Corpo, política e território

Cartografando a mulher na pintura de Fernando Vicente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v11i00.15375

Palavras-chave:

Corpo, Mulher, Política, Pintura de Fernando Vicente, Território

Resumo

O presente texto pretende cartografar “o poder sobre o corpo da mulher” e “o poder do corpo da mulher”, buscando compreender a constituição do corpo-território a partir de linhas que o atravessam e cortam – os afetos de que é capaz. Para tal, lança mão de duas pinturas da coleção “Atlas” do pintor e ilustrador espanhol Fernando Vicente Sánchez (1963), a fim de pensar a política e o corpo/território a partir de dois signos que historicamente cartografaram a mulher: a maternidade e o sexo. As obras dessa coleção são feitas a partir da pintura de corpos em lâminas cartográficas antigas metamorfoseando assim os corpos a territórios geográficos. Interpelar o corpo da mulher a partir do conceito de território é fundamental para reflexionar a ação política do corpo e sobre o corpo, pois é no e pelo corpo que a política investe enquanto produção de modos de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurea Maria Pires Rodrigues, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Elder Silva Correia, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Fabio Zoboli, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED). Pós-doutorado em Educação do Corpo (UNLP/Argentina).

Referências

COSTA. T. et al. Naturalização e medicalização do corpo feminino: o controle social por meio da reprodução. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 10, n. 20, p. 363-80, jul./dez. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/5tyvxs6fKTZS7dfbQ3w3qDk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 14 abr. 2021.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 2.

DELEUZE, G. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Editora34, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 3. São Paulo: Editora 34, 2012a.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 4. São Paulo: Editora 34, 2012b.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 5. São Paulo: Editora 34, 2012c.

DELEUZE, G. PARNET. C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

ESPOSITO, R. Las personas y las cosas. Buenos Aires: Katz editores, 2016

FOUCAULT, M. A Política da Saúde no século XVIII. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

LAPOUJADE, D. Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução: Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: N-1 edições, 2015.

LAPOUJADE, D. William James, a construção da experiência. São Paulo: N-1 edições, 2017.

LE BRETON, D. Rostos: ensaios sobre antropologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

MEZZAROBA, C.; ZOBOLI, F. Revisitando o conceito de biopolítica em Foucault para pensar o corpo na Educação Física. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, v. 11, n. 24, p. 279-296, jan./mar. 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/6679. Acesso em: 14 ago. 2021.

PESSOA, F. Navegar é preciso. Textosparareflexão, 2010. Disponível em: https://textosparareflexao.blogspot.com/2010/05/navegar-e-preciso.html. Acesso em: 30 nov. 2019.

RODRIGUES, A. M. P.; CORREIA, E. S.; ZOBOLI, F. Cuerpo, política y territorio: Cartografiando la mujer en la pintura de Fernando Vicente. In: GALAK, E.; ZOBOLI, F.; GOMES, I. M. (org.). Cuerpos, políticas y estéticas: Artefactos culturales, arte y educación. 1a ed. Buenos Aires: Biblos, 2021.

SÁNCHEZ, F. V. Site coleção “Atlas”. Fernandovicente, 2019. Disponível em: https://www.fernandovicente.es/pinturas/atlas-anatomia-y-pintura/. Acesso em: 16 nov. 2019.

SANTIAGO, S. M.; NAGAHAMA, E. E. I.; A institucionalização médica do parto no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 651-657, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/twSzNppPXN3VkMJyyDRsfDg/?lang=pt. Acesso em: 12 mar. 2021.

SWAIN, T. N. Para além do sexo, por uma estética da liberação. In: ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M.; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. (org.). Cartografias de Foucault. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 393-406.

WIEDEMAN, S. Ondas: um experimento em pensamento-cinema ou das variações de uma máquina-marinha... In: INCARBONE, F.; WIEDEMANN, S. La radicalidad de la imagen: Des-bordando latitudes latinoamericanas. Buenos Aires: Hambre - Espacio cine experimental, 2016.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

RODRIGUES, A. M. P. .; CORREIA, E. S.; ZOBOLI, F. Corpo, política e território: Cartografando a mulher na pintura de Fernando Vicente. Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 11, n. 00, p. e022002, 2022. DOI: 10.29373/sas.v11i00.15375. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/15375. Acesso em: 30 nov. 2022.