Diversidade sexual e integração linguística: facilitando o contato inicial de migrantes com os transgêneros brasileiros

João Roberto Souza

Resumo


Este artigo aborda o tema de diversidade de gênero na perspectiva da integração linguística no contexto de migração e sua relevância se dá devido a marginalização dos transgêneros causadas também pelo indevido tratamento. Portanto, o artigo tem como objetivo principal averiguar como tem sido tratados os transgêneros no Brasil, através de textos acadêmicos, jornalísticos e cartilhas instrutivas, para que, quando cabível, sejam feitas as devidas sugestões de como devem ser tratados, contudo, sem desconsiderar toda a bagagem de conhecimentos acerca do tema pelos migrantes.

Palavras-chave


Transgênero(s); Transexualismo; Gênero e linguagem; Linguística de corpus.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ADELMAN, Miriam. Travestis e Transexuais e os Outros: Identidade e Experiências de Vida. Niterói: UFF, 2003.

BALZER, Carsten; Jan Simon HUTTA. Transrespect versus Transphobia Worldwide: A Comparative Review of the Human-rights Situation of Gender-variant/Trans People. TvT Publication Series Vol. 6. Transgender Europe, 2012. Disponível em: http://transrespect.org/wp-content/uploads/2015/08/TvT_research-report.pdf. Acesso em: 05/4/2017.

BERBER SARDINHA, A.P. Lingüística de Corpus. Barueri: Manole, 2004.

CALVET, L. J. Sociolinguística: uma introdução crítica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

FERRARI, G. Geala. A despatologização do transtorno de identidade de gênero: uma crítica à patologização e o enaltecimento ao direito a identidade sexual dos indivíduos trans. XI Seminário internacional de demandas sociais e políticas na sociedade contemporânea VII Mostra de trabalho jurídico científicos, 2014.

KULICK, Don. Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

OLIVEIRA, Gilvan Muller (org.). Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. São Paulo: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil (ALB); Florianópolis: IPOL, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artmed, 1993.

SAMPAIO, L.L.P.; COELHO, M.T.A.D. Quando o estranhamento se traduz em preconceito: trajetórias de vida de pessoas transexuais. In: VIEIRA, T.R. (org). Minorias Sexuais: direitos e preconceitos. Brasília: Consulex, 2012, p. 341-351.

SANTOS, L. F. Maria. A construção do dispositivo da transexualidade: saberes, tessituras e singularidades nas vivências trans. Seminário internacional enlaçando sexualidades. Salvador – BA, 2011.

TEIXEIRA, E. D. A Linguística de Corpus a serviço do tradutor: proposta de um dicionário de Culinária voltado para a produção textual. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008, 450fl.

VIEIRA, T.R. Adequação de nome e sexo e a vulnerabilidade do transexual. In: VIEIRA, T.R. (org). Minorias Sexuais: direitos e preconceitos. Brasília: Consulex, 2012, p. 375-396.




DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v8i2.13147



 

 

Rev. Sem Aspas, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN  2358-4238

DOI Prefix: 10.29373/semaspas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.