Vigilância e poder na sala de aula: as influências do panóptico no ambiente de ensino de língua estrangeira

Marina Rosa Severian

Resumo


Sendo as escolas geralmente consideradas como panópticos, ao possibilitarem, por meio de suas arquiteturas, a vigilância de estudantes e professores, pressupõe-se que tal controle, supostamente ininterrupto possa desencadear diferentes efeitos de poder nas relações entre esses sujeitos. A fim de contemplar as influências da teoria do panóptico nas salas de aula de língua estrangeira, respaldo-me na teoria benthaniana e foucaultiana acerca do conceito de panóptico para discorrer sobre a forma como o poder e a vigilância podem ser estabelecidos em dois cenários distintos de sala de aula. A estrutura de ambos os espaços constitui-se em possibilidades diferentes de salas de aula na contemporaneidade. Tendo como base esses cenários, considero que a estrutura física da sala de aula pode ser um fator determinante para se exercer de maneira mais intensa ou sutil os efeitos de poder por meio da vigilância.


Palavras-chave


Ensino de língua estrangeira. Panóptico escolar. Vigilância. Poder.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BENTHAM, J. Panopticon or the inspection-house. In: BOWRING, J. (ed.) Works of Jeremy Bentham. Edinburgh: Tait, p. 37-172, 1843.

BRAGA, M. D. W. O discurso sobre o livro didático de inglês: a construção da verdade na sociedade de controle. 2014, 246 f. Trabalho de Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2014.

BULLIO, P. C.; DEL-RÉ, A. A interação na sala de aula de língua estrangeira. Revista Signo, Santa Cruz do Sul, v. 35, n. especial, p. 02-39, jul./dez. 2010.

COSTA, R. Sociedade de controle. São Paulo em Perspectiva, v. 18, n. 1, São Paulo, p. 161-167, jan./mar. 2004.

DELEUZE, G. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Editora 34, p. 219-226, 1992.

FISCHER, L. Meritocracia. BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. 11 ed. Trad. Carmem C. Varrialle et al. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, vol. 1, p. 747-748, 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault - uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 231-249, 1995.

GALLAGHER, M. Are schools panoptic? Surveillance & Society, v. 7, n. ¾, p. 262-272, 2010.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. 2ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

LEFFA, V. J. O professor de línguas estrangeiras: do corpo mole ao corpo dócil. In: FREIRE, M. M.; ABRAHÃO, M. H. V.; BARCELOS, A. M. F. (Org.). Linguística Aplicada e contemporaneidade. São Paulo: ALAB/Pontes, 2005, p. 203-218.

MARQUES, S. C. M. Bentham e a educação: um projeto social. Educação Temática Digital, Campinas, v. 15, n. 1, p. 1-15, jan./abr. 2013.

MASCIA, M. A. A. Investigações discursivas na pós-modernidade: uma análise das relações poder-saber do discurso político educacional de língua estrangeira. Campinas: Mercado de Letras/Fapesp, 2003.

NAREZZI, E. C. O poder em sala de aula: disputas, amenização e sedução. 1998, 131f. Trabalho de Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 1998.

PANIAGO, M. L. F. S; FERNANDES, E. M. F. O corpo educado: a escola como dispositivo disciplinador na sociedade de controle. Revista Eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo, Vitória da Conquista, v. 4, n. 2, p. 68-77, 2013.

PRATA, M. R. S. A produção da subjetividade e as relações de poder na escola: uma reflexão sobre a sociedade disciplinar na configuração social da atualidade. Revista Brasileira de Educação, n. 28, p. 108-115, jan./abr. 2005.

POGREBINSCHI, T. Foucault, para além do poder disciplinar e do biopoder. Revista Lua Nova, n. 63, p. 179-201, 2004.

SEVERIAN, M. R. Relações de poder em uma escola pautada nas singularidades: olhares sobre as práticas de língua estrangeira. 2016, 253 f. Trabalho de Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2016.

STEADMAN, P. Samuel Bentham’s Panopticon. Journal of Bentham Studies, v. 14, p. 1-30, 2012.

VEIGA-NETO, A. Espaços, tempos e disciplinas: as crianças ainda devem ir à escola? In: CANDAU, V. M. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2001. p. 9-20.




DOI: https://doi.org/10.29051/rel.v3.n1.jan-jun.2017.9434



Direitos autorais 2017 Revista EntreLínguas



Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529, ISSN: 2447-4045

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.