Correlação da proficiência de língua inglesa de pesquisadores de química brasileira com suas publicações científicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v7i00.15527

Palavras-chave:

Produção científica, Língua inglesa, Química, Pós-graduação

Resumo

O inglês é o idioma mais utilizado para publicação de estudos científicos, o que pode ser um obstáculo para pesquisadores não fluentes. Este artigo analisou as autoavaliações (fala, leitura, escuta e escrita em inglês) em currículos de pesquisadores atuantes em Programas de Pós-Graduação em Química stricto sensu no Brasil. As informações sobre a produção científica dos pesquisadores foram obtidas da Plataforma Lattes. Ao todo foram avaliados 24 programas com nota 4 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), 10 com nota 7 e 337 pesquisadores. A maioria considera ter bom domínio da língua inglesa, com a melhor avaliação para leitura. Os pesquisadores foram caracterizados como fluentes/não fluentes com base em suas avaliações para leitura e escrita. Os artigos em inglês foram publicados, em sua maioria, por quem lê/escreve fluentemente. Esses pesquisadores apresentam as maiores médias em relação às citações e ao índice-h.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gleice Cristina Ricetto, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Mestranda no Programa de Pós-Graduação Profissional em Inovação Tecnológica.

Valéria Vitor Resende Ferreira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Mestranda no Programa de Pós-Graduação Profissional em Inovação Tecnológica.

Beatriz Gaydeczka, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Professora Associada no Instituto de Ciências Tecnológicas e Exatas (ICTE). Doutorado em Linguística (USP).

Artur de Jesus Motheo, Universidade de São Paulo (USP), São Carlos – SP

Professor Titular, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Físico-Química, Chefe do Departamento de Físico-Química e Vice-Prefeito do Campus Administrativo da USP. Doutorado em Química (USP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1A.

Ana Claudia Granato, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Professora Associada I no Instituto de Ciências Tecnológicas e Exatas (ICTE). Doutorado em Química (Química Analítica) (USP).

Geoffroy Roger Pointer Malpass, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Professor Adjunto no Instituto de Ciências Tecnológicas e Exatas (ICTE). Doutorado em Química (Físico-Química) (USP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Referências

ALMEIDA, M. R.; PINTO, Â. C. Uma breve história da química Brasileira. Ciência e Cultura, v.63, n.41, p. 41-44, 2011.

ARANGO, H. G. Bioestatística: teórica e computacional. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

CELANI, M. A. A. Não há uma receita no ensino de Língua Estrangeira. Revista Nova Escola, v. 222, 2009.

CRYSTAL, D. English as a global language. 2. ed. New York: Cambridge, 2003.

CUNHA, A. et al. Dificuldades e estratégias de estudantes de pós-graduação da área de ciências da saúde para escrever e publicar em inglês–um estudo qualitativo descritivo. Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 8, n. 145, p. 145-155, 2014.

DI BITETTI, M. S.; FERRERAS, J. A. Publish (in English) or perish: the effect on citation rate of using languages other than English in scientific publications. Ambio, v. 46, p. 121-127, 2017.

FERREIRA, V. V. R. A valorização das patentes na área de Química. 2018. 32 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2018.

FORATTINI, O. P. A língua franca da ciência. Revista de Saúde Pública, v. 31, p .3-8, 1997.

HOSTINS, R. C. L. Os Planos Nacionais de Pós-graduação (PNPG) e suas repercussões na Pós-graduação brasileira. Perspectiva, v. 24, p. 133-160, 2006.

IBGE. Contas Regionais: em 2018, apenas Sergipe teve queda no PIB. 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/29445-contas-regionais-em-2018-apenas-sergipe-teve-queda-no-pib. Acesso em: 10 fev. 2021.

IGLESIAS, S. R. A.; BATISTA, N. A. A língua inglesa e a formação de mestres e doutores na área da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, p. 74-81, 2010.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Superior 2018. Brasília: Inep, 2019.

MARQUES, F. Os limites do índice-h. Boletim Técnico do PPEC, v. 2, p. 35-39, 2017.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos,1999.

MENEGHINI, R.; PACKER, A. L. Is there science beyond English? EMBO Reports, v. 8, p. 112-116, 2007.

ORTIZ, R. As ciências sociais e o inglês. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, p. 5-23, 2004.

ROYAL SOCIETY. Knowledge, networks and nations: global scientific collaboration in the 21st century. London: Royal Society, 2011.

SANTIN, D. M.; VANZ, S. A. S.; STUMPF, I. R. C. Internacionalização da produção científica brasileira: políticas, estratégias e medidas de avaliação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, p. 81-100, 2016.

SCHÜTZ, R. Rumos para o Ensino de Línguas no Brasil. 2006.

SILVA, D. D.; GRÁCIO, M. C. C. Índice-h de Hirsch: análise comparativa entre as bases de dados Scopus, Web of Science e Google Acadêmico. Em Questão, v. 23, p. 196-212, 2017.

WEB OF SCIENCE GROUP. Research in Brazil: funding excellence: analysis prepared on behalf of CAPES by the Web of Science Group. 2019. Disponível em: https://discover.clarivate.com/Research_Excellence_Awards_Brazil_Download. Acesso em: 10 fev. 2021.

ZANELLA, D. A. V. A exigência de proficiência em língua estrangeira na Pós-graduação em Educação. Revista de Estudos Universitários - REU, v. 29, p. 127-148, 2016.

Publicado

08/10/2021

Como Citar

RICETTO, G. C. .; FERREIRA, V. V. R.; GAYDECZKA, B.; MOTHEO, A. de J.; GRANATO, A. C.; MALPASS, G. R. P. Correlação da proficiência de língua inglesa de pesquisadores de química brasileira com suas publicações científicas. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 7, n. 00, p. e021038, 2021. DOI: 10.29051/el.v7i00.15527. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/15527. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos