uma ressocialização perversa. Rio de Janeiro. Ed. Revan, 2016.

ANDRADE, Vera Regina. Pelas mãos da criminologia. Rio de Janeiro Ed. Revan, 2012.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da Pena de Prisão: causas e alternativas. São Paulo. Ed. Saraiva, 2011.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei nº 513/11. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/. Acesso em: 16 maio 2019.

BRASIL. Lei 11.079/2004. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/. Acesso em: 16 maio 2019.

COUTINHO, Carlos Nelson. A democracia como valor universal e outros ensaios. Rio de Janeiro. 1989.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo, Martins Fontes, 2007.

FONTES, Virgínia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo v.5, n.8, jan/jun 2017.

FOLHA. DVDs com imagens de massacre em prisão do AM se esgotam em camelôs. Manaus, 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1850612-dvds-com-imagens-de-massacre-em-prisao-do-am-se-esgotam-em-camelos.shtml. Acesso em: 16 maio 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Ed. Vozes. Rio de Janeiro, 2014.

GLOBO. Criada pelo dono empresa que antecedeu a Umanizzare no Compaj foi inabilitada para licitação. São Paulo, 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/criada-pelo-mesmo-dono-empresa-que-antecedeu-a-umanizzare-no-compaj-foi-inabilitada-para-licitacao.ghtml. Acesso em: 16 maio 2019.

GLOBO. Custo de preso no Amazonas é o dobro da média nacional. 2017. Disponível em: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2017/01/custo-de-preso-no-amazonas-e-o-dobro-da-media-nacional.html. Acesso em: 16 maio 2019.

GRAHAM, Stephen. Cidades Sitiadas. São Paulo: Boitempo. 2016.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, v. III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LEFEBVRE, Henri. Sociologia de Marx. Rio de Janeiro: Forense, 1968.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da Dependência. 1973.

MARX, Karl. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo, Boitempo, 2011.

MARX, Karl. O Capital I. São Paulo, Boitempo, 2011.

MOTTA, Vânia. Ideologia do capital social. Rio de Janeiro: eduerj, 2012.

PACHUKANIS, Euvegni. Teoria geral do direito e marxismo. Ed. Boitempo; 2017.

SILVA, José Adaumir da. A privatização de presídios: uma ressocialização perversa. Ed. Revan. Rio de Janeiro, 2016.

WACQUANT, Loïc. A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl. Em busca das penas perdidas. Rio de Janeiro, Revan. 2001.

Downloads

Publicado

05/08/2018

Como Citar

VALENTIM, V. A. Presídio-empresa e encarceramento em massa: Uma denúncia ao atual regime de complexos industriais penais e a transformação da miséria em negócio. Revista Sem Aspas , Araraquara, v. 7, n. 2, p. 194–218, 2018. DOI: 10.29373/sas.v7i2.11932. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/11932. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos