Terapia comunitária integrativa

Expectativas e motivações de estudantes em relação à formação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v18i00.16206

Palavras-chave:

Terapia comunitária integrativa, Formação em saúde, Integralidade em saúde, Serviços de saúde comunitária, Promoção da saúde

Resumo

Terapia Comunitária Integrativa (TCI) é um recurso que promove escuta acolhedora e empoderamento pessoal e comunitário. Na formação em TCI, o estudante é preparado para o exercício da prática. Visamos identificar as expectativas e motivações dos estudantes em relação à formação em TCI. Foi utilizado para coleta de dados um questionário composto por questões abertas. As respostas foram analisadas por meio da técnica Análise Textual Discursiva (ATD). Os resultados reportaram que os estudantes chegam à formação em TCI buscando uma técnica para intervenção coletiva, visando o aprimoramento profissional nos campos da saúde e educação, com enfoque na saúde mental de grupos e territórios vulneráveis. Consideramos que a TCI pode contribuir para o campo da saúde e educação e outros contextos, pois contempla a conjuntura sócio-histórica, cultural e econômica para a produção do cuidado. Além disso, a prática fomenta o exercício da cidadania, o empoderamento pessoal e coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauriane Martins Santana, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Mestranda em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Ensino em Biociências e Saúde.

Sheila Soares de Assis, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Pós-doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ensino em Biociências e Saúde.

Tania Cremonini de Araujo-Jorge, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Pesquisadora Titular em Saúde Pública. Diretora do Instituto Oswaldo Cruz. Doutorado em Ciências (UFRJ).

Referências

ABRATECOM. Caderno Orientador n. 2: Capacitação em Terapia Comunitária Integrativa e capacitação em Técnicas de Resgate da Autoestima - Cuidando do cuidador. Itálico, 2019.

ALMEIDA-FILHO, N. A problemática teórica da determinação social da saúde. In: NOGUEIRA, R. P. (org.). Determinação social da saúde e Reforma sanitária. Rio de Janeiro: CEBES, 2010.

AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. 3. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

ANDRES, F. C. et al. A utilização da plataforma Google forms em pesquisa acadêmica: Relato de experiência. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, e284997174, 2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/7174. Acesso em: 25 set. 2021.

AZANKI, H. C. T. P. et al. Educação permanente e clínica ampliada: Um novo paradigma de cuidado. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 1, p. 4624-4629, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/23051/18525. Acesso em: 02 out. 2021.

AKERMAN, M.; FEUERWERKER, L. Estou me formando (ou me formei) e quero trabalhar: Que oportunidades o sistema de saúde me oferece na saúde coletiva? Onde posso atuar e que competências preciso desenvolver? In: CAMPOS, G. W. S. et al. (org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

AKERMAN, M.; ROCHA, D. G. A produção do cuidado: Há espaços para a promoção da saúde? In: SÁ, M. C.; TAVARES, M. F. L.; DE SETA, M. H. (org.). Organização do cuidado e práticas de saúde: Abordagens, pesquisa e experiências em ensino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018.

BARRETO, A. Terapia Comunitária passo a passo. 4. ed. Fortaleza: LCR, 2010.

BARRETO, A. Cuidando do cuidador: Técnicas e vivências para o resgate da autoestima. Fortaleza: LCR, 2017.

BARROS, M. E. B.; CESAR, J. M. A saúde em práticas de cuidado: Dialogia e cogestão. In: SÁ, M. C.; TAVARES, M. F. L.; DE SETA, M. H. (org.) Organização do cuidado e práticas de saúde: Abordagens, pesquisa e experiências em ensino [livro eletrônico]. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018.

BITENCOURT, R. R. et al. O processo de formação em saúde: Uma análise dos planos de ensino das atividades curriculares obrigatórias. Saberes Plurais: educação na saúde. Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 62-78, ago. 2020. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/saberesplurais/article/view/102022/57926. Acesso em: 01 out. 2021.

BRASIL. Portaria n. 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html. Acesso em: 12 jan. 2022.

BRASIL. Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html. Acesso em: 20 jan. 2022.

BRASIL. Portaria de Consolidação n. 2, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: https://www.saude.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2020-05/10_portaria_de_consolidacao_n_2_2017_contratualizacao_cosems.pdf. Acesso em: 17 jan. 2022.

CARDOZO, P. S. et al. Agir educativo-comunicativo na relação de assistentes sociais com familiares e usuários: A integralidade no cuidado em saúde mental. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 160-173, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v28n4/1984-0470-sausoc-28-04-160.pdf. Acesso em: 01 abr. 2021.

