A percepção de escolares sobre o Programa Saúde na Escola avaliada por desenhos e narrativas: um estudo de caso em Belo Horizonte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.14215

Palavras-chave:

Narrativas infantis, Promoção da saúde, Colaboração intersetorial, Saúde escolar, Educação infantil

Resumo

O Programa Saúde na Escola é uma política intersetorial, resultado do trabalho entre o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação, cuja finalidade é ampliar as ações de saúde aos escolares da rede pública. As escolas participantes devem incluir no projeto político pedagógico escolar os temas das atividades em saúde desenvolvidas no Programa, de modo a atender às expectativas dos professores e escolares. Os temas são abordados para facilitar o aprendizado e devem ser adequados às fases do desenvolvimento do escolar. Estudo qualitativo, realizado em 2016, com o objetivo de investigar as percepções dos escolares em relação às atividades desenvolvidas pelo Programa Saúde na Escola em Belo Horizonte, Brasil. A coleta de dados foi realizada utilizado desenho acompanhado de narrativa oral, com participantes na faixa etária de seis a dez anos. Foi possível demonstrar que os escolares puderam receber informações e compreendê-las, a ponto de poder reproduzi-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Piana Santos Lima de Oliveira, Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMOC), Montes Claros – MG

Docente nos cursos de Odontologia e Medicina e Gerente do Núcleo de Atenção à Saúde e Práticas Profissionalizantes (NASPP). Doutorado em Odontologia em Saúde Coletiva (UFMG).

César Rota Júnior, Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMOC), Montes Claros – MG

Docente de disciplinas no campo da Psicologia Escolar/Educacional e orientador de trabalhos de pesquisa no âmbito da Iniciação Científica. Doutorado em Educação (UFMG).

Andrea Maria Duarte Vargas, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte – MG

Professora Titular da Faculdade de Odontologia. Doutorado em Ciência Animal (UFMG).

Zulmira Hartz, Universidade Nova de Lisboa (UNL), Lisboa

Professora Associada e Coordenadora da Unidade Curricular de Avaliação em Saúde no Programa de Doutoramento em Saúde Internacional, Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT/UNL). Pós-Doutorado em Saúde Comunitária pela École Nationale de Santé Publique ENSP) – França.

Sónia Dias, Universidade Nova de Lisboa (UNL), Lisboa

Professora na Escola Nacional de Saúde Pública (UNL) e Professora Associada com Agregação do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (UNL). Doutorado em Saúde Internacional (UNL).

Efigênia Ferreira e Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte – MG

Professora Titular da Faculdade de Odontologia e Professora Permanente no Programa de Pós-Graduação em Odontologia. Doutorado em Ciência Animal (UFMG).

Referências

ANGELL, C.; ALEXANDER, J.; HUNT, J. A. ‘Draw, write and tell’: A literature review and methodological development on the ‘draw and write’ research method. Journal of Early Childhood Research. v. 13, n. 1, p. 17-28, 2015. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1476718X14538592. Acesso em: 23 abr. 2017.

ARAÚJO, L. F.; TAVARES, H. M. A significação do desenho infantil e a percepção do professor. RECS. v. 2, n. 1, p. 9-17, 2011. Disponível em: http://www.sociais.ufu.br/recs/v2n1/9-17. Acesso em: 04 jan. 2018.

BONELL, C. P. et al. Theories of how the school environment impacts on student health: Systematic review and synthesis. Health Place. v. 24, p. 242-249, 2013. Disponível em: http://europepmc.org/article/med/24177419. Acesso em: 21 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Programa Saúde na Escola (PSE). Política Nacional de Atenção Básica. Saúde na Escola. Caderno do Gestor do PSE. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/caderno_gestor_pse. Acesso em: setembro de 2016.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF: Poder Executivo, p. 2, 06 dez. 2007.

BUBADUÉ, R. M. et al. Análise normativa sobre a voz da criança na legislação brasileira de proteção à infância. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 37, n. 4, p. 1-9, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.04.58018

FARGAS, M. M. et al. Research with children: methodological issues and innovative techniques. Journal of Early Childhood Research, v. 8, n. 2, p. 175-192, 2010. DOI: https://doi.org/10.1177%2F1476718X09345412

JUNQUEIRA, L. A. P. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde soc., São Paulo, v. 13, n. 1, p. 25-36, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100004

KISHIMOTO, T. M.; SANTOS, M. L. R.; BASÍLIO, D. R. Narrativas infantis: um estudo de caso em uma instituição infantil. Educação e Pesquisa., v. 33, n. 3, p. 427-444, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v33n3/a03v33n3.pdf. Acesso em: 30 mar. 2017.

KOMULAINEN, S. The ambiguity of the child’s ‘voice’ in social research. Childhood, v. 14, n. 1, p. 11-28, 2007. DOI: https://doi.org/10.1177%2F0907568207068561

LA PASTINA, C. C.; DURTE, M. L. B. Reflexões sobre desenho infantil, memória e percepção. Revista Contrapontos. Itajaí, v. 8, n. 1, p. 113-128, 2008. Disponível em: http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/940. Acesso em: 03 maio 2017.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007

NATIVIDADE, M. R.; COUTINHO, M. C.; ZANELLA, A. V. Desenho na pesquisa com crianças: análise na perspectiva histórico-cultural. Contextos Clínic, São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 9-18, 2008. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822008000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 25 jul. 2020.

OLIVEIRA, J. P. et al. Produção de conhecimento sobre narrativas orais: contribuições para as investigações em linguagem infantil. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 207-214, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000108

PEREIRA, L. T. K. O desenho infantil e a construção da significação: um estudo de caso. 2016. Disponível: https://www.researchgate.net/publication/268324355_O_desenho_infantil_e_a_construcao_da_significacao_um_estudo_de_caso_Children's_drawing_and_the_construction_of_meaning_case_study. Acesso em: 16 maio 2017.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (PBH). Manual Operacional do Programa Saúde na Escola (PSE). Belo Horizonte, MG: Secretaria Municipal de Educação/Secretaria Municipal de Saúde, 2014. 72 p.

RODRIGUES, M. R. F.; QUEIROZ, S. S.; ALENCAR, H. M. Possíveis influências da elaboração de desenhos sobre narrativas infantis. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, v. 12, n. 1, p. 203-219, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572008000100014

SANTOS, I. G. et al. Percepção dos educadores e coordenadores de uma creche sobre processo educativo em saúde desenvolvido com abordagem multiprofissional. Rev. APS, Juiz de Fora, v. 12, n. 4, p. 409-419, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14196. Acesso em: 19 fev. 2019.

SANTOS, S. Estudo de caso: a interpretação do desenho infantil. Revista da Escola Superior de Educação de Castelo Branco, Castelo Branco (Portugal), v.1, p. 73-82, 2013. Disponível em: http://educare.ese.ipcb.pt/index.php/educare/issue/view/1/showToc. Acesso em: 14 fev. 2016.

SILVA, N. M. V.; VASCONCELOS, A. N. O self dialógico no desenho infantil. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 346-56, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000200015

SILVA, D. G. V; TRENTINI, M. Narrativas como técnica de pesquisa em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 10, n. 3, p. 423-432, 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692002000300017

SOUZA, A. A. et al. Educação e saúde na escola. Belo Horizonte: CAED-UFMG, 2011, 293 p.

SOUZA, C. F. II Circuito Batistano de Estudos Pedagógicos (CBEP). Leitura e interpretação do desenho infantil. Apostila 2. Colégio Batista, 2010. Disponível em: http://docplayer.com.br/13762810-Ii-cbep-circuito-batistano-de-estudos-pedagogicos-apostila-2-leitura-e-interpretacao-do-desenho-infantil.html. Acesso em: 22 fev. 2015.

SPYROU, S. The limits of children’s voice: from authenticity to critical, reflexive representation. Childhood, v. 18, n. 2, p. 151-165, 2011. DOI: https://doi.org/10.1177%2F0907568210387834

VYGOTSKI, L. S. La imaginación y el arte en la infancia. 4. ed. Madrid: Akal, 1998. 127 p.

WATER, T. et al. Participatory art based research with children’s to gain their perspectives on designing health care environments. Contemp Nurse, v. 53, n. 4, p. 1-18, 2017. DOI: https://doi.org/10.1080/10376178.2017.1339566

Publicado

20/04/2021

Como Citar

OLIVEIRA, F. P. S. L. de; ROTA JÚNIOR, C.; VARGAS, A. M. D.; HARTZ, Z.; DIAS, S.; FERREIRA, E. F. e. A percepção de escolares sobre o Programa Saúde na Escola avaliada por desenhos e narrativas: um estudo de caso em Belo Horizonte. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.14215. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/14215. Acesso em: 11 maio. 2021.