Saúde e docentes em uma sociedade adoecida: um estudo no campo da pós-graduação em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.15393

Palavras-chave:

Literacia, Saúde, Cultura, Pós-graduação

Resumo

O artigo é sobre a literacia para a saúde dos docentes de um programa de pós-graduação em educação de uma universidade federal no Brasil. O objetivo é compreender, dentro da realidade da educação superior brasileira, se estes profissionais exercitam suas capacidades de compreensão, gestão e investimento para a adoção de um estilo de vida saudável. Por meio de entrevistas semiestruturadas, dez professores responderam a um questionário Europeu adaptado culturalmente e validado no Brasil, acrescido de perguntas abertas pelos autores. O método durante o processo de investigação foi o da observação participante e aconteceu nas instalações da própria instituição. Considera-se, que 80% dos pesquisados têm literacia para a saúde, contudo, evidenciou-se que 70% dos docentes possuem alguma patologia, apesar de exercerem suas capacidades de compreensão e gestão para a sua saúde. Deste modo, a promoção da saúde é prejudicada pelo fato do tempo indisponível para adoção de um estilo de vida saudável de 70% dos pesquisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sumayra Oliveira Silva, Universidade de Coimbra (UC), Coimbra

Doutoranda em Antropologia Biológica, Departamento de Ciência da Vida.

Acir Mário Karwoski, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Professor Associado do Departamento de Linguística e Língua Portuguesa. Doutorado em Letras - Estudos Linguísticos (UFPR).

Luciana Almeida Silva Teixeira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba – MG

Professora Associada do Instituto de Ciências da Saúde. Doutorado em Medicina Tropical e Infectologia (UFTM).

Referências

ALMEIDA, K. A pós-graduação no Brasil: história de uma tradição inventada. 2017. 213 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

BARRETT, S.; PURYEAR, J.; WESTPHELING, K. Health literacy practices in primary care settings: examples from the field. Nova Iorque: The Commonwealth Fund., 2008. Disponível em: www.commonwealthfund.org/usr_doc/Barrett_hltliteracypracticesprimarycaresettingsexamplesfield_1093.pdf?section=4039 Acesso em: 01 set. 2018.

BENAVENTE, A. A Literacia em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/ Conselho Nacional de Educação, 1996.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004. 86 p.

BRANDÃO, C. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1999.

CASSANDRE, M. A Saúde de Docentes de Pós-graduação em Universidades Públicas: Os Danos Causados pelas Imposições do Processo Avaliativo. Revista Mal-estar e subjetividade, v. 11, p. 779-816, jun. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/malestar/v11n2/13.pdf. Acesso em 03 jan. 2019.

CATANI, A. M.; CATANI, D. B.; PEREIRA, G. R. M. Pierre Bourdieu: as leituras de sua obra no campo educacional brasileiro. In: TURA, M. L. R. (org.) Sociologia para educadores. 4. ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.

FREUD, S. (1920-1922). Além do Princípio de Prazer, Psicologia de Grupo e outros trabalhos. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, S. O futuro de uma ilusão. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996[1927].

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996[1930/1929].

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2008.

HEALTH Canada. Toward a healthy future: second report on the health of Canadians. 1999. Disponível em: www.hc-sc.gc.ca/hppb/phdd/report.html. Acesso em: 01 set. 2018.

HOWARD, A. S. Um testamento agrícola. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

KICKBUSCH, I. Health literacy: addressing the health and education divide. Health Promotion International, 2001.

KICKBUSCH, I.; WAIT, S.; MAAG, D. Navigating health: the role of health literacy. London International Longevity Centre. Alliance for Health and the Future, 2006.

KLEINMAN, A.; EINSENBERG, L.; GOOD, B. Culture, illness, and care: clinical lessons from anthropologic and cross-cultural research. Annals of Internal Medicine, Philadelphia, v. 88, p. 251-258, 1978.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia Estrutural. 6. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

LÉVI-STRAUSS, C. Introdução à obra de Marcel Mauss In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: COSACNAYF, 2003.

MONTEIRO, M. M. C. F. A Literacia em Saúde. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Departamento das Ciências de Educação, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 2009.

MOROSINI, M. C. (org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000.

NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (org.). Pierre Bourdieu. Escritos de educação. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

NUTBEAM, D. Health literacy as a public health goal: a challenge for contemporary health education and communication strategies into the 21st century. Health Promotion International, 2000.

NUTBEAM, D. The evolving concept of health literacy. Social, Science & Medicine, 2008.

OLIVEIRA, H. B. A Formação Pedagógica de professores na pós-graduação stricto sensu: Os casos UFU e UFMG. Poíesis Pedagógica, v. 9, n. 2, p. 03-19, ago./dez. 2012.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Health promotion glossary. Genebra, 1998.

SABOGA, N. et al. Cross-cultural adaptation and validation to portuguese of the european health literacy survey (HLS-EU-PT). Aten Primaria, p. 46-13, 2014.

SABOGA, N. Literacia para a saúde: compreendendo seu alcance, objetivos, metodologia e contribuição no contexto da promoção da saúde. Grupo de Disciplinas de Estratégias de Acção em Saúde. In: Secção de Saúde Pública e Comunidade Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade NOVA de Lisboa, 2016.

SIMONDS, S. K. Health education as social policy. Health Education Monograph, 1974.

SOARES, S. A. (org.). A Educação Superior no Brasil. Brasília: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, 2002.

SOCIAL Determinants of Health: The Solid Facts, 2003. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0005/98438/e81384.pdf Acesso em: 22 jul. 2019.

TONES, K. Health literacy: new wine in old bottles. Health Education Research, 2002.

UNESCO. Youth and Adult Literacy in Brazil: learning from practice. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=UNESCO+(2009).+Education%2FLiteracy.&oq=UNESCO+(2009).+Education%2FLiteracy.&aqs=chrome..69i57.536j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8. Acesso em: 01 set. 2018.

VECCHIATTI, K. Três fases rumo ao desenvolvimento sustentável: do reducionismo à valorização da cultura. Perspectivas, São Paulo, v. 18, n. 3, jul./set. 2004.

VOZIKIS, A. Health literacy among university students in Greece: Determinants and association with self-perceived health, health behaviours and health risks. Archives of Public Health, 2014.

WULFF, H. R.; PEDERSEN, S. A.; ROSENBERG, R. Filosofia Della Medicina. Milano: Raffaello Cortina Editore, 1995.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Publicado

10/03/2021

Como Citar

SILVA, S. O.; KARWOSKI, A. M.; TEIXEIRA, L. A. S. Saúde e docentes em uma sociedade adoecida: um estudo no campo da pós-graduação em educação. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021019, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.15393. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/15393. Acesso em: 25 out. 2021.