Galactosemia, intolerância à lactose e alergia à proteína do leite: compreensão dos mecanismos fisiopatológicos na primeira infância e suas respectivas prescrições nutricionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i2.13747

Palavras-chave:

Crianças, Leite, Deficiência, Patologia, Dieta

Resumo

O objetivo desse estudo é explicar três patologias próximas que manifestam-se em crianças na sua primeira infância, contribuindo com nutricionistas e pediatras e incentivando um trabalho multidisciplinar. O erro genético raro que acomete os neonatais e impossibilita a metabolização da galactose é denominado como Galactosemia clássica. A reação imunológica do corpo à exposição precoce das crianças a determinadas proteínas, como a caseína e lactoglobulina, é conhecida como Alergia à proteína do leite de vaca. E por fim, a Intolerância à lactose que é subdividida em primária, secundária e congênita, sendo esta a mais comum em crianças impossibilitando a produção da enzima que faria a absorção da lactose. Este artigo apresentará uma revisão bibliográfica sobre as possíveis terapêuticas adequadas para se evitar deficiências nutricionais em consequência da necessidade de restrição ou exclusão do alimento leite nas suas dietas. A pesquisa utilizou um total de 33 artigos encontrados nas bases Science, Scielo e Google Acadêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Oliveira dos Santos, Faculdade São Luis de Jaboticabal (FESL), Jaboticabal – SP

Graduanda no Curso de Nutrição.

Livia Fernandes de Lima, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Clínica Médica.

Referências

BERRY, G. T. Classic galactosemia and clinical variant galactosemia. In: GeneReviews®[Internet]. Seattle: University of Washington, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1518/pdf/Bookshelf_NBK1518.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRANCO, M. S. C. et al. Classificação da intolerância à lactose: uma visão geral sobre causas e tratamentos. Revista de Ciências Médicas, Campinas, v. 26, n. 3, p. 117-125, 2018. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/3812. Acesso em: 12 set. 2019.

CAMELO JUNIOR, J. S. et al. Avaliação econômica em saúde: triagem neonatal da galactosemia. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 666-676, 2011. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2011.v27n4/666-676/. Acesso em: 29 set. 2019.

COMAN, D. J. et al. Galactosemia, a single gene disorder with epigenetic consequences. Pediatric research, v. 67, n. 3, p. 286-292, 2010. Disponível em: https://www.nature.com/articles/pr201052. Acesso em: 12 out. 2019.

CORTEZ, A. P. B. et al. Conhecimento de pediatras e nutricionistas sobre o tratamento da alergia ao leite de vaca no lactente. Revista Paulista de Pediatria, v. 25, n. 2, p. 106-113, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-05822007000200002&script=sci_arttext. Acesso em: 23 set. 2019.

OLIVEIRA, R. A. M. et al. Aleitamento Materno Exclusivo e introdução de alimentos industrializados nos primeiros dois anos de vida. Multitemas, Campo Grande, v. 23, n. 54, p. 47-64, 2018. Disponível em: https://www.multitemas.ucdb.br/multitemas/article/view/1579. Acesso em: 05 set. 2019.

DIAS, M. C. A. P; FREIRE, L. M. S.; FRANCESCHINI, S. C. C. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Revista de Nutrição, Campinas, v. 23, n. 3, p. 475-486, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732010000300015&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 5 set. 2019.

GRAEF, J. W.; WOLFSDORF, J. I.; GREENES, D. S. Manual de Terapêutica Pediátrica-7. Artmed Editora, 2010. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=fytADQAAQBAJ&oi=fnd&pg=PR1&dq=Graef+JW,+Wolfsdorf+JI,+Greenes+DS.+Manual+de+Terap%C3%AAutica+Pedi%C3%A1trica.+Brasil:+Artmed%3B+2010+%5Bcitado+2019+out+13%5D.&ots=V7f5doyJOm&sig=dOCrrrM1F7R1icsIGf2D4KlRVqg#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 13 out. 2019.

GROSSIORD, B. et al. Genetics of galactose utilisation via the Leloir pathway in lactic acid bacteria. Le Lait, v. 78, n. 1, p. 77-84, 1998. Disponível em: https://lait.dairy-journal.org/articles/lait/abs/1998/01/lait_78_1998_1_10/lait_78_1998_1_10.html. Acesso em: 4 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretária de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Promoção à Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_da_crianca_2019.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

HEINE, R. G. et al. Lactose intolerance and gastrointestinal cow’s milk allergy in infants and children–common misconceptions revisited. World Allergy Organization Journal, v. 10, n. 1, p. 41, 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1186/s40413-017-0173-0#citeas. Acesso em: 20 nov. 2019.

IWASAWA, S. et al. The prevalence of GALM mutations that cause galactosemia: A database of functionally evaluated variants. Molecular genetics and metabolism, v. 126, n. 4, p. 362-367, 2019. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1096719218307637. Acesso em: 11 set. 2019.

MAIA, A. L. G. L. Aleitamento materno em crianças com e sem alergia à proteína do leite de vaca. Orientadora: Silvia Alves da Silva. 2019. 51 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Nutrição) – Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/33840. Acesso em: 25 dez. 2019.