CARVALHO, Y. M. C.; CECCIM, R. B. Formação e educação em saúde: Aprendizados com a saúde coletiva. In: CAMPOS, G. W. S. et al. (org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Conscientização - teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

FLENIK, M. O poder dos cidadãos no paradigma intersubjetivo habermasiano. Revista Brasileira de Filosofia do Direito, Salvador, v. 4, n. 1, p. 19-39, jan./jun. 2018. Disponível em: https://www.indexlaw.org/index.php/filosofiadireito/article/view/4058/pdf. Acesso em: 09 out. 2021.

GOMES, D. O. A expansão da Terapia Comunitária Integrativa no Brasil e sua inserção nas políticas públicas nacionais. 2013. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) – Universidade Federal do Ceará, Sobral, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/26387. Acesso em: 02 abr. 2022.

HABERMAS, J. La soberanía popular como procedimento. Cuadernos Políticos, México, n. 57, p. 53-69, maio/ago. 1989. Disponível em: http://www.cuadernospoliticos.unam.mx/cuadernos/contenido/CP.57/CP57.7JurgenHabermas.pdf. Acesso em: 22 abr. 2021.

HABERMAS. J. Teoria do agir comunicativo: Racionalidade da ação e racionalização social. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

MATA, C. C.; OLIVEIRA, F. G.; BARROS, V. A. Experiência, atividade, corpo: Reflexões na confluência da psicossociologia do trabalho e ergologia. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 23, n. 1, p. 361-373, jan. 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v23n1/v23n1a21.pdf. Acesso em: 03 out. 2021.

MELO, W. V.; BIANCHI, C. S. Discutindo estratégias para a construção de questionários como ferramenta de pesquisa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 8, n. 3, p. 43-59, maio/ago. 2015. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/1946/2179. Acesso em: 20 set. 2021.

MERHY, E. E. et al. Rede básica, campo de forças e micropolítica: Implicações para a gestão e cuidado em saúde. Saúde e Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. esp. 6, p. 70-83, dez. 2019. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/sdeb/2019.v43nspe6/70-83/pt. Acesso em: 09 out. 2021.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2016.

OLIVEIRA, R. N. C. O agir comunicativo no contexto das práticas de educação em saúde. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 106, p. 267-283, abr./jun. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n106/n106a05.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

PERLATTO, F. Habermas, a esfera pública e o Brasil. Estudos Políticos, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 78-94, 2012. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revista_estudos_politicos/article/view/38620/22144. Acesso em: 09 abr. 2021.

PETTRES, A. A.; DA ROS, M. A. A determinação social da saúde e a promoção da saúde. Arquivos Catarinenses de Medicina, Florianópolis, v. 47, n. 3, p. 183-196, 2018. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/375/282. Acesso em: 01 out. 2021.

SANTANA, L. M.; ASSIS, S. S.; ARAUJO-JORGE, T. C. A Promoção da Saúde e Terapia Comunitária Integrativa: Por uma visão holística sobre o cuidado em saúde na perspectiva dos recursos educacionais. Revista Interdisciplinar em saúde, Cajazeiras, v. 8, n. único, p. 314-332, 2021. Disponível em: http://www.interdisciplinaremsaude.com.br/Volume_29/Trabalho_23_2021.pdf. Acesso em: 01 out. 2021.

SCHUBERT, C.; GEDRAT, D. C. Racionalidade comunicativa como meio de promover relações humanizadas no campo da saúde: Um olhar segundo Habermas. Aletheia, v. 49, n. 2, p. 64-75, jul./dez. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/v49n2/v49n2a08.pdf. Acesso em: 04 out. 2021.

TAVARES, M. F. L.; ROCHA, R. M.; CASTRO, A. M. O cuidado: Uma reflexão crítica à luz dos princípios e valores da promoção da saúde. In: SÁ, M. C.; TAVARES, M. F. L.; DE SETA, M. H. (org.). Organização do cuidado e práticas de saúde: Abordagens, pesquisa e experiências em ensino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

SANTANA, L. M.; ASSIS, S. S. de; ARAUJO-JORGE, T. C. de. Terapia comunitária integrativa: Expectativas e motivações de estudantes em relação à formação. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 18, n. 00, p. e022009, 2022. DOI: 10.26673/tes.v18i00.16206. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/16206. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação