A pesquisa sobre energias renováveis nas ciências humanas: em busca de marcos analíticos a respeito de transições energéticas para sustentabilidade

Guilherme de Queiroz Stein

Resumo


Nesse artigo, propõe-se uma revisão da literatura sobre energias renováveis, através de dados bibliométricos, coletados em quatro repositórios (Google Scholar, Scielo, Redalyc, Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES), de modo a traçar um panorama da produção científica sobre a temática. Os resultados apontam para uma consolidação da pesquisa brasileira sobre a temática, especialmente nas áreas de Engenharias, Multidisciplinar, Ciências Agrárias e Ciências Sociais Aplicadas. Essa consolidação não foi acompanhada pela grande área de Ciências Humanas, a qual não construiu uma agenda de pesquisa que acompanhasse a literatura internacional. Na segunda parte do artigo, são apresentados três frameworks que podem contribuir para suprir essa lacuna, especialmente nas áreas de Sociologia, Ciência Política e Políticas Públicas. Conclui-se afirmando a necessidade de se ampliar a pesquisa sobre a realidade latino-americana e realizar estudos comparativos sobre fatores políticos e institucionais que impactam processos de transições energéticas para sustentabilidade.


Palavras-chave


Energias Renováveis; Transições Sociotécnicas para Sustentabilidade; Policy Mix; Economia Política Comparada;

Texto completo:

PDF

Referências


BAYER, Patrick; URPELAINEN, Johannes. It Is All about Political Incentives: Democracy and the Renewable Feed-in Tariff. The Journal of Politics, [s. l.], v. 78, n. 2, p. 603–619, 2016.

BERKHOUT, Frans; SMITH, Adrian; STIRLING, Andy. Socio-technological Regimes and Transitions Contexts. In: ELZEN, Boelie; GEELS, Frank W.; GREEN, Ken (Eds.). System Innovation and Transition to Sustainability: Theory, Evidence and Policy. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2004.

BURKE, Matthew J.; STEPHENS, Jennie C. Political power and renewable energy futures: A critical review. Energy Research and Social Science, [s. l.], v. 35, n. November 2017, p. 78–93, 2018. Disponível em:

CADORET, Isabelle; PADOVANO, Fabio. The political drivers of renewable energies policies. Energy Economics, [s. l.], v. 56, n. 2016, p. 261–269, 2016. Disponível em:

DEMIRBAS, Ayhan. Political, economic and environmental impacts of biofuels: A review. Applied Energy, [s. l.], v. 86, n. SUPPL. 1, p. S108–S117, 2009. Disponível em:

EDMONDSON, Duncan L.; KERN, Florian; ROGGE, Karoline S. The co-evolution of policy mixes and socio-technical systems: Towards a conceptual framework of policy mix feedback in sustainability transitions. Research Policy, [s. l.], 2018. Disponível em:

EPE. Balanço Energético Nacional 2019. Relatório Síntese/ Ano Base 2018. Rio de Janeiro. Disponível em: .

ERBER, Pietro. O Desafio de Fontes Renováveis Intermitentes. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 maio. 2019.

FRANKFURT SCHOOL-UNEP CENTRE/BNEF. Global Trends in Renewable Energy Investment 2017. Frankfurt.

FREY, Klaus. Políticas Públicas: Um Debate Conceitual e Reflexões Referentes à Prática Da Análise De Políticas Públicas No Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, [s. l.], n. 21, p. 212–260, 2000.

GEELS, Frank W. The multi-level perspective on sustainability transitions: Responses to seven criticisms. Environmental Innovation and Societal Transitions, [s. l.], v. 1, n. 1, p. 24–40, 2011. Disponível em:

GEELS, Frank W. Regime Resistance Against Low-Carbon Transitions: Introducing Politics and Power into the Multi-Level Perspective. Theory, Culture & Society, [s. l.], v. 31, n. 5, p. 21–40, 2014.

GEELS, Frank W. et al. The enactment of socio-technical transition pathways: A reformulated typology and a comparative multi-level analysis of the German and UK low-carbon electricity transitions (1990-2014). Research Policy, [s. l.], v. 45, n. 4, p. 896–913, 2016. Disponível em:

KIVIMAA, Paula; KERN, Florian. Creative destruction or mere niche support? Innovation policy mixes for sustainability transitions. Research Policy, [s. l.], v. 45, p. 205–217, 2016.

LUND, Henrik. Renewable energy strategies for sustainable development. Energy, [s. l.], v. 32, n. 6, p. 912–919, 2007.

MME/EPE. Plano Decenal de Expansão de Energia 2026. Brasília.

OSTROM, Elinor. A General Framework for Analyzing Sustainability of Social-Ecological Systems. Science, [s. l.], v. 325, n. 5939, 2009.

REN21. Renewbles in Cities - 2019 Global Status Report. Paris. Disponível em: .

RITCHIE, H.; ROSER, M. Renewable Energy. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2019.

ROGGE, Karoline S.; REICHARDT, Kristin. Policy mixes for sustainability transitions: An extended concept and framework for analysis. Research Policy, [s. l.], v. 45, n. 8, p. 1620–1635, 2016. Disponível em:

SCRUGGS, Lyle A. Institutions and Environmental Performance in Seventeen Western Democracies. British Journal of Political Science, [s. l.], v. 29, n. 1, p. 1–31, 1999.

SEQUEIRA, Tiago Neves; SANTOS, Marcelo Serra. Renewable energy and politics: A systematic review and new evidence. Journal of Cleaner Production, [s. l.], v. 192, p. 553–568, 2018. Disponível em:

SOLANGI, K. H. et al. A review on global solar energy policy. Renewable and Sustainable Energy Reviews, [s. l.], v. 15, n. 4, p. 2149–2163, 2011.

SOVACOOL, Benjamin K. Diversity: Energy studies need social science. Nature, [s. l.], v. 511, n. 7511, p. 529–530, 2014. a.

SOVACOOL, Benjamin K. What are we doing here? Analyzing fifteen years of energy scholarship and proposing a social science research agenda. Energy Research and Social Science, [s. l.], v. 1, p. 1–29, 2014. b. Disponível em:




Direitos autorais 2020 Compartilhado Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2359-2419 (números publicados a partir de junho 2016)

ISSN: 1415-0689 (encerrado em junho de 2016).

Email: cadernosdecampo.fclar@unesp.br 

A Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais faz parte de um amplo grupo de periódicos internacionais que aderiram à Declaração de San Francisco sobre Avaliação da Pesquisa (DORA). Criado por um grupo de editores de periódicos acadêmicos, durante um evento cientifico, na cidade de São Francisco/EUA, em 2012, esse movimento exige novas formas de avaliação da produção cientifica por parte das agências de financiamento e instituições acadêmicas. Maiores informações sobre a DORA podem ser obtidas clicando no link: https://sfdora.org/