A expressão de verbos modais na tradução do gênero decisão: contribuições para o ensino de língua estrangeira

Viviane Cristina Poletto Lugli

Resumo


Este artigo demonstra a relação entre os gêneros textuais e a manifestação de verbos modais em textos traduzidos e considera o olhar para os gêneros de textos essencial ao ensino de língua estrangeira por meio da tradução. É uma pesquisa bibliográfica que identifica os significados de verbos modalizadores nas versões em português, espanhol e inglês do gênero decisão, publicado pelo Diário Oficial da União Europeia. Parte do princípio de que os gêneros textuais funcionam como instrumentos (Dolz; Schneuwly, 2004) para o trabalho com a interpretação e a produção de textos na tradução, que consiste em uma retextualização (Travaglia, 2003), transformação (Arrojo, 1993) do texto de partida. De acordo com essa perspectiva, este texto considera a relevância do estudo dos gêneros, dos verbos modais e da situação comunicativa no ensino de língua estrangeira via tradução, compreendendo que traduzir e aprender uma língua estrangeira não requerem apenas o domínio de capacidades linguísticas.


Palavras-chave


Modalizações. Gênero. Decisão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCOS LLORACH, E. Gramática de la lengua española. Real Academia Española. Colección Nebrija y Bello. Madrid: Espasa Calpe, S.A, 2001.

ALBIR, A. H. Traducción y traductología. Introducción a la traductología. Madrid: Cátedra, 2016.

ARROJO, R. As relações perigosas entre teoria e políticas de tradução. In: Tradução, desconstrução e psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

BAJTÍN, M. Estética de la creación verbal.1 ed. Buenos Aires: Siglo XXI Argentina, 2005.

BATALHA, M. C.; PONTES JR., G. Tradução. S. Paulo: Vozes, 2007.

BELISARIO, G. L. La traducción como destreza de mediación: hacia la construcción de una competencia plurilingüe e pluricultural en el estudiante de E/LE”. 221f. 2004. Dissertación (Máster en Enseñanza del Español como Lengua Extranjera). Universidad Antonio de Nebrija, Madrid, 2004.

BRONCKART, J. P. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: Educ, 1999.

BRONCKART, J. P. Gêneros de textos, tipos de discurso e sequências. Por uma renovação do ensino da produção escrita. Letras, Santa Maria, v. 20, n. 40, p. 163-176, jan.jun.2010.

BRUNELLI, A. F.; GASPARINI-BASTOS, S. D. A manifestação das diferentes modalidades no emprego do verbo modal poder em português e em espanhol:análise do discurso de autoajuda. Signo y Sena, número 22, diciembre de 2012, p. 165-180, Facultad de Filosofía y Letras (UBA).

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO GERAL DA TRADUÇÃO. Documento do Departamento de Língua Portuguesa da Direção-Geral da Tradução da Comissão Europeia. 3 ed., jun. 2015.

CRISTOVÃO, V. L. L.; NASCIMENTO, E. L. Gêneros textuais e Ensino: Contribuições do interacionismo sócio-discursivo. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B; BRITO, K. S. (orgs). Gêneros Textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória, Pr: Kaygangue, 2005.

CRISTOVÃO, V. L. L. Modelos didáticos de gêneros: uma abordagem para o ensino de língua estrangeira. Londrina: UEL, 2007.

DE HAAN, F. Typological approaches to modality. In: FRAWLEY, W. Modality. Berlin: Mouton de Gruyter, 2005.

DIARIO OFICIAL DE LA UNIÓN EUROPEA. Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT-ES-EN/TXT/?uri=CELEX:32014D0890&from=PT. Acesso em: 10 jan. 2017.

DIREÇÃO-GERAL DA TRADUÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA. Documento do departamento de língua portuguesa da direção-geral da tradução da comissão europeia. 2. ed. ampliada: jan. 2012. Disponível em: http://ec.europa.eu/translation/portuguese/guidelines/documents/styleguide_portuguese_dgt_pt.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

DOLZ, J.; PASQUIER, G.; BRONCKART, J. P. A aquisição do discurso: emergência de uma competência ou aprendizagem de capacidades linguageiras diversas. Estudos de Linguística Aplicada, n. 89, p. 25-35, 1993.

DOLZ, J.; SCHNEUUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Tradução Fabrício Decândio e Anna Rachel Machado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília: Editora UnB, 2001.

FISH, S. Is there a text in this class? Tradução de Rafael Eugenio HOYOSANDRADE. Alfa, São Paulo, 36: 189-206, 1992.

GADAMER, H-G. “A linguagem como medium da experiência hermenêutica”. In: Verdade e método I. Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 1997. 497-631.

GARCÍA-MEDALL, J. La traducción en la enseñanza de lenguas. Hermeneus. Revista de Traducción e Interpretación, n.3, 2001, p. 113-140, Universidad de Valladolid.

GASPARINI-BASTOS, S. D. Os constituintes extrafrasais com valor epistêmico: análise de entrevistas jornalísticas no espanhol e no português. Araraquara: 2004. 161f. Tese (Doutorado em Linguística), Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, 2004.

GONZÁLEZ, Y. M. La documentación de la Unión Europea: concepto y clasificación. BID, n. 7, dez. 2001.

HERMANS, T. Translation´s other. Inaugural lecture. London: UCL, 1996.

MACHADO, A. R. Um instrumento de avaliação de material didático com base nas capacidades de linguagem a serem desenvolvidas no aprendizado de produção textual. In: Intercâmbio, vol. x, p. 137-147, 2001.

NEVES, M. H. de M. Imprimir marcas no enunciado. Ou: A modalização na linguagem. In: NEVES, M. H. de M. Texto e Gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

NEVES, M. H. de M. A modalidade. In: Koch, I. V.(org). Gramática do Português Falado. 2 ed. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2002.

NORD, C. La unidad de la traducción en el enfoque funcionalista. Quaderns. Revista de traducció 1, 1998, p. 65-77.

OFICINA DE PUBLICACIONES. Viajar por Europa. Folleto. Disponível em: http://www.injuve.es/sites/default/files/2015/29/publicaciones/Viajar%20por%20Europa%202015-16.pdf. Acesso em: 20 jul.2017.

OUSTINOFF, M. Tradução. História, teorias e métodos. Tradução de Marcos Marcionilio. São Paulo: Parábola, 2011.

PALMER, F. R. Mood and modality. Cambridge University Press, 1986.

PASQUIER, A.; DOLZ, J. Um Decálogo para Ensinar a Escrever.Cultura y Educación. Tradução provisória de Roxane Helena Rodrigues Rojo. Madrid: Infancia y aprendizaje, n. 2, p. 31-41, 1996.

RIDRUEJO, E. Modo y modalidad. El Modo em las subordinadas sustantivas. In: BOSQUE, I.; DEMONTE, V. Gramática descriptiva de lengua española. Las construcciones sintácticas fundamentales. Relaciones temporales, aspectuales y modales. Madrid: Espasa Calpe, 2000.

RIESTRA, D. Las consignas de trabajo en el espacio sócio-discursivo de la enseñanza de la lengua. Tesis de Doctorado, no. 328, Suiza, Universidad de Ginebra, 2004.

RINALDI, N. Um estudo sobre os diferentes valores modais do verbo ‘Poder’ em entrevistas jornalísticas do espanhol. 2015. 125 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, Unesp, 2015.

RODRIGUES, C. C. Tradução e diferença. S. Paulo: Unesp, 2000.

SOBRAL, A. Dizer “o mesmo” a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: SBS, 2008.

TRAVAGLIA, N. G. Tradução e retextualização: a tradução numa perspectiva textual. Uberlândia: EDUFU, 2003.




DOI: https://doi.org/10.29051/rel.v3.n2.2017.9474



Direitos autorais 2017 Revista EntreLínguas



Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529, ISSN: 2447-4045

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.