O desenvolvimento das Ciências Sociais e a modernização brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v8i2.13358

Palavras-chave:

Modernização, Ciências Sociais, Intelectuais, Institucionalização.

Resumo

A intelectualidade vivencia uma ruptura com os padrões de consagração vigentes na Primeira República. A partir da tomada do poder por Getúlio Vargas e a Revolução de 1930, tem-se início um novo cenário político. Devido à queda do preço do café, o modelo agroexportador encontrava-se em processo de decadência, pois já não era mais possível manter artificialmente o valor deste produto. Somam-se a este fator as restrições provocadas pela crise financeira de 1929, o que implicou na queda da demanda externa e no surgimento de novos competidores. Neste contexto, os intelectuais estão subordinados de um modo mais intenso à conjuntura política do que propriamente às questões culturais. A função e atuação dos intelectuais ultrapassam, desta maneira, o campo estritamente intelectual e adentram o do político. Assim, o presente trabalho tem como objetivo demonstrar a relação entre a modernização brasileira e o desenvolvimento institucional e intelectual das Ciências Sociais no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Maria Casagrande, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP

Doutoranda em Educação, Progama de Pós-Graduação em Educação - Unesp Marília.

Janaina de Oliveira, Universidade Estadual Paulista - Unesp Araraquara

Doutoranda em Ciências Sociais, Progama de Pós-Graduação em Ciências Sociais - Unesp Araraquara.

Referências

AZEVEDO, F. Máscaras e retratos: estudos literários sobre escritores e poetas do Brasil. São Paulo: Melhoramentos, 1962.

_____________. A cultura brasileira. Brasília: UNB; Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

CARVALHO, M.M.C. de. Educação e política nos anos 20: a desilusão com a República e o entusiasmo pela educação. In: LORENZO, H.C. de & COSTA, W.P. da (org.) A década de 1920 e as origens do Brasil moderno. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

FERNANDES, F. A sociologia numa era de revolução social. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

_____________. A Sociologia no Brasil. Contribuição para o estudo de sua formação e desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 1977.

LAHUERTA, M. Os intelectuais e os anos 20: moderno, modernista, modernização. In: LORENZO, H. C.; COSTA, W. P. (Org.). A década de 1920 e as origens do Brasil moderno. São Paulo: Ed. da Unesp, 1997, p.93-114.

_____________. Em busca da formação social brasileira: marxismo e vida acadêmica. Perspectivas. São Paulo, 28, p. 157-186, 2005.

MARTINS, L. A Gênese de uma intelligentsia: os intelectuais e a política no Brasil, 1920-1945. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 4. vol. 2, jun. 1987. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_04/rbcs04_06.htm>. Acesso em: 27 fev. 2013.

MICELLI, S. Intelectuais e classe dirigente no Brasil (1920-1945). Rio de Janeiro: Difel, 1979.

_____________. Condicionantes do Desenvolvimento das Ciências Sociais no Brasil (1930-1964). Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 2, n. 5, 1987.

NASCIMENTO, A. S. Fernando de Azevedo: institucionalização da Sociologia e modernização brasileira. Perspectivas, São Paulo, v. 37, p. 163-190, jan./jun. 2010.

PÉCAUT, D. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

PINTO, L. A. C.; CARNEIRO, E. As Ciências Sociais no Brasil. Rio de Janeiro: CAPES, 1955.

Publicado

30/12/2019

Como Citar

CASAGRANDE, N. M.; DE OLIVEIRA, J. O desenvolvimento das Ciências Sociais e a modernização brasileira. Revista Sem Aspas , Araraquara, v. 8, n. 2, p. 209–224, 2019. DOI: 10.29373/sas.v8i2.13358. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/13358. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos