Uma proposta de ensino-aprendizagem de inglês para fins específicos baseada no ensino híbrido

Yna Honda de Sousa, Andréa Pereira Mendonça, Iandra Maria Weirich da Silva Coelho

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma proposta de ensino-aprendizagem de Inglês para Fins Específicos, denominada Blended English Teaching (BET), que combina ensino híbrido, recursos virtuais para estudo autônomo e um corpus compilado com textos autênticos, referentes a manuais e tutoriais de hardwares e softwares. O objetivo desta proposta é contribuir para a proficiência na habilidade de leitura em inglês dos alunos no que diz respeito à decodificação de palavras e integração de ideias. Os resultados indicaram que a proposta BET contribuiu de maneira mais significativa para a proficiência na habilidade de leitura em inglês, no critério decodificação de palavras, não sendo igualmente efetiva no critério integração de ideias. Como resultado deste trabalho, desenvolvemos um Guia Didático para Professores contendo orientações e materiais de suporte que permitem a reprodução de BET em outros contextos de ensino.


Palavras-chave


Inglês para Fins Específicos; Ensino híbrido; Recursos virtuais; Corpus

Texto completo:

PDF

Referências


BERBER SARDINHA, T. Linguística de corpus: histórico e problemática. D.E.L.T.A., v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de corpus. Barueri, SP: Editora Manole Ltda, 2004.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de Aula Invertida, uma Metodologia Ativa de Aprendizagem, GEN Editorial, Rio de Janeiro, 2016.

BRAUER, K. C. N. O Emprego das Estratégias de Leitura em Textos de Inglês como LE. HOLOS, v. 5, p. 165-181, 2014.

BROOKHART, S. M. How to create and use rubrics for formative assessment and grading. Alexandria, VA: ASCD, 2013.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Clayton Christensen Institute, 2013.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para as línguas. Porto: ASA, 2001.

DUARTE, G. B. O processo de gamificação e a aprendizagem de línguas pelo viés da Complexidade. Congresso Ibero-americano de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação, Buenos Aires – Argentina, 2014.

ENRIGHT, M.; GRABE, W.; KODA, K.; MOSENTHAL, P. TOEFL 2000 Reading framework. Princeton, NJ: Educational Testing Service, 2000.

GONÇALVES, S. Aprender a ler e compreensão do texto: processos cognitivos e estratégias de ensino. Revista Iberoamericana de educación, v. 46, p. 135-151, 2008.

MONZÓN, A. J. B.; FADANELLI, S. B. Leitura de textos especializados anglófonos no Ensino Técnico: idiossincrasias terminológicas e pedagógicas sob a perspectiva da Linguística de Corpus. LínguaTec, v. 1, n. 1, 2016.

PORVIR. Plataforma Adaptativa: Ferramenta que propõe atividades diferentes para cada aluno, de acordo com suas necessidades. Disponível em . Acesso em 09 de jun de 2018.

SAWAYA, M. R. Dicionário de Informática & Internet. Nobel Editora, São Paulo, 1999.

SOUZA, P. R., ANDRADE, M. C. F. Ensino Híbrido – Modelos de Rotação por Estações de Trabalho e Sala de Aula Invertida. In: MENDONÇA, A. P. (Org.). Tendências e Inovações no Ensino. Curitiba, PR: CRV, p.27-42, 2015.

TUMOLO, C. H. S.; TOMITCH, L. M. B. Avaliando a leitura em inglês: uma reflexão sobre itens de testes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 7, n. 2, p. 67-89, 2007.




DOI: https://doi.org/10.29051/rel.unesp.v4.n2.2018.11615



Direitos autorais 2018 Revista EntreLínguas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529, ISSN: 2447-4045

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.