A formação profissionalizante em contexto quilombola: entre o desenvolvimento local e a formação para a vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29373/sas.v10i00.15473

Palavras-chave:

Quilombolas, Cursos profissionais, Novos caminhos, Cultura

Resumo

A pesquisa em questão analisa as potencialidades do programa Novos Caminhos, que fomenta cursos de formação inicial e continuada para qualificação profissional, via Institutos Federais de Educação. O espaço de pesquisa será a comunidade Quilombola Tabuleiro dos Negros, que para nós, se coloca como espaço social, onde se encontram agentes individuais que podem desenvolver suas atividades sociais, culturais econômicas, por meio do fomento de cursos de formação, que melhorem suas práticas e também possibilitem inovação, em relação ao que já praticam. O método teórico é baseado na ideia implícita de capital cultural pela educação formal e a metodologia de coleta de dados em campo (resguardados os protocolos de segurança e autorização de uso de dados) é o grupo focal, feito com jovens da comunidade. O tratamento dos dados será via análise de conteúdo e o meio de intervenção, se tratando de uma pesquisa ação é a formação de um catálogo de cursos, junto com análise de sua aplicabilidade e importância. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Greice Keli Santos, Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Penedo – AL

Especialização em Educação Profissional.

James Santos, Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Palmeira dos Índios – AL

Professor do curso de Sociologia e da Especialização em Educação Profissional. Doutorado em Ciências Sociais (UNESP).

Referências

ALAGOAS. Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio. Estudo sobre as comunidades quilombolas de Alagoas. Maceió: SEPLAG, 2015.

ANDRADE, Y. Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social. Revista Ensino Superior Unicamp, Campinas, n. 6, p. 18-27, jul./set. 2012.

ANDRÉ, M. Texto, contexto e significado: algumas questões na análise de dados qualitativos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 45, p. 66-71, maio 1983.

ARROYO, M. G. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BOTELHO, D. Inclusão educacional e população negra brasileira. Salto para o Futuro: Educação Quilombola. BOLETIM 10, jul. 2007. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2017/03/Educacao-quilombola.pdf. Acesso em: 14 ago. 2021.

BOURDIEU, P. A reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF: MEC, 2007.

BRASIL. Resolução n. 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, 22 jun. 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/res012004.pdf. Acesso em: 6 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Educação profissional e tecnológica: série histórica e avanços institucionais 2003-2016. Brasília, DF: MEC, SETEC, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=133961-relatorio-memorial-setec-2003-2016-1&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Novos Caminhos. Disponível em: https://sites.google.com/ifal.edu.br/programanovoscaminhos. Acesso em: 21 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Pró-Reitoria de Extensão - Programa Novos Caminhos. Disponível em: https://fic.ifal.edu.br/cursos. Acesso em: 29 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Quilombolas. Disponível em: https://www.gov.br/incra/pt-br/assuntos/governanca-fundiaria/quilombolas#. Acesso em: 28 ago. 2021.

CARRIL, L. F. B. Os desafios da educação quilombola no Brasil: o território como contexto e texto. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22 n. 69, abr./jun. 2017.

COSTA, E. V. Da monarquia à república: momentos decisivos. 6. ed. São Paulo: UNESP, 1999.

FAUSTO, B. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1995.

GARCIA, S. R. O. O fio da história: a gênese da formação profissional no brasil. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 2000, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG: ANPED, 2000. Disponível em: https://www.anped.org.br/sites/default/files/gt_09_02.pdf. Acesso em: 14 ago. 2021.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências sociais e humanas. Brasília, DF: Líber Livro 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2019. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf. Acesso em: 14 ago. 2021.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Regularização de Território Quilombola: perguntas e respostas. Disponível em: https://antigo.incra.gov.br/pt/quilombolas.html. Acesso em: 07 set. 2021.

ITERAL. Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas. Mapa das Comunidades Quilombolas de Alagoas. 2021. Disponível em: http://www.iteral.al.gov.br/gpaf/assessoria-tecnica-dos-nucleos-quilombolas-e-indigenas-astnqi/comunidades-quilombolas-de-alagoas/Mapa%20das%20Comunidades%20Quilombolas-2011.JPG/view. Acesso em: 10 ago. 2021.

MILLS, C. W. Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

MORGAN, D. L. Focus groups as qualitative research Newbury Park. California: Sage Publications, 1988.

RAMOS, M. N. História e política da educação profissional. Curitiba, PR: Instituto Federal do Paraná, 2014.

SAHLINS, M. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SAHLINS, M. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

SANTOS, G. K. et al. Saberes da comunidade no currículo das escolas quilombolas – reflexões. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 5., 2018, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande, PB: Realize Editora, 2018. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/48985. Acesso em: 07 set. 2021.

SILVA, E. A. Projetos de vida de adolescentes e jovens de comunidades quilombolas do Vale do Mucuri. Cadernos Ceru, São Paulo, v. 26, n. 2, dez. 2015. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/117469. Acesso em: 21 out. 2020.

Downloads

Publicado

29/12/2021

Como Citar

SANTOS, G. K.; SANTOS, J. A formação profissionalizante em contexto quilombola: entre o desenvolvimento local e a formação para a vida . Revista Sem Aspas , [S. l.], v. 10, n. 00, p. e021012, 2021. DOI: 10.29373/sas.v10i00.15473. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/15473. Acesso em: 26 jan. 2022.