Diálogos entre gênero, saúde e direito educativo: colocando em análises as diretrizes curriculares da educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v14.n1.2018.10542

Palavras-chave:

Gênero, Saúde, Direito educativo, Políticas públicas de educação.

Resumo

 

No presente artigo, discorremos sobre as temáticas gênero, saúde e promoção de cidadania, por intermédio da análise das Diretrizes Curriculares da Educação Nacional. Com esta pesquisa, problematizamos a produção de sentidos, no que tange às temáticas escolhidas, com fins de colocar em análise que noções de sujeito e de mundo materiais oficiais do Ministério da Educação disponibilizam para o exercício de práticas educacionais. Fizemos uso de aportes teóricos relacionados ao Direito Educativo, aos Estudos de Gênero de inspiração pós-estruturalista e ao Construcionismo Social. As diretrizes, entendidas como materiais de domínio público, foram analisadas por intermédio da Análise de Discurso proposta por Mary Jane Spink. Com o presente trabalho, concluímos que as Diretrizes apontam para uma concepção de sujeito e de mundo em um constante processo de construção, noção esta atrelada à promoção de cidadania e aos preceitos dos/as autores/as que nortearam este estudo. Inspiradas nesta pesquisa, levantamos o questionamento de como os/as atores/as que colocam em prática tais ações em seus contextos educacionais vivenciam tais Diretrizes, tendo em vista que essa lógica problematizadora, impressa nos materiais em análise, nem sempre compactua com as noções de sujeito e de mundo vivenciadas pelas comunidades em seus cotidianos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Sorensen, Hospital da Cidade - Passo Fundo, RS, Brasil

Bacharel em Psicologia pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Frederico Westphalen (URI). Residente Multiprofissional em Cardiologia no Hospital da Cidade, em Passo Fundo, RS, Brasil.

Eliane Cadoná, URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Frederico Westphalen

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Frederico Westphalen (URI).

Valesca Brasil Costa, URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Frederico Westphalen

Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Frederico Westphalen (URI), RS, Brasil.

Referências

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BORGES, Carolina de Campos. Mudanças nas trajetórias de vida e identidades de mulheres na contemporaneidade. Psicol. Estud., Maringá, 2013, v. 18, n. 1, p. 71-81.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 15 jul. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/ SEF,1997.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (2a ed.). (R. Aguiar). Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2008.

CADONÁ, Eliane.; STREY, Marlene Neves. A produção da maternidade nos discursos de incentivo à amamentação. Revista Estudos Feministas: Florianópolis, 2014. v. 22, n. 2, p. 477-499.

CADONÁ, Eliane.; STREY, Marlene Neves.; SCARPARO, Helena Beatriz K. Conceitos de Saúde e Cuidado na Mídia Impressa Brasileira: uma Análise do Ano de 1990 sob a Perspectiva do Jornal Zero Hora. No prelo. 2015.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et al. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2012.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

ESCOBAR, Edmundo. El derecho educativo. Disponível em: file:///C:/Users/ADM/Downloads/22.pdf. Acesso em: 31 maio 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2002.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GERGEN, Kenneth J.; GERGEN, Mary. O movimento do construcionismo social na psicologia moderna. Interthesis, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 299-325, jan./jul., 2009.

OLIVEIRA, WalterFerreira .Educação social de rua: bases históricas, políticas e pedagógicas. Hist. Cienc. Saúde, Manguinhos, v. 14, n. 1, p. 135-158, 2007.

SAVIANI, Demerval. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas: Florianópolis, 2005.

SHIROMA, Eneida Oto.; MORAES, Maria Cecília M. de.; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

SORENSEN, B.; CADONÁ, E.; COSTA, V. B. Diálogos entre gênero, saúde e direito educativo: colocando em análises as diretrizes curriculares da educação. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 14, n. 1, p. 16–30, 2018. DOI: 10.26673/rtes.v14.n1.2018.10542. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/10542. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação