O acesso da comunidade surda aos serviços de saúde: mãos que falam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.15169

Palavras-chave:

LIBRAS, Acesso aos serviços de saúde, Barreiras de comunicação, Equidade em saúde

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo analisar pesquisas bibliográficas, sobre as principais dificuldades e obstáculos enfrentados pela comunidade surda no acesso aos serviços de saúde. Trata-se de uma revisão de literatura, considerando publicações publicadas entre 2001 e 2020, encontradas através de descritores controlados nas bases de dados: BVS, Lilacs, Biblioteca da USP e Biblioteca da UERJ. Percebemos um despreparo na assistência à saúde de pacientes surdos devido à falta de profissionais de saúde capacitados para atendê-los através da Língua de Sinais ou até pela ausência de intérpretes de Libras disponíveis nos serviços de saúde. É essencial que haja a conscientização dos profissionais e estudantes de saúde acerca do atendimento de qualidade ao paciente surdo e o incentivo à implantação do estudo de Libras no conteúdo programado das graduações na área de saúde para facilitar a interação profissional-paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicole Lira Melo Ferreira, Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), Recife – PE

Graduanda em Medicina.

Izabelly Correia dos Santos Brayner, Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), Recife – PE

Professora Assistente II. Doutorado em Ciências da Linguagem (UNICAP).

Referências

BRASIL. Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida e dá outras providências. Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm. Acesso em: 10 dez. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 11 out. 2020.

CAVAGNA, V. M. et al. O paciente surdo e suas vivências no sistema de saúde: uma interface com a enfermagem. Rev. Enferm. Atual In Derme, v. 80, n. 18, 2017. Disponível em: https://revistaenfermagematual.com.br/index.php/revista/article/view/345. Acesso em: 10 out. 2020.

FRANÇA, E. G. et al. Dificuldades de profissionais na atenção à saúde da pessoa com surdez severa. Cienc. enferm, v. 22, n. 3, p. 107-116, set. 2016. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v22n3/0717-9553-cienf-22-03-00107.pdf. Acesso em: 25 nov. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

IBGE. Censo Demográfico: 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 15 nov. 2020.

MACHADO, W. C. A. et al. Língua de sinais: como a equipe de enfermagem interage para cuidar de clientes surdos? Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), v. 5, n. 3, p. 283-292, jul./set. 2013. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-683564. Acesso em: 27 nov. 2020.

MACHADO, W. C. A. et al. The search for Brazilian sign language course: a descriptive exploratory study. Online Braz. J. Nurs., v. 11, n. 2, ago. 2012. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3664. Acesso em: 28 nov. 2020.

MOURA, R. S. et al. A língua brasileira de sinais como disciplina obrigatória na graduação em enfermagem: opiniões dos discentes. Rev. Enferm. Atenção Saúde, v. 8, n. 1, p. 71-80, jan./jul. 2019. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/3012. Acesso em: 13 nov. 2020.

PERNAMBUCO. Lei n. 17.029, de 18 de agosto de 2020. Garante o direito à presença de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais LIBRAS durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, nos hospitais, maternidades, casas de parto e estabelecimentos similares da rede pública e privada de saúde do Estado de Pernambuco. Recife, PE: Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco, 2020. Disponível em: https://legis.alepe.pe.gov.br/texto.aspx?id=51556. Acesso em: 10 dez. 2020.

SANCHES, I. C. B. et al. O papel do enfermeiro frente ao paciente surdo. Rev. Enferm. UFPE online, v. 13, n. 3, p. 858-862, mar. 2019. Disponível em https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1015888. Acesso em: 13 dez. 2020.

STROBEL, K. História da educação dos surdos. Texto-base do curso de Licenciatura em Letras/Libras. Florianópolis: UFSC, 2009. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducac aoDeSurdos/assets/258/TextoBase_HistoriaEducacaoSurdos.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

Publicado

19/08/2021

Como Citar

FERREIRA, N. L. M.; BRAYNER, I. C. dos S. O acesso da comunidade surda aos serviços de saúde: mãos que falam. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021016, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.15169. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/15169. Acesso em: 19 set. 2021.