Artesãs e cooperativas: a construção social do interesse na ação cooperada na economia do artesanato no Maranhão

Autores

  • Luciany Fusco Sereno Universidade Estadual do Maranhão http://orcid.org/0000-0002-8417-984X
  • Paulo Fernandes Keller Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Cidade Universitária Paulo VI, São Luís – MA – Brasil.

Palavras-chave:

Artesanato, Cooperação, Maranhão,

Resumo

O trabalho faz uma análise sociológica da construção social do interesse das artesãs em participar de associações e/ou de cooperativas. Investigam-se ainda as principais vantagens e obstáculos que a ação cooperada enfrenta na economia do artesanato. O trabalho traz reflexões sobre a ação cooperada (a cooperação na produção familiar, na comunidade e na cooperativa) enquanto uma ação social econômica que se encontra na base da organização cooperativa. O estudo de caso foi realizado na cidade de Barreirinhas-MA junto a grupos de artesãs associadas e não associadas na Cooperativa das Artesãs dos Lençóis Maranhenses (ARTECOOP). A pesquisa mostra que a grande maioria das artesãs não participa da cooperativa devido a condições culturais (falta incentivos para estimular a cultura da cooperação) e condições socioeconômicas precárias, mas não deixam de cooperar na comunidade com outras artesãs e na família, isso faz parte da cultura local. A cooperação existe em diferentes contextos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciany Fusco Sereno, Universidade Estadual do Maranhão

Possui Mestradoem Desenvolvimento Socioespacial e Regional pela Universidade Estadual do Maranhão (2016). Graduada em Ciências Sociais na Universidade Federal do Maranhão. Participou do Grupo de Estudos e Pesquisas Trabalho e Sociedade ? GEPTS - UFMA. Integrou a Equipe de Pesquisa do Projeto ?Trabalhadores Artesãos na Sociedade Contemporânea: Uma análise do trabalho e da produção artesanal a base de fibra de Buriti nas Cidades de Barreirinhas e Tutóia? Maranhão?. Participou do Programa de Iniciação Cientifica PIBIC-V desenvolvendo o Plano de Trabalho: ?Interesses e motivações do trabalho associado e cooperado na economia do artesanato do Maranhão? sob orientação do Professor Dr. Paulo Keller do Departamento de Sociologia da UFMA

Referências

BOURDIEIU, Pierre. É possível um ato desinteressado? In: Razão Pratica. Sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

BOURDIEIU, Pierre. O Campo Econômico. Revista Política e Sociedade. UFCS. V.4; N.6; 2005.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

KELLER, Paulo F. Trabalho artesanal e cooperado: realidades, mudanças e desafios. Rev. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 29-40, jan./jun. 2011.

LIMA, Ricardo G. Entrevista: Artesanato em Debate. Rev. de Pós- graduação em Ciências Sociais. v.8, n.15, jan./jun. 2011 (a).

LIMA, Jacob C. O trabalho autogestionário em cooperativas de produção: o paradigma revisitado. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Anpocs, São Paulo, v. 19, n. 56, Out. 2004.(b)

LIMA, Jacob C. Cooperativas de Trabalho. In: HESPANHA, Pedro (et al.) Dicionário internacional da outra economia. Coimbra, Portugal: Almedina, 2009.

MARX, Karl. O Capital - Crítica da Economia Política. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MILLS, Wright. O ideal do artesanato. In: Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

SEBRAE. Artesanato: Um negócio genuinamente brasileiro. Brasília: SEBRAE, 2008.

SEBRAE. Termo de referência para o comércio justo. Brasília: SEBRAE, 2005.

SEBRAE. Cooperativa: Série Empreendimentos Coletivos. Minas Gerais: SEBRAE, 2009.

SENNETT, Richard. Juntos: Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de Janeiro, RJ: Record, 2012.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro, RJ: Record, 2008.

SWEDBERG, Richard. Max Weber e a ideia de sociologia econômica. RJ: Ed. da UFRJ, 2005.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília: UnB, 1991.

WEBER, Max. Ensaio de Sociologia. Tradução de Amélia Conh e Gabriel Conh. 2° ed. São Paulo: Ática, 1982.

TURNER, Victor. Floresta de símbolos. Niterói: EdUFF, 2005.

Downloads

Publicado

16/11/2017