Respondendo às necessidades de saúde mental de crianças em um serviço de saúde pública no Brasil

O uso da dança em uma intervenção psicossocial grupal piloto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v19i00.17654

Palavras-chave:

Criança, Saúde pública, Ludoterapia, Dança, Determinantes sociais da saúde

Resumo

A pandemia da COVID-19 intensificou ainda mais a já substancial demanda por tratamento psicológico destinado a crianças. Entretanto, no Brasil e em diversas nações, há uma carência de recursos e tratamentos direcionados à saúde mental infantil que se embasem em evidências empíricas. Diante desse cenário, foi realizado uma avaliação da eficácia de uma abordagem psicossocial grupal piloto denominada “Grupo Operativo Lúdico” (GOL) em um serviço público de saúde. Esse modelo visa não somente promover a saúde mental, mas também contribuir para o incremento da equidade por meio do reconhecimento dos determinantes sociais da saúde. No intuito de mensurar os problemas comportamentais, uma análise fundamentada no princípio da Intenção de Tratar foi empregada. Contudo, essa análise não evidenciou a eficácia da intervenção, no entanto, por meio de uma análise compreensiva de casos, constatou-se que o programa teve impacto positivo sobre as problemáticas internalizantes observadas nas crianças. O modelo GOL apresenta uma particularidade marcante, visto que se destaca como um dos escassos métodos que incorpora a dança em sua abordagem. A dança possui o potencial de fomentar a expressão de sentimentos e de expandir a percepção corporal. Os achados deste estudo sugerem a viabilidade e a relevância da utilização do movimento corporal e da dança como componentes eficazes em intervenções psicossociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Bartira Meirelles-Santos, Universidade Estadual de Campinas

Psicóloga social e dançarina. Prefeitura de Valinhos/SP.

Joel Giglio Sales, Universidade Estadual de Campinas

Professor Associado do Departamento de Psiquiatria.

Referências

ACHENBACH, T. M.; RESCORLA, L. A. Manual for the ASEBA school-age forms & profiles: an integrated system of multi-informant assessment. Burlington, Vermont: ASEBA, 2001.

ARMSTRONG, R. A. When to use the Bonferroni correction. Ophthalmic Physiol Opt, v. 34, n. 5, p. 502–508, 2014. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/opo.12131. Acesso em: 24 mai. 2023

CIAMPA, A. C. A história de Severino e a história de Severina - Um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1987.

D’OTTAVIANO, I. M. L.; BRESCIANI, E. F. Basic concepts of systemics. In: PEREIRA JR, A.; PICKERING, W. A.; GUDWIN, R. R. (ed.). Systems, self-organization, and information: an interdisciplinary perspective. London: Routledge, 2019. p. 47–63.

DEL PRETTE, Z. A. P.; DEL PRETTE, A. Psicologia das habilidades sociais na infância: teoria e prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ENDERS, C. K. Multiple imputation as a flexible tool for missing data handling in clinical research. Behav Res Ther, v. 98, p. 4–18, 2017. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0005796716301954. Acesso em: 24 maio 2023.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GUIMARÃES, C. A.; COSTA, C. S. L.; LESSA, T. C. R. Avaliação e manejo de habilidades sociais e problemas de comportamento em crianças pré-escolares com deficiência. Temas em Educ. e Saúde, Araraquara, SP, v. 18, n. 00, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2526-3471. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/15877. Acesso em: 24 maio 2023.

INSTITUTO AYRTON SENNA. Mapeamento socioemocional. São Paulo: Instituto Ayrton Senna, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2022. Disponível em: https://institutoayrtonsenna.org.br/app/uploads/2022/12/IAS_SaudeMental_2022-1.pdf. Acesso em: 15 maio 2022.

KENWARD, M. G.; CARPENTER, J. Multiple imputation: current perspectives.

Stat Methods Med Res, v. 6, n. 3, p. 199–218, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/6217387_Multiple_Imputation_Current_Perspectives. Acesso em: 24 maio 2023.

LABAN, R. Dança educacional moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

LANGER, R. J. Grupos clínicos con niños: teoría y técnica. Buenos Aires: Trieb, 1983.

LI, P.; STUART, E. A.; ALLISON, D. B. Multiple imputation: a flexible tool for handling missing data. Jama, v. 314, n. 18, p. 1966–1967, 2015. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2468879. Acesso em: 24 maio 2023.

MEIRELLES-SANTOS, M. B. Singularidades do Projeto de Vida: trincheiras de jovens que estiveram nas ruas. 1995. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1995.

MUTHÉN, L. K.; MUTHÉN, B. O. Mplus user’s guide. 8. ed. Los Angeles: Muthén & Muthén, 2017.

PAULA, C.S. et al. How to improve the mental health care of children and adolescents in Brazil: actions needed in the public sector. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 34, n. 3, p. 334-351, 2012.

PEREIRA, A. L. et al. O SUS no seu município: garantindo saúde para todos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

POLANCZYK, G. V. et al. Annual research review: a meta-analysis of the worldwide prevalence of mental disorders in children and adolescents. Journal of Child Psychology and Psychiatry, v. 56, n. 3, p. 345−365, 2015. Disponível em: https://acamh.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jcpp.12381. Acesso em: 24 maio 2023.

RUBIN, D. B. Multiple imputation for nonresponse in surveys. Hoboken: Wiley, 2004.

SIU, A. F. Effectiveness of Group Theraplay® on enhancing social skills among children with developmental disabilities. International Journal of Play Therapy, v. 23, n. 4, 2014. Disponível em: https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2Fa0038158. Acesso em: 24 maio 2023.

SWEENEY, D. S.; BAGGERLY, J.; RAY, D. C. Group play therapy: a dynamic approach. New York: Routledge, 2014.

WEBB, N. B. Play and expressive therapies to help bereaved children: Individual, family, and group treatment. Smith College Studies in Social Work, v. 73, n. 3, p. 405–422, 2003. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00377310309517694. Acesso em: 24 maio 2023.

Publicado

01/09/2023

Como Citar

MEIRELLES-SANTOS, M. B.; SALES, J. G. Respondendo às necessidades de saúde mental de crianças em um serviço de saúde pública no Brasil: O uso da dança em uma intervenção psicossocial grupal piloto. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 19, n. 00, p. e023006, 2023. DOI: 10.26673/tes.v19i00.17654. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/17654. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Área da Saúde