Simbolos identitários agenciados nas classes de PLH para ‘brasileirinhos’

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v7iesp.6.15437

Resumo

Este artigo é uma versão modificada e reduzida de um dos capítulos de minha tese de doutorado. Apresento aqui reflexões acerca dos símbolos nacionais utilizados por iniciativas, formadas por brasileiras e brasileiros no exterior, que se propõem a manter e/ou ensinar o Português como Língua de Herança para seus filhos e outras crianças com pai ou mãe brasileira, com o objetivo de despertar nas crianças um “sentimento de pertencimento” de também serem brasileiros. Para a investigação, foi utilizada uma metodologia qualitativa que triangulou diferentes aproximações, em que se permitiu mediar a comunicação entre a investigadora e seus interlocutores. A partir do trabalho etnográfico e observação participante, apresento aqui como os símbolos de uma “brasilidade imaginada” são trazidos para o contexto de manutenção e ensino de PLH. Mostro como este universo simbólico aparece nas propostas e práticas pedagógicas das iniciativas, como também as preocupações que sustentam as metodologias e escolhas didáticas para este contexto especifico de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taís Cristina Samora de Figueiredo, GEPPIP/UFS

Doutora em Antropologia Social e Cultural, pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa “Processos Identitários e Poder” (GEPPIP) na Universidade Federal de Sergipe (UFS) – Aracaju.

Referências

DA-MATTA, R. O que faz do brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986.

DORNELES, R. Material Didático para o ensino de POLH. In: SOUZA, A.; LIRA, C. (org). O POLH na Europa (Português como Língua de Herança). JNPBooks, 2017.

GOMES, J. Portugués como Lengua de Herencia en un contexto de lenguas hermanas: el caso de los hijos brasileños que viven en Barcelona. 2017. Tese (Doutorado) – Universidade de Barcelona (UB), Barcelona, 2017. Disponible en: https://www.tdx.cat/handle/10803/663330. Acceso el: 10 enero 2021.

JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. Português como língua de Herança: A filosofia do começo, meio e fim. Nova Iorque: Brasil em Mente, 2015.

MARGOLIS, M. Goodbye, Brazil: emigrantes brasileiros no mundo. São Paulo: Contexto, 2013.

MENDES, E. A ideia de cultura e sua atualidade para o ensino-aprendizagem de le/l2. Rev. Entre Línguas, Araraquara, v. 1, n. 2, p. 203-221, jul./dez. 2015.

MORAIS, L. Comida, identidade e patrimônio: articulações possíveis. História: Questões & Debates, Curitiba, n 54, p. 227-254, 2011a. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v54i1.25749

MORAIS, P. L. Cada comida no seu tacho: ascensão das culinárias típicas regionais como produto turístico – o guia quatro rodas brasil e os casos de minas gerais e paraná (1966-2000). 2011. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Paraná (UFPR), Curitiba, PR, 2011b. Disponible en: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/26520. Acceso el: 10 enero 2021.

MORONI, A. Português como língua de herança na Catalunha: representações sobre identificação, proficiência e afetividade. 2017. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP. 2017. Disponible en: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/325381/1/Moroni_AndreiaSanch ez_D.pdf. Acceso el: 10 enero 2021.

MORONI, A.; GOMES, J. O português como língua de herança hoje e o trabalho da Associação de Pais de Brasileirinhos na Catalunha. Revista de Estudos Brasileiros, Salamanca; São Paulo, v. 2, n. 2, p. 21-35, 2015. Disponible en: http://www.revistas.usp.br/reb/article/view/98538/97216. Acceso el: 10 enero 2021.

SAMORA, T. C. Em nome dos brasileirinhos: estratégias para construção identitária brasileira na Europa. Perifèria, Revista de recerca i formació en antropologia, v. 25, n. 1, p. 28-55, 2019. DOI: https://doi.org/10.5565/rev/periferia.688. 30 sept. 2020.

SOUZA, A.; LIRA, C. (org.). O POLH na Europa (Português como Língua de Herança). Birmingham: JNPBooks, 2017.

Publicado

28/12/2021

Como Citar

SAMORA DE FIGUEIREDO, T. C. S. de. Simbolos identitários agenciados nas classes de PLH para ‘brasileirinhos’. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 7, n. esp.6, p. e021147, 2021. DOI: 10.29051/el.v7iesp.6.15437. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/15437. Acesso em: 20 maio. 2022.