MARCON, A. E. T.; DIAS, M. B. B.; BENINCÁ, S. C. Intolerância à lactose congênita: uma revisão bibliográfica. Saúde Integral, Guarapuava, v. 1, n. 1, p. 25-33, 2018. Disponível em: http://revista.camporeal.edu.br/index.php/saudeintegral/article/view/316. Acesso em: 1 nov. 2019.

MEDIAVILLA DE PEDRO, N. Estudio y tratamiento de la galactosemia. Orientadora: Teresa Agapito Serrano. 2018. 53 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Nutrição Humana e Dietética) – Universidade de Valladolid, Espanha, 2018. Disponível em: https://uvadoc.uva.es/handle/10324/31174. Acesso em: 13 out. 2019.

MONROY SANTOYO, S. Diagnostico molecular de las mutaciones Q188R, K285N, N314D y S135L en pacientes con galactosemia clasica en el INP. 2007. 62 f. Tese (Especialidade em Genética Médica) – Universidade Nacional Autônoma do México, México, Disponível em: http://repositorio.pediatria.gob.mx:8180/handle/20.500.12103/989. Acesso em: 13 out. 2019.

PEREIRA, L. G.; FERREIRA, M. S.; MARQUES, F. P. P. Intolerância à lactose e os aspectos legais de rotulagem. Anais dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu UniEVANGÉLICA, v. 3, n. 1, p. 281-311, 2019. Disponível em: http://45.4.96.34/index.php/latosensu/article/view/4526. Acesso em: 8 set. 2019.

PEREIRA, P. B.; DA SILVA, C. P. Alergia a proteína do leite de vaca em crianças: repercussão da dieta de exclusão e dieta substitutiva sobre o estado nutricional. Pediatria, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 100-106, 2008. Disponível em: http://www.alergiaaoleitedevaca.com.br/downloads/APLV-repercussoes-da-dieta-de-exclusao-no-estado-nutricional-2008.pdf. Acesso em: 29 dez. 2019.

PERET FILHO, L. A. INTOLERÂNCIA À LACTOSE NA CRIANÇA. 2018. Disponível em: https://www.acoesunimedbh.com.br/sessoesclinicas/wordpress/wp-content/uploads/2018/11/INTOLERANCIA-LACTOSE.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

ROCHA, L. C. et al. Intolerância à lactose: conduta nutricional no cuidado de crianças na primeira infância. 2012. Disponível em: https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/handle/123456789/822. Acesso em: 17 nov. 2019.

SILVA, G. G.; LOPES, L. de A. Intolerância a lactose e galactosemia: importância dos processos metabólicos. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR, v. 11, n. 4, p. 57-62, 2015. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20150802_181752.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

SOLÉ, D. et al. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2018-Parte 2-Diagnóstico, tratamento e prevenção. Documento conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Brazilian Journal Allergy and Immunology, v. 2, n. 1, p. 39-82, 2018. Disponível em: http://aaai-asbai.org.br/detalhe_artigo.asp?id=865. Acesso em: 1 jan. 2020.

SOLÉ, D. et al. Guia prático de diagnóstico e tratamento da Alergia às Proteínas do Leite de Vaca mediada pela imunoglobulina E. Rev. bras. alerg. imunopatol., v. 35, n. 6, 2012. Disponível em: http://formsus.datasus.gov.br/novoimgarq/35775/6760286_312361.pdf. Acesso em: 2 jan. 2020.

SWETHA, M.; RAJESH, B. Classical galactosemia. Indian Journal of Applied Research, v. 9, n. 4, p. 23-24, 2019. Disponível em: https://www.worldwidejournals.com/indian-journal-of-applied-research-(IJAR)/fileview/April_2019_1554113778_8360899.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

TĂTĂRANU, E. et al. Clinical, immunological and pathological profile of infants suffering from cow's milk protein allergy. Rom J Morphol Embryol, v. 57, n. 3, p. 1031-1035, 2016. Disponível em: https://rjme.ro/RJME/resources/files/57031610311035.pdf. Acesso em: 22 set. 2019.

WADA, Y. et al. Biallelic GALM pathogenic variants cause a novel type of galactosemia. Genetics in Medicine, v. 21, n. 6, p. 1286-1294, 2019. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41436-018-0340-x. Acesso em: 10 nov. 2019.

WALSH, J. et al. Differentiating milk allergy (IgE and non-IgE mediated) from lactose intolerance: understanding the underlying mechanisms and presentations. Br J Gen Pract, v. 66, n. 649, p. e609-e611, 2016. Disponível em: https://bjgp.org/content/66/649/e609.short. Acesso em: 11 nov. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Infant and young child nutrition: global strategy on infant and young child feeding. Geneva: WHO, 2000. Disponível em: https://www.who.int/nutrition/topics/infantfeeding_recommendation/en/. Acesso em: 5 set 2019.

Publicado

27/08/2020

Como Citar

SANTOS, B. O. dos; LIMA, L. F. de . Galactosemia, intolerância à lactose e alergia à proteína do leite: compreensão dos mecanismos fisiopatológicos na primeira infância e suas respectivas prescrições nutricionais. Temas em Educação e Saúde (Themes in Education and Health), Araraquara, v. 16, n. 2, p. 500–512, 2020. DOI: 10.26673/tes.v16i2.13747. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13747. Acesso em: 17 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos