Modernidade, brevidade e catástrofe: uma análise do documentário "Nós que aqui estamos por vós esperamos", de Marcelo Masagão

Rafael Marino

Resumo


O objetivo do presente artigo é tentar uma análise crítica e imanente do documentário Nós que aqui estamos por vós esperamos (1999), de Marcelo Masagão, concentrando-se em sua narrativa fílmica. Para tal, buscar-se-á articular a teoria à análise das imagens, lançando-se mão de arcabouço teórico possuidor de afinidades eletivas com a estrutura fílmica. Em um primeiro momento, pretende-se fazer uma breve revisão bibliográfica e conceitual, cujo intuito é auxiliar na incursão do material artístico. Na segunda e terceira partes, será analisada a narrativa fílmica e seu sentido, seguidas das considerações finais.


Palavras-chave


Sociologia da arte e da imagem; Teoria crítica da sociedade; Pensamento político e social brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Introdução à controvérsia sobre o positivismo na sociologia alemã. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 209 – 259.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 1985.

BAZIN, André. A evolução da linguagem cinematográfica. In: O que é cinema?. São Paulo: Cosac Naify, 2014, p. 95 – 113.

BENJAMIN, Walter. A imagem de Proust. In: Magia, Arte e Técnica. Volume 1. São Paulo: Brasiliense, 2011, p. 36 – 50.

COHN, Gabriel. Crítica e resignação: Max Weber e a teoria social. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor. In: Ditos e escritos III. São Paulo: Editora Forense, 2001, p. 264 – 298.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In: O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930 – 1936). São Paulo: Companhia

das Letras, 2010, p. 13 – 124.

GIANNOTTI, José Arthur. Contra Althusser. In: Exercício de Filosofia. Petrópolis; São Paulo: Vozes; Cebrap, 1980, p. 85 – 103.

GOMBRICH, Ernst. Arte e Ilusão. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

GRESPAN, Jorge. A dialética do avesso. In: Crítica Marxista, nº 14, v.1, p. 26 – 47, jan. 2002.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XIX (1914 – 1921). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2012.

MENEZES, Paulo. Representificação: as relações (im)possíveis entre cinema documental e conhecimento. In: Revista brasileira de ciência sociais, nº 51, v.1, p. 87 – 98, jan. 2003.

MERLEAU – PONTY, Maurice. O cinema e a nova psicologia. In: Xavier, Ismail (org.). A experiência do cinema. São Paulo: Graal, 2003, p. 101 – 119.

MÜLLER, Marcus L. Exposição e método dialético em ‘O Capital’. In: Boletim SEAF – MG, n.2, v.1, p. 17 – 41, dez.1982.

MARX, Karl. Crítica filosofia do direito de Hegel – Introdução. In: Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010, p. 145 – 159.

NICHOLS, Bill. Que tipo de documentários existem?. In: Introdução ao documentário. São Paulo: Papirus Editora, 2014, p. 135 – 178.

SORLIN, Pierre. Film et ideológie. In: SociologieduCinéma. Paris, Aubier, 1982, p. 199-242.

WEBER, Max. A ética protestante e o ‘espírito’ do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

WEBER, Max. A objetividade do conhecimento nas ciências e políticas sociais. In: Ensaios sobre a teoria das ciências sociais. São Paulo: Centauro, 2003, p. 1-75.




DOI: https://doi.org/10.29373/semaspas.unesp.v7.n1.jan/jun.2018.11562



 

 

Rev. Sem Aspas, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN  2358-4238

DOI Prefix: 10.29373/semaspas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.