O povo Ticuna sob uma perspectiva histórica: de suas origens mitológicas à perda de sua identidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v10i00.15163

Palavras-chave:

Contato, Ticuna, Não-indígena, Cosmovisão, Violência

Resumo

Os povos indígenas têm se mantido únicos devido às suas estratégias sociais e culturais, e as atividades educacionais são uma delas. A educação realizada pelos povos indígenas permite que eles continuem a sobreviver e evitem que sua cultura seja transmitida de geração em geração. O povo Ticuna teve longa trajetória no decorrer de sua história, ora marcada pela profunda estabilidade (das origens mitológicas ao primeiro contato com o povo não-indígena), ora marcada por uma profunda violência simbólica e física que ocasionou na perda e da negação de certos aspectos indenitários (a partir do primeiro contato). Veremos algumas das consequências desse contato, que por vezes permanecem até os dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eli Leão Catachunga, Universidade Presbiteriana Mackenzie (MACKENZIE), São Paulo – SP

Mestre em Educação, Arte e História da Cultura.

Rosana Maria Pires Barbato Schwartz, Universidade Presbiteriana Mackenzie (MACKENZIE), São Paulo – SP

Professora Pesquisadora. Doutorado em História (PUC).

Renan Antônio da Silva, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE

Docente no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas (Orientador de Mestrado e Doutorado). Doutorado em Educação Escolar (UNESP). Pós-Doutorando em Direitos Humanos e Cidadania (UNB).

Referências

BARBERO, E. P. Artes Indígenas no Brasil-trajetórias de contato. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2010.

BOAS, F. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CLASTRES, P. A sociedade contra o estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2012.

ELIAS, N. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1990. v. 1.

FERNANDES, F. A investigação etnologica no Brasil e outros ensaios. Petrópolis: Vozes, 1975.

FREIRE, J. R. Cinco idéias equivocadas sobre índio. Manaus: Cenesch, 2000.

GADOTTI, M. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. 1. ed. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

GEERTZ, C. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 2003.

GENNEP, A. V. Ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 2013.

GRUBER, G. J. (org.). O livro das árvores. Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngues, 1997.

LEVI, G. Usos da Biografia. In: AMADO, J. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

LUCIANO, S. G. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, LACED/Museu nacional, 2006.

MACEDO, G. M. A conversão cristã e identidade ticuna: a trajetória de Campo Alegre. Amazonia em Cadernos, Manaus, n. 5, p. 175-193, jan./dez. 1999.

MAGÜTA. A lágrima Ticuna é uma só. Benjamin Constant AM, 1988. (Centro de Documentação e Pesquisa do Alto Solimões)

MALINOWSKY, B. Coleção grandes cientistas sociais: Malinowski – antropologia. Ática, 1986.

MASINI, E. F. S.; MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa na escola. 1. ed. Curitiba: CRV, 2017.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU: Edusp, 1974. v. 1.

NIMUENDAJÚ, C. U. Os índios Tukuna. Dados fornecidos à Inspetoria do SPI no Amazonas e Acre. Arquivo da Inspetoria, Manaus, 1929.

OLIVEIRA, J. P. Regime tutelar e faccionalismo. Política e Religião em uma reserva Ticuna. Manaus: UEA edições, 2015.

PESAVENTO, S. J. História & história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

POUTIGNAT, P.; FENART, J. S.; BARTH, F. Teorias da etnicidade: Seguido de Grupos Étnicos e suas Fronteiras. Trad. Élcio Fernandes. São Paulo: Fundação da UNESP, 1998.

RIBEIRO, D. Confissões. São Paulo: Companhia da Letras, 1997.

SOARES, M. F.; PINHEIRO, P. I.; CARMO, R. O. Professores Ticunas (OGPTB). Tchorü duũũgũca' tchanu. Minha luta pelo meu povo. Niteroi RJ: EDUFF, 2014.

VERAS, P. F. M.; BRITO, G. V. Identidade étnica: a dimensão política de um processo de reconhecimento. Antropos, Anápolis, v. 5, n. 4, p. 106-124, maio 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Etnologia Brasileira. In: O que ler na Ciência Social Brasileira. São Paulo: Anpocs, 1991. v. 1.

Publicado

30/06/2021

Como Citar

CATACHUNGA, E. L. .; SCHWARTZ, R. M. P. B. .; SILVA, R. A. da. O povo Ticuna sob uma perspectiva histórica: de suas origens mitológicas à perda de sua identidade. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 10, n. 00, p. e021006, 2021. DOI: 10.29373/sas.v10i00.15163. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/15163. Acesso em: 19 set. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)