Educação alimentar e nutricional enquanto processo educativo: um estudo de práticas e percepções de uma comunidade escolar de Uberaba-MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v14i2.11690

Palavras-chave:

Educação alimentar e nutricional, Educação básica, Empoderamento.

Resumo

Este artigo tem como tema a Educação Alimentar e Nutricional (EAN) no espaço escolar, está vinculado à linha de pesquisa “Processos Educacionais e seus Fundamentos”, do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de Uberaba. A pesquisa inicia com a seguinte questão: como é trabalhada e quais espaços a EAN ocupa no cotidiano de uma escola municipal considerada como modelo da cidade Uberaba, MG? Tendo como objetivo geral compreender os limites e as possibilidades da EAN no ensino fundamental. Participaram crianças, professores, funcionários e familiares da comunidade escolar. Constatou-se, em campo, que a contribuição da escola na EAN se reduz à oferta de merenda saudável, e, que para alguns adultos, o interesse das crianças por alimentos artificiais e industrializados é uma característica inata. Conclui-se que mesmo a EAN não sendo trabalhada na escola, existem espaços onde isso pode se dar – e que não se limitam à sala de aula. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ralph de Castro, Universidade de Uberaba - MG (UNIUBE) Brasil. Departamento de Pós-graduação Mestrado em Educação (UNIUBE)

Nutricionista graduado em 2002, Mestre em Educação pelo Mestrado de Educação de Universidade de Uberaba - MG, com pós graduação Latu Senso em Docência Universitária Universidade de Uberaba 2009, aperfeiçoamento em Interdisciplinaridade em Terapia Nutricional pela Universidade de Uberaba em 2007 e Coaching com Programação Neurolinguistica 2010. Terapêuta Comunitário, intervisor e formador em Terapia Comunitária pela Universidade Federal do Ceará concentrando seus estudos em Interdisciplinaridade no Ensino Superior e Formação de Resursos Humanos na Área da Saúde. Tem vasta experiência com trabalhos comunitários (especialmente comunidade escolar e de adolescentes) e na área de Nutrição Social, com ênfase em Grupos Interdisciplinares de Educação em Saúde, atuando principalmente com seguintes temas: promoção e prevenção em saúde, qualidade de vida, interdisciplinaridade, transtornos alimentares, bulimia nervosa e alimentação saudável. CONTATO: e-mails: ralph.castro.1976@gmail.com ou ralphsportnut@terra.com.br / telefones: 34- 91292629 / 34- 33214307

Referências

ABREU-BERNARDES, S.T.A.; MÁRQUES, F.T.; BATISTA, G.A. Um relato sobre as produções no Triângulo Mineiro. Inter-Ação, Goiânia, v. 38, n. 1, p. 129-143, jan./abr. 2013. Disponível em: https://revistas.ufg.br/interacao/article/viewFile/25154/15123. Acesso em: 10 jul. 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70, 1977.

BOOG, M. C. F. Educação nutricional em serviços públicos de saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.15, Supl. 2, p.139-147, 1999. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v15s2/1295.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

BRASIL. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: Brasília, 2011. Disponível em: http://www.mds.gov.br/segurancaalimentar/publicacoes/livros/plano-nacional-de-seguranca-alimentar-e-nutricional-2012-2015/plano-nacional-de-seguranca-alimentar-e-nutricional-2012-2015. Acesso em: 12 nov. 2017.

CASTRO, J. B. P. et al. “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço!": a décalage como ferramenta para compreensão de práticas corporais e alimentares. Revista de Nutrição, v. 28, n. 1, p. 99-108, 2015.

FIORI, E. M. Textos escolhidos: educação e política. Porto Alegre: L&PM, v. 2, 1992.

FREIRE P. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido, 17a. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. (Edição de C. N. Coutinho et al). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, v.6, 2002.

MÁRQUES, F.T.; TALARICO, B.S.L.U. Da comunicação popular à Educomunicação: reflexões no campo da “educação como cultura”. Atos de Pesquisa em Educação (FURB), vol. 11, n. 2, p. 422-443, ago.-nov/2016.

OPAS. Escuelas promotoras de la salud: entornos saludables y mejor salud para las generaciones futuras. Washington, 1998, 32p. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=REPIDISCA&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=45661&indexSearch=ID. Acesso em: 25 out. 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA. Projeto Político-Pedagógico da Escola Municipal X. Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Uberaba. 2016.

UBERABA. Lei n. 8.931 dispõe sobre o Programa Municipal de Educação Alimentar e Nutricional e contém outras disposições. Câmara Municipal de Uberaba. Uberaba/MG, 15 de outubro de 2003.

UBERABA. A Educação no Município de Uberaba. Secretaria Municipal de Educação. Prefeitura Municipal de Uberaba 2016. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,9173. Acesso em: 27 Ago. 2016.

VALENTE, F.L.S. Segurança alimentar e nutricional: transformando natureza em gente. Direito à alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez, p. 103-36, 2002.

Downloads

Publicado

30/11/2018

Como Citar

CASTRO, R. de. Educação alimentar e nutricional enquanto processo educativo: um estudo de práticas e percepções de uma comunidade escolar de Uberaba-MG. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 14, n. 2, p. 215–228, 2018. DOI: 10.26673/tes.v14i2.11690. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/11690. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação