A política industrial na Coreia do Sul e no Brasil durante o paradigma tecnológico da microeletrônica

Hermano Caixeta Ibrahim

Resumo


Uma vez que a atuação estatal via políticas econômicas é fundamental para o avanço tecnológico e produtivo de um país, o presente trabalho apresenta a trajetória da política industrial sul-coreana e brasileira ao longo do paradigma tecnológico da microeletrônica. O objetivo é explicar como o país oriental conseguiu as capacidades produtivas e tecnológicas ao longo de seis planos quinquenais de desenvolvimento econômico, em especial no setor de microeletrônica. No caso do Brasil, o artigo expõe o atraso da política industrial com a mudança de paradigma tecnológico e o consequente desmantelamento do setor no país. Os resultados apontam que a articulação institucional entre a política industrial e as empresas é fundamental para a criação de capacidades tecnológicas em um novo paradigma.


Palavras-chave


Paradigma tecnológico; Política Industrial; Microeletrônica; Desenvolvimento Econômico;

Texto completo:

PDF

Referências


AMSDEN, A. The Rise of the Rest: Challenges to the West from Late Industrializing Economies. NY: Oxford University Press, 2001.

______. Asia’s Next Giant: South Korea and Late Industrialization. Oxford: Oxford University Press, 1989.

BELL, M. Approaches to Science and Technology Policy in the 1990s: Old Models and New Experiences, Proceedings of the Workshop on the Integration of Science and Technology. 1994.

CHANG, Ha-Joon . The political economy of industrial policy. London, MacMillan Press. 1994.

_______. Globalisation, economic development and the role of the State. Penang, TWN; New York, Zed Books. 2004.

_______ . The East Asian development experience: the miracle, the crisis and the future. Penang, TWN; New York, Zed Books. 2008.

_______ ; EVANS, Peter. The role of institutions in economic change. Paper prepared for the meeting of the “Other Canon” group Venice, Italy, January 13 - 14, 2000. (s.n.t.). 1999.

CHOUNG, J.; HWANG, H.; HWANG, H-R. Co-evolution of techonology and institution in the developing countries. Techno-Economics Departament, Eletronics and Telecommunications Reserch Institute. Taejon: 2014.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Novas tecnologias, novo paradigma tecnológico ou nova regulação: a procura do novo. Ensaios FEE. Porto Alegre:. v. 17, n. 2. 1996

______. O conceito de instituição nas modernas abordagens institucionalistas. Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 6, n.2, p. 119-146, 2002.

______. A Dimensão Institucional do Processo de Crescimento Econômico: inovações e mudanças institucionais, rotinas e tecnologia social. Economia e Sociedade (UNICAMP). Campinas. v. 17, p. 85-105. 2008.

______.Tecnologia Social e Instituições: uma relação conceitual simbiótica. Economia & tecnologia (UFPR). Curitiba. v. 16, p. 99-108. 2009

______. Há compatibilidade entre a 'tecnologia social' de Nelson e a 'causalidade vebleniana' de Hodgson?. Revista de Economia Política (Impresso), v. 32, p. 109-127, 2012.

COUTINHO, L. Coreia do Sul e Brasil: paralelos, sucessos e desastres. In: FIORI, J. (org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Rio de Janeiro/Petrópolis: 1999. Vozes, p. 351-378.

DAHLMAN, C. Electronics Development Strategy: The Role of Government. Unpublished MS. The World Bank, 1989.

DALL'ACQUA, F. Crescimento e estabilização na Coréia do Sul, 1950-86. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, n. 45, v. 1, p. 103-125, jan./mar. 1991.

DOSI, G. Techonological paradigms and techonological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of techinical change.In: Reserch Policy, 1982.

______. Sources, Procedures, and Microeconomic Effects of Innovation, Journal of Economic Literature, 26(3):1120-1171, 1988.

______. Technological Paradigms and Technological Trajectories. Revista Brasileira de Inovação, 5 (1): 17-32, 2006.

EOM, B.Y.; LEE, K. Modes of knowledge transfer form PROs and firm performance: the case of Korea. Seoul Journal of Economics, Seul: v. 22, n. 4, p. 500-528, 2009.

FERRAZ, J.C; DE PAULA, G; KUPFER, D. Política Industrial. In: KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia. Economia Industrial: Fundamentos Teóricos e Práticas no Brasil. Rio de Janeiro. Elsevier, cap 23, pag, 545 - 565, 2002

FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crises of adjustmet: business cycles and investment behaviour. In: Dosi, G. et all. Techincal change and economic theory. Londres: Pinter Publishers, 1988.

GRAZZIOTIN, H.; ÁVILA, R.; HERRLEIN JR., R. A Economia Política Institucionalista e o desenvolvimento. In DATHEIN, Ricardo (Org.) (2015). Desenvolvimentismo: o conceito, as bases teóricas as políticas. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2015.

HODGSON, G. Economics and Institutions: A Manifest for a Modern Institutional Economics. Polity Press and University of Pennsylvania Press. Cambridge and Philadelphia, 1988.

_____. Economics and Evolution: Bringing Life Back Into Economics. Polity Press and University of Michigan Press. Cambridge UK and Ann Arbor MI, 1993.

_____. The Evolution of Institutions: An Agenda for Future Theoretical Research. Constitutional Political Economy, 13, 111– 127, 2002.

_____. John R. Commons and the Foundations of Institutional Economics. Journal of Economic Issues, Vol.37, No. 3, pp 547 – 576, 2003.

KIM, L.; WESTNEY, D. Technology and Korea’s Business Systems in Action. In: Continuity and Change in Asia’s Business Systems. 1999.

LAPLANE, M.; FERREIRA, A.; BORGHI, R. Padrões de crescimento, investimento e processos inovadores: o caso da Coreia do Sul. In: Padrões de desenvolvimento econômico (1950–2008): América Latina, Ásia e Rússia. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2013. v.1; v.2; total 924 p.

LEE, P. Investimentos coreanos no mundo: IDE e internacionalização das empresas sul-coreana. 2011. 132 p. Dissertação de (Mestrado curso de Geografia), Departamento de Geografia. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

MASIERO, G. As lições da Coréia do Sul. RAE Executivo (Cessou em 2004. Cont. ISSN 1806-8979 GV Executivo). Sao Paulo, v. 1, n. 2, p. 16-21. 2000.

MODY, A. Institutions and Dynamic Comparative Advantage: Electronics Industry in South Korea and Taiwan. World Bank Industry and Energy Department Working Paper #9, p. 11. 1989.

MOWERY, D.; STEINMUELLER, W. Participation of developing nations in the global integrated circuit industry: The Experience of the U.S., Japan, and the NIE’S. The Economics of Technology. Paper #9. 1991.

NELSON, R. Bringing institutions into evolutionary growth theory, Journal of Evolutionary Economics. Spring-Verlag. v. 12, pp. 17-28. 2002

NICOLAS, F., THOMSEN, S.; BANG, M. Lessons from Investment Policy Reform in Korea. OECD Working Papers on International Investment, n. 2, 2013.

NORTH, D. The New Institutional Economics. Journal of Institutional and Theoretical Economics 142:230-37, 1986.

______. Some Fundamental Puzzles in Economic History/Development in W. Brian Arthur, Steven N. Durlauf, and David A. Lane (eds.), The Economy as an Evolving Complex System II. Addison-Wesley. 1995.

_____. Institutions. Journal of Economic Perspectives, 5 , 97-112, 1991.

______. Finance and technical change: A long-term view, in H. Hanusch and A. Pyka, eds. The Elgar Companion to Neo-Schumpeterian Economics, Edward Elgar, Cheltenham, pp. 775-99. 2005.

PACK, H. A pesquisa e o desenvolvimento no processo de desenvolvimento industrial. In: KIM, L. e NELSON, R. R. Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Ed. Unicamp, 2005.

PALMA, G. Gansos voadores e patos vulneráveis: a diferença da liderança do Japão e dos Estados Unidos, no desenvolvimento do Sudeste asiático e da América Latina. In: FIORI, J L. (0rg.) (2004) O Poder americano. Petrópolis: Vozes. 2004.

PEREZ, C. Cambio Técnico, Restructuration Competitiva y Reforma Institucional enlos Países enDesarollo. El Trimestre Económico, v.61, 1992.

______. Revoluciones tecnológicas y capital financiero: la dinámica de las grandes burbujas financieras y las épocas de bonanza. México: Siglo XXI, 2004.

SAMUELS, W. The present state of institutional economics. Cambridge Journal of Economics , 19, 569-590, 1995.

SUZIGAN, W; FURTADO, J. Instituições e Políticas Industriais e Tecnológicas:Reflexões a Partir da Experiência Brasileira. Est. econ., São Paulo, v. 40, n. 1, p. 7-41, JANEIRO-MARÇO 2010.

SUZIGAN, W. VILLELA, A. V. . Industrial Policy in Brazil. Campinas: Unicamp/Fapesp, 1997.

VEBLEN, T. Why is economics not an evolutionary science? Quartely Journal of Economics 12.3: 373-397. 1898.




Direitos autorais 2020 Compartilhado Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2359-2419 (números publicados a partir de junho 2016)

ISSN: 1415-0689 (encerrado em junho de 2016).

Email: cadernosdecampo.fclar@unesp.br 

A Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais faz parte de um amplo grupo de periódicos internacionais que aderiram à Declaração de San Francisco sobre Avaliação da Pesquisa (DORA). Criado por um grupo de editores de periódicos acadêmicos, durante um evento cientifico, na cidade de São Francisco/EUA, em 2012, esse movimento exige novas formas de avaliação da produção cientifica por parte das agências de financiamento e instituições acadêmicas. Maiores informações sobre a DORA podem ser obtidas clicando no link: https://sfdora.org